🔴 É HOJE! PLANO PRÁTICO PARA GERAR RENDA EM DÓLAR SERÁ REVELADO – VEJA COMO ACESSAR

Estadão Conteúdo
expectativa para as contas

Déficit primário pode chegar perto de 8% do PIB, diz Mansueto

Secretário do Tesouro disse que o teto de gastos está mantido e que o plano de consolidação fiscal será retomado no ano que vem

Estadão Conteúdo
15 de abril de 2020
14:39 - atualizado às 23:25
Mansueto Almeida
Secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida - Imagem: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, afirmou que o governo brasileiro irá gastar o que for necessário para lidar com a crise causada pelo coronavírus para apoiar a área de saúde e também os mais afetados, mas que a premissa é que os gastos serão temporários. A declaração foi dada em seminário online organizado pela Brazilian-American Chamber of Commerce.

"Ser liberal não significa ser estúpido. Vamos ter de gastar mais. Não existe dúvida que temos de gastar mais, para ajudar o sistema de saúde, os trabalhadores que ganham pouco, os trabalhadores informais", disse. "Mas será um gasto temporário e não vai continuar nos outros próximos, o que é bem diferente de outras crises", completou.

Mansueto frisou que o teto de gastos está mantido e que o plano de consolidação fiscal será retomado no ano que vem.

O secretário também citou que o déficit primário deve ficar próximo de 8% do PIB, ou cerca de R$ 600 bilhões, este ano e destacou que a dívida bruta do País vai aumentar, para entre 85% a 90% do Produto Interno Bruto (PIB), mas que, diferente de 2015 e 2016, a taxa Selic está em uma mínima histórica, o que diminui o custo da dívida. "O custo da dívida está em uma mínima histórica, o que nos ajuda a lidar com isso depois da crise."

Mansueto ainda afirmou que as reformas estruturais serão mais importantes depois da crise.

Socorro a Estados

O secretário do Tesouro Nacional avaliou que o plano de socorro aos Estados, aprovado na Câmara dos Deputados na noite de segunda-feira, 13, "dá muito a Estados".

Segundo Mansueto, o governo federal tem consciência de que, em meio à crise do coronavírus, é necessário fazer transferências para Estados, e até repasses livres, mas em um volume menor do que o que Câmara aprovou.

Além disso, o secretário defendeu que o plano dure por três meses e, se até lá a crise não passar, as medidas poderiam ser discutidas outra vez. "O que discordamos do Congresso é o tamanho da conta, e acreditamos que temos que ter um controle do gasto do dinheiro", disse, citando a necessidade de contrapartidas, como a necessidade de não aumentar gastos por dois anos, por exemplo.

Mansueto ainda afirmou que o Brasil começou o isolamento social antes de outros países e que, por isso, o número de mortes pode ser menor comparativamente.

Tesouro

Para Mansueto, o Tesouro Nacional tem um colchão de liquidez para lidar com o aumento de gastos necessários para enfrentar a crise do coronavírus sem a necessidade de "correr" ao mercado para se financiar.

Segundo ele, no segundo semestre, provavelmente o Tesouro terá de voltar ao mercado de forma mais "agressiva" para ofertar títulos, mas que agora a situação é "confortável".

Além disso, ele repetiu que o custo da dívida, com a Selic em 3,75%, está muito baixo. "Esse ano, também não podemos ficar preocupados com o aumento do déficit, porque está acontecendo no mundo todo."

Carga tributária

O secretário do Tesouro Nacional afirmou que o aumento de imposto só acontecerá em "um pior cenário" após a crise do coronavírus. "Ninguém quer falar em aumentar imposto agora", disse. "Temos reformas para aprovar e concessões e privatizações para ajudar com a conta do coronavírus no ano que vem", completou.

Mansueto comentou que o debate sobre reformas está parado diante das medidas necessárias para lidar com o coronavírus, mas que serão muito importantes no ano que vem, assim como a retomada de planos de privatizações. "As reformas serão o ponto mais importante no ano que vem para lidar com a conta do coronavírus."

Ele citou que o sistema tributário brasileiro é muito complexo e que é preciso melhorá-lo.

Mansueto também afirmou que "nunca viu" o Congresso tão interessado e comprometido com reformas.

Compartilhe

BOLETIM FOCUS

Mercado vê piora na inflação e no dólar — e já não acredita mais que os juros voltarão em 2024, mesmo com críticas de Lula

17 de junho de 2024 - 9:19

Além dos principais indicadores, outros números do Focus chamam a atenção, como o déficit da conta corrente de 2024, que saiu de US$ 33,55 bilhões para US$ 36,20 bilhões

NO PALÁCIO DA ALVORADA

Em meio a crise sobre meta fiscal, Lula convoca Haddad e Tebet para debater revisão de gastos e alfineta Congresso

17 de junho de 2024 - 8:32

A revisão de despesas, portanto, parece se impor, mas dependerá, primeiro, do aval de Lula e, depois, da disposição dos parlamentares

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: feriado nos EUA desacelera semana na quarta-feira, com destaque para Copom e crise no governo

17 de junho de 2024 - 6:02

Vale lembrar também que nesta semana acontece a decisão de juros no Brasil e o BC deve manter a Selic no atual patamar de 10,5% ao ano

ELAS NO COMANDO

Bilionária é ela: quem é a chilena que passou o brasileiro e agora é a 2ª pessoa mais rica da América Latina

16 de junho de 2024 - 11:02

O brasileiro Eduardo Saverin, que há dois meses ocupava o segundo lugar na lista da Forbes, foi ultrapassado por Iris Fontbona

ACUMULOU

Mega-Sena pagará prêmio de R$ 53 milhões para quem acertar as seis dezenas

16 de junho de 2024 - 9:33

Segundo a Caixa, o próximo sorteio acontece na terça-feira, dia 18 de junho, e quem vencer pode levar uma bolada para casa

AUTOMÓVEIS

Volvo EX30 dá boas-vindas à era de carros smartificados; fizemos o test-drive e o resultado você confere aqui

16 de junho de 2024 - 7:59

Elétrico que simboliza nova fase da Volvo é sustentável e minimalista ao extremo; aposta alta em público jovem, endinheirado e sedento por inovação

NÃO POUPOU NINGUÉM

Lula solta farpas contra Selic, Campos Neto e cita plano fiscal — confira o que o petista falou dessa vez

15 de junho de 2024 - 15:29

Na noite da última segunda-feira, 10, Tarcísio de Freitas (Republicanos) promoveu um jantar em homenagem ao chefe do BC e parece que o presidente não ficou satisfeito com a celebração

BOMBOU NA SEMANA

A nova regra do imposto dos imóveis e o fim da linha para o dólar  — confira o que foi destaque no Seu Dinheiro

15 de junho de 2024 - 14:15

Nem só de notícias sobre a bolsa vive o leitor do Seu Dinheiro; fique por dentro das mais lidas da última semana

DÊ O PLAY

Campos Neto vai segurar a Selic? O que esperar da decisão do BC e os impactos na bolsa e dólar

15 de junho de 2024 - 12:31

O Touros Ursos convidou Rogério Benevente, sócio da GWM Investments, para falar sobre o futuro do ciclo de cortes dos juros e o efeito da decisão do Copom nos seus investimentos

LOTERIAS

Quem será o próximo milionário? Mega-Sena e Quina de São João sorteiam juntas mais de R$ 260 milhões em prêmios; sabia como concorrer

15 de junho de 2024 - 11:02

Caso apenas um apostador leve o prêmio da Quina de São João e aplique todo o valor na poupança, receberá mais de R$ 1,2 milhão de rendimento no primeiro mês

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar