Menu
2020-04-15T23:25:53-03:00
Estadão Conteúdo
expectativa para as contas

Déficit primário pode chegar perto de 8% do PIB, diz Mansueto

Secretário do Tesouro disse que o teto de gastos está mantido e que o plano de consolidação fiscal será retomado no ano que vem

15 de abril de 2020
14:39 - atualizado às 23:25
Mansueto Almeida
Secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida - Imagem: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, afirmou que o governo brasileiro irá gastar o que for necessário para lidar com a crise causada pelo coronavírus para apoiar a área de saúde e também os mais afetados, mas que a premissa é que os gastos serão temporários. A declaração foi dada em seminário online organizado pela Brazilian-American Chamber of Commerce.

"Ser liberal não significa ser estúpido. Vamos ter de gastar mais. Não existe dúvida que temos de gastar mais, para ajudar o sistema de saúde, os trabalhadores que ganham pouco, os trabalhadores informais", disse. "Mas será um gasto temporário e não vai continuar nos outros próximos, o que é bem diferente de outras crises", completou.

Mansueto frisou que o teto de gastos está mantido e que o plano de consolidação fiscal será retomado no ano que vem.

O secretário também citou que o déficit primário deve ficar próximo de 8% do PIB, ou cerca de R$ 600 bilhões, este ano e destacou que a dívida bruta do País vai aumentar, para entre 85% a 90% do Produto Interno Bruto (PIB), mas que, diferente de 2015 e 2016, a taxa Selic está em uma mínima histórica, o que diminui o custo da dívida. "O custo da dívida está em uma mínima histórica, o que nos ajuda a lidar com isso depois da crise."

Mansueto ainda afirmou que as reformas estruturais serão mais importantes depois da crise.

Socorro a Estados

O secretário do Tesouro Nacional avaliou que o plano de socorro aos Estados, aprovado na Câmara dos Deputados na noite de segunda-feira, 13, "dá muito a Estados".

Segundo Mansueto, o governo federal tem consciência de que, em meio à crise do coronavírus, é necessário fazer transferências para Estados, e até repasses livres, mas em um volume menor do que o que Câmara aprovou.

Além disso, o secretário defendeu que o plano dure por três meses e, se até lá a crise não passar, as medidas poderiam ser discutidas outra vez. "O que discordamos do Congresso é o tamanho da conta, e acreditamos que temos que ter um controle do gasto do dinheiro", disse, citando a necessidade de contrapartidas, como a necessidade de não aumentar gastos por dois anos, por exemplo.

Mansueto ainda afirmou que o Brasil começou o isolamento social antes de outros países e que, por isso, o número de mortes pode ser menor comparativamente.

Tesouro

Para Mansueto, o Tesouro Nacional tem um colchão de liquidez para lidar com o aumento de gastos necessários para enfrentar a crise do coronavírus sem a necessidade de "correr" ao mercado para se financiar.

Segundo ele, no segundo semestre, provavelmente o Tesouro terá de voltar ao mercado de forma mais "agressiva" para ofertar títulos, mas que agora a situação é "confortável".

Além disso, ele repetiu que o custo da dívida, com a Selic em 3,75%, está muito baixo. "Esse ano, também não podemos ficar preocupados com o aumento do déficit, porque está acontecendo no mundo todo."

Carga tributária

O secretário do Tesouro Nacional afirmou que o aumento de imposto só acontecerá em "um pior cenário" após a crise do coronavírus. "Ninguém quer falar em aumentar imposto agora", disse. "Temos reformas para aprovar e concessões e privatizações para ajudar com a conta do coronavírus no ano que vem", completou.

Mansueto comentou que o debate sobre reformas está parado diante das medidas necessárias para lidar com o coronavírus, mas que serão muito importantes no ano que vem, assim como a retomada de planos de privatizações. "As reformas serão o ponto mais importante no ano que vem para lidar com a conta do coronavírus."

Ele citou que o sistema tributário brasileiro é muito complexo e que é preciso melhorá-lo.

Mansueto também afirmou que "nunca viu" o Congresso tão interessado e comprometido com reformas.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

SD PREMIUM

Segredos da Bolsa: Semana promete ser agitada com Copom, IBC-Br, Biden e mais…

A semana promete ser agitada, com importantes indicadores no radar e a “mudança de guarda” nos Estados Unidos

Temos vacina!

Por unanimidade, Anvisa aprova uso emergencial da CoronaVac e da vacina de Oxford/AstraZeneca

Primeiros profissionais de saúde já foram vacinados em pronunciamento do governador de São Paulo, João Doria

Mais uma recomendação

Técnicos da Anvisa recomendam uso emergencial da vacina de Oxford/AstraZeneca

Mais cedo, área técnica havia defendido aprovação da CoronaVac

Ainda falta...

Anvisa devolve pedido de uso emergencial da Sputnik

Laboratório russo não apresentou os requisitos mínimos para que o pedido de uso emergencial pudesse ser analisado pela agência

Quase lá

Área técnica da Anvisa recomenda uso emergencial da CoronaVac

Diretores da agência analisam pedidos de uso de vacinas. No momento, a área técnica ainda faz a apresentação. Em seguida, a relatora do tema, diretora Meiruze Freitas lerá seu voto, com os outros quatro diretores da agência votando depois

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies