Menu
2020-03-19T10:47:05-03:00
Estadão Conteúdo
Com a palavra, o secretário

Déficit primário deve ir para a casa de R$ 200 bilhões em 2020, diz Mansueto

Mansueto afirmou ver a situação “surreal” de alguns secretários preocupados em não cumprir o investimento mínimo constitucional com educação

19 de março de 2020
10:47
Mansueto Almeida, Secretário do Tesouro Nacional
Imagem: Raul Junior/BTG

O secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, afirmou nesta quinta-feira, 19, em entrevista à rádio CBN, que o déficit primário do Brasil deve ir para a casa de R$ 200 bilhões em 2020, ante meta anterior. Antes do pedido de estado de calamidade, a previsão era de cerca de -R$ 124 bilhões.

Ele atribuiu esse salto à queda de arrecadação e aos gastos extraordinários para garantir recursos à saúde e para ajudar na renda da população.

Ele destacou que, há duas semanas, a equipe econômica trabalhava com uma perda de arrecadação da ordem de R$ 30 bilhões devido aos efeitos do coronavírus. Mas com a piora vista nos últimos dias, ele afirmou que a "perda de arrecadação será grande" e que esse número pode "facilmente ser o dobro", da ordem de R$ 60 bilhões.

Mansueto destacou, porém, a importância de restringir os gastos extras a esse ano. "Temos que encarar de forma adulta que o resultado fiscal será pior. Mas temos que cuidar para que medidas sejam emergenciais e fiquem restritas a esse ano, que tenham caráter realmente emergencial", afirmou na entrevista.

Garantiu, no entanto, que haverá recursos para todos os municípios e Estados. "Devemos garantir que qualquer município ou Estado terá recurso, independentemente da sua situação fiscal. Podemos fazer transferência fundo a fundo. Foi colocado dinheiro novo, de realocação de orçamento de R$ 5 bilhões, para a Saúde. O que for necessário estará disponível, via Ministério da Saúde, para Estados e municípios. Se for preciso ainda mais, o governo federal conversará e, por meio do Congresso, adotará as medidas que forem necessárias", continuou, em relação às contas dos Estados.

Situação 'surreal'

Mansueto afirmou ver a situação "surreal" de alguns secretários preocupados em não cumprir o investimento mínimo constitucional com educação. "Mas a preocupação deve ser com recursos para ofertar saúde, e não se vai cumprir mínimo constitucional de determinadas despesas", disse. "O ajuste estrutural fiscal dá mais liberdade para alguns recursos, mas no curto prazo o objetivo é garantir recursos para ninguém passar por necessidade ou falta de acesso à saúde", afirmou, acrescentando que o acompanhamento será diário, "de uma situação de guerra", com reação rápida.

O secretário do Tesouro disse que o Legislativo tem deixado claro que vai apoiar o governo no combate aos efeitos dessa crise. "Passado esse período, temos que retomar as reformas estruturais que o País precisa", pediu. "Mas no curtíssimo prazo temos que dar resposta para que ninguém se sinta inseguro nesse ambiente."

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Petrobras tem prejuízo de R$ 1,5 bilhão no terceiro trimestre, melhor do que o esperado

A Petrobras registrou prejuízo líquido de R$ 1,5 bilhão no terceiro trimestre, segundo dados divulgados pela empresa nesta quarta-feira (28). No mesmo perído do ano passado, a estatal lucrou R$ 9 bilhões. A cifra do terceiro trimestre é melhor do que o esperado pelo mercado financeiro. Analistas consultados pela Bloomberg estimavam baixa de R$ 4,15 […]

Balanço

Bradesco supera projeções e tem lucro de R$ 5 bilhões no terceiro trimestre

O resultado do segundo maior banco privado brasileiro ainda é 23,1% menor que o do mesmo período de 2019, mas representa um avanço de 29,9% no trimestre

de olho na retomada

Para secretário, inflação não preocupa, é problema concentrado e transitório

Adolfo Sachsida reafirmou que a regra do teto de gastos será respeitada pelo governo

manutenção

Banco Central mantém Selic em 2% ao ano e continua a indicar juros parados no futuro

Apesar de deterioração do ambiente de reformas e alta da inflação no curto prazo, BC ainda não avalia necessidade de alta de juros. Um novo corte, no entanto, é difícil. Enquanto isso, mensagem sobre risco fiscal ganha força, segundo economista

NOS EUA

Queda das bolsas poderia levar Trump a negociar pacote, diz Nancy Pelosi

Presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos voltou a demonstrar otimismo sobre a perspectiva de mais estímulos fiscais

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies