Menu
2020-12-23T15:52:36-03:00
Estadão Conteúdo
Aumentou

Em meio à crise, juro do rotativo do cartão sobe a 319,8% ao ano, afirma BC

O rotativo do cartão, juntamente com o cheque especial, é uma modalidade de crédito emergencial, muito acessada em momentos de dificuldades.

23 de dezembro de 2020
15:52
Banco Central do Brasil
Banco Central do Brasil - Imagem: Shutterstock

Com as famílias em dificuldades para fechar as contas durante a pandemia do novo coronavírus, em meio à retração da atividade e ao desemprego, o juro médio total cobrado pelos bancos no rotativo do cartão de crédito subiu 2,4 pontos porcentuais de outubro para novembro, informou nesta quarta-feira o Banco Central (BC). A taxa passou de 317,4% para 319,8% ao ano.

Leia também:

Os dados apresentados hoje pelo BC são influenciados pelos efeitos da pandemia, que colocou em isolamento social boa parte da população, reduzindo a atividade das empresas e elevando o desemprego. Com a carência de recursos, as famílias aumentaram a demanda por algumas linhas de crédito nos bancos. O rotativo do cartão, juntamente com o cheque especial, é uma modalidade de crédito emergencial, muito acessada em momentos de dificuldades.

O juro do rotativo é uma das taxas mais elevadas entre as avaliadas pelo BC. Dentro desta rubrica, a taxa da modalidade rotativo regular passou de 285,7% para 292,1% ao ano de outubro para novembro. Neste caso, são consideradas as operações com cartão rotativo em que houve o pagamento mínimo da fatura.

Já a taxa de juros da modalidade rotativo não regular passou de 339,4% para 339,8% ao ano. O rotativo não regular inclui as operações nas quais o pagamento mínimo da fatura não foi realizado. No caso do parcelado, ainda dentro de cartão de crédito, o juro passou de 148,6% para 146,5% ao ano.

Considerando o juro total do cartão de crédito, que leva em conta operações do rotativo e do parcelado, a taxa passou de 60,8% para 57,4%.

Em abril de 2017, começou a valer a regra que obriga os bancos a transferir, após um mês, a dívida do rotativo do cartão de crédito para o parcelado, a juros mais baixos. A intenção do governo com a nova regra era permitir que a taxa de juros para o rotativo do cartão de crédito recuasse, já que o risco de inadimplência, em tese, cai com a migração para o parcelado.

Atualmente, porém, o risco de inadimplência aumentou, justamente porque muitas famílias estão enfrentando redução de renda, na esteira da pandemia.

Recuperação do saldo de crédito para cartão à vista

O chefe do Departamento de Estatísticas do Banco Central, Fernando Rocha, citou a recuperação do saldo de crédito para pessoas físicas na modalidade cartão de crédito à vista, que registrou elevação de 7,8% em novembro. A rubrica atingiu um saldo de R$ 218,007 bilhões no mês passado, o que é o maior para a série histórica iniciada em 2007. O saldo de crédito do cartão à vista é considerado um termômetro para o desempenho da economia brasileira na retomada, após os efeitos mais intensos da pandemia do novo coronavírus.

Rocha lembrou que, no fim de ano, o saldo do cartão à vista costuma subir em função do pagamento do 13º salário. Além disso, a Black Friday contribui para o aumento de gastos no cartão à vista. Ao analisar a rubrica de crédito para compra de veículos, Rocha pontuou que o resultado de novembro, de R$ 216,009 bilhões de saldo, também é o maior da série histórica.

Inadimplência

Fernando Rocha também afirmou que uma das razões para a baixa inadimplência em operações de crédito no Brasil, em meio à crise provocada pela pandemia do novo coronavírus, é o fato de os bancos terem promovido nos últimos meses renegociações e repactuações de dívidas.

"Com as renegociações, evita-se que o saldo fique em atraso. Só que o crescimento do saldo total de crédito também contribui para reduzir a taxa de inadimplência", pontuou. Em novembro, a taxa total de inadimplência no crédito livre atingiu 3,0%. Em fevereiro, antes do acirramento da pandemia, ela estava em 3,8%.

Rocha disse, ainda, que não há informações sobre restrição, por parte dos bancos, do acesso de clientes aos cheque especial. O comentário foi feito, durante a coletiva de imprensa, em um contexto de redução de 20% do saldo de operações com cheque especial em 2020 até novembro, apesar da pandemia do novo coronavírus.

Em tese, a crise provocada pela covid-19 poderia levar a um aumento da busca das famílias por crédito em linhas emergenciais, como o cheque especial. Mas isso não ocorreu. "Temos comentários, nos bancos, de uma menor demanda de cheque especial. Algumas instituições disseram que a procura de clientes por cheque especial não tem sido grande", afirmou. "Podemos pensar na hipótese de o auxílio emergencial estar ajudando nisso."

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

balanço do dia

Covid-19: casos sobem para 15,5 milhões e mortes, para 432,6 mil

O total de vidas perdidas durante a pandemia subiu para 432.628. Entre ontem e hoje, foram registradas 2.211 novas mortes.

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Mudaram as estações, mas nada mudou na bolsa

Quem olha para o saldo do Ibovespa na semana pode achar que os últimos dias foram um marasmo. O índice, afinal, ficou praticamente estável — uma quase desprezível queda de 0,13%. “Mas eu sei que alguma coisa aconteceu / tá tudo assim, tão diferente”, já dizia a música. E é verdade: nada mudou na bolsa, […]

Fechamento da semana

Inflação americana e minério de ferro vivem ‘dias de luta e dias de glória’, monopolizando a semana; dólar avança e bolsa recua no período

O minério de ferro puxou Vale e siderúrgicas para cima – mas depois derrubou. A inflação americana também assustou, mas conseguiu acalmar o ânimo dos investidores. Confira tudo o que movimentou a semana

Engordando o caixa

Petrobras gera US$ 2,5 bilhões com desinvestimentos em 2021; venda mais recente é para fundo árabe

E a estatal não deve parar por aí, pois o diretor financeiro da empresa já reafirmou a intenção de continuar com o programa de venda de ativos

Em evento do BofA

Presidente do BC revela preocupação com análise de autonomia no STF e planos para PIX internacional

Campos Neto e o ministro da Economia, Paulo Guedes, têm conversado com ministros da Corte sobre os questionamento acerca do tema

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies