Menu
2020-06-06T16:46:38-03:00
Estadão Conteúdo
Atrasou demais

Conselho diz que não há tempo hábil para privatizar Cedae

Um estudo aponta que a Cedae, a companhia de água e esgoto do Rio de Janeiro, deverá parar nas mãos do governo federal por falta de tempo para conclusão do processo de privatização

6 de junho de 2020
16:46
Cedae
Imagem: Facebook / Cedae

A Companhia de Água e Esgoto do Rio de Janeiro (Cedae) poderá parar nas mãos do governo federal para privatização. Relatório do Conselho de Supervisão do regime de recuperação fiscal do Estado do Rio, divulgado nesta sexta-feira, 5, aponta que não há tempo hábil para concretizar a privatização da estatal até novembro de forma a gerar recurso para pagamento do empréstimo feito pelo governo do Estado junto ao banco BNP Paribas.

Se não pagar o empréstimo, a Cedae será federalizada. O Rio é o único estado que aderiu o Regime de Recuperação Fiscal e recebeu socorro financeiro da União. Em troca, uma das exigências foi a venda da estatal para equilibrar as finanças do Estado. Depois da assinatura do acordo, o Estado pegou um empréstimo de R$ 2,9 bilhões com garantia da União. Com encargos, o valor hoje do empréstimo é de R$ 4,5 bilhões.

O governo estadual terá que pagar integralmente essa quantia para a federalização não ocorrer. Com a queda da arrecadação devido à covid-19 e finanças ainda desequilibradas, o Rio dificilmente terá condições de pagar o empréstimo até dezembro e deve buscar uma solução política no Congresso para impedir a federalização, segundo apurou o Estadão.

No relatório, o Conselho de Supervisão cobrou explicações do governador do Rio, Wilson Witzel, sobre o processo de privatização da Cedae e não obteve resposta.

O empréstimo contraído no BNP Paribas foi uma antecipação da privatização da Cedae e tem seu vencimento previsto para dezembro deste ano. Caso o Estado do Rio de Janeiro não pague o empréstimo, a União, como garantidora, deverá pagá-lo. As ações da empresa estão consignadas em contragarantia do contrato. Dessa forma, ao executar a contragarantia, a Cedae seria federalizada.

O conselho de recuperação fiscal também cobrou uma compensação de R$ 600 milhões por violação às regras do regime, entre elas, aumento de despesas de pessoal.

A compensação terá que ser feita até setembro. Nesse caso, o valor terá que vir de corte de despesas ou aumento de receitas, como medidas como, por exemplo, extinção de cargos efetivos, extinção, redução de auxílios, vantagens, bônus, abonos, verbas de representação, extinção de empresas estatais dependentes, incentivos e benefícios fiscais e até aumento de impostos.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

dragão debilitado

China cresce 2,3% em 2020, mas pode desacelerar no começo de 2021

Crescimento da economia no 4º trimestre superou expectativas, mas dados de dezembro foram mistos, diz Commerzbank

NÚMEROS DA PANDEMIA

Brasil registra 209,9 mil mortes e 8,48 milhões de casos de covid-19

Nas últimas 24 horas, foram notificados 551 óbitos e 33.040 novos diagnósticos de covid-19, segundo dados do Ministério da Saúde

entrevista exclusiva

Para Figueiredo, da Mauá e ex-BC, as ações no Brasil estão baratas

Sócio fundador da Mauá Capital diz que economia deve se recuperar e a Bolsa terá bom desempenho em 2021, desde que não haja descuido do lado fiscal

SD PREMIUM

Segredos da Bolsa: Semana promete ser agitada com Copom, IBC-Br, Biden e mais…

A semana promete ser agitada, com importantes indicadores no radar e a “mudança de guarda” nos Estados Unidos

Temos vacina!

Por unanimidade, Anvisa aprova uso emergencial da CoronaVac e da vacina de Oxford/AstraZeneca

Primeiros profissionais de saúde já foram vacinados em pronunciamento do governador de São Paulo, João Doria

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies