Menu
2020-08-26T09:21:28-03:00
Estadão Conteúdo
registro de alta

Confiança da Construção recupera 82% das perdas entre março e abril, diz FGV

O saldo positivo do índice foi puxado principalmente pela melhora na avaliação dos empresários do setor acerca do momento corrente.

26 de agosto de 2020
9:21
Construção civil
Imagem: shutterstock

O Índice de Confiança da Construção (ICST) subiu 4,1 pontos em agosto e atingiu os 87,8, de 83,7 em julho, segundo informou nesta quarta-feira, 26, a Fundação Getúlio Vargas (FGV). É a quarta alta mensal consecutiva do indicador, que já recuperou 82% das perdas registradas entre março e abril de 2020.

O saldo positivo do índice foi puxado principalmente pela melhora na avaliação dos empresários do setor acerca do momento corrente. O Índice de Situação Atual (ISA) cresceu 5,8 pontos, para 81,8 - apenas 5,88% abaixo dos 86,7 de fevereiro. Nas aberturas, houve acréscimos de 6,8 pontos no indicador de situação atual dos negócios (84,0) e de 4,9 pontos no indicador de carteira de contratos (79,8).

Também foi registrada melhora no Índice de Expectativas (IE)
dos empresários da construção. O indicador subiu 2,4 pontos, para 94,1, e já recuperou 87,5% das perdas registradas em decorrência da pandemia do novo coronavírus. Houve melhora nas duas aberturas do IE: o indicador de demanda prevista avançou 1,9 ponto, para 94, e o indicador de tendência dos negócios subiu 2,7 pontos, para 94,1.

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada (Nuci) da construção avançou 3,6 pontos porcentuais, para 73,5%. A maior contribuição de alta partiu do Nuci de mão de obra, com alta de 3,8 pontos porcentuais, para 75,2%. O Nuci de máquinas e equipamentos avançou 2,6 pontos porcentuais, para 64,5%.

"Mesmo com a retomada a um cenário anterior de atividades, o ciclo produtivo foi afetado, uma vez que durante a pandemia muitos negócios foram adiados ou cancelados. Para 35,6% das empresas, os negócios continuam fracos, contra 29% em fevereiro, o que significa que a retomada está sendo mais difícil para algumas empresas", pondera, em nota, a coordenadora de Projetos da Construção da FGV, Ana Maria Castelo.

No material de divulgação do ICST, a FGV chama atenção para a melhora da percepção do setor de construção acerca da demanda. De acordo com o indicador, em agosto apenas 44,4% dos empresários citaram a "demanda insuficiente" como um fator de limitação aos negócios, contra 60,3% em abril. É o menor porcentual desde fevereiro de 2015 (44,1%).

Na outra ponta, o fator "escassez de material e/ou equipamentos" foi citado por 7,8% dos entrevistados, o maior porcentual desde setembro de 2010 (9,8%). "É provável que essa dificuldade esteja relacionada ao aumento expressivo da demanda de materiais por parte das famílias", disse, na nota, Ana Maria Castelo.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Judiciário

Celso de Mello antecipa saída e acelera sucessão no STF

Com saída, abre-se a primeira vaga para indicação do presidente Jair Bolsonaro.

Mais lidas

MAIS LIDAS: De bolso cheio para brigar contra todos

Na semana em que o Seu Dinheiro completou dois anos no ar, refleti sobre quanta água rolou em tão pouco tempo. Foram muitos acontecimentos relevantes para os mercados, como eleição presidencial, guerra comercial de China e Estados Unidos, aprovação da Reforma da Previdência e a chegada do coronavírus. A Julia Wiltgen levantou o ranking de […]

Aviação regional

Governo quer licitar cinco blocos de aeroportos na Amazônia Legal

Pontapé inicial será no Amazonas, onde o governo espera transferir para uma empresa a operação de oito aeroportos regionais em 2022

Reforma Tributária

Cresce resistência a “nova CPMF”

Presidente do Senado, Davi Alcolumbre, avisou a interlocutores que a criação do imposto dificilmente passará no Congresso

Reforma Tributária

Dúvida é adotar desoneração da folha horizontal ou vertical

Há consenso sobre desonerar as empresas de tributos sobre os salários de quem ganha até um salário mínimo, mas forma ainda está em discussão no Executivo.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements