Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-05-07T13:06:25-03:00
Estadão Conteúdo
ECONOMIA VS CRISE POLÍTICA

Benchimol: instabilidade política atual não é novidade e não afeta a economia

Ele diz que, caso o barulho político afetasse o andamento das reformas, haveria um problema, mas que não vê isso acontecendo.

5 de maio de 2020
16:14 - atualizado às 13:06
Guilherme Benchimol, fundador da XP Investimentos
Guilherme Benchimol, fundador da XP Investimentios - Imagem: Werter Santana/Estadão Conteúdo

Na visão do presidente da XP, Guilherme Benchimol, a instabilidade política vivida atualmente pelo País não é novidade e não afeta a economia. "Não me lembro do Brasil não viver instabilidade política. É o sistema que o Brasil vive. É uma democracia, com 33 partidos", disse durante transmissão ao vivo do jornal O Estado de S. Paulo

Ele diz que, caso o barulho político afetasse o andamento das reformas, haveria um problema, mas que não vê isso acontecendo. "Sou confiante de que as coisas vão na direção correta", afirmou. Ele defende ainda que os investidores estrangeiros têm uma visão positiva do Brasil. "O Brasil está barato. O problema não é a porta de entrada para este investidor, mas a porta de saída, o câmbio", diz. Benchimol explica que, ainda que os ativos domésticos se valorizem, com a desvalorização do real o estrangeiro não tem bons lucros. "Por isso temos de mostrar que temos austeridade fiscal", completa.

Benchimol comenta que o governo agiu de maneira rápida com estímulos à economia, como o auxílio emergencial de R$ 600. No entanto, ele acredita que estes gastos devam ser pontuais. "Nesse momento é importante que haja estímulos fiscais nunca vistos na história", ao que complementou: "os gastos têm de ser pontuais. Passado isso, é preciso voltar à agenda de reformas". O presidente da XP argumenta que, do contrário, o Brasil veria sua dívida pública aumentar muito, o que levaria a juros mais altos.

Defensor da concorrência entre instituições financeiras, Benchimol diz que a desconcentração vai acontecer no Brasil. "É questão de tempo", afirma. Ele chega a dizer que os grandes bancos verão no futuro uma dissipação de seus lucros. "Talvez porque esses lucros nem deveriam existir", disse. Ele comenta que novas instituições lucram menos sobre as operações dos clientes e que, desta maneira, devem levar as instituições maiores a reduzirem taxas e ganhos.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Mais do mesmo

Sem surpresas, Fed mantem taxa de juros e discurso inalterados, mas declarações de Powell animam o Ibovespa

Os investidores estavam em busca mudanças no discurso sobre os estímulos à economia norte-americana

varejo alimentar

Assaí e Carrefour têm forte crescimento em vendas, mas ações caem 2%

Baixa acontece em um momento em que o Assaí acumula ganhos de 22% na B3 desde o processo de cisão com o GPA; Carrefour teve queda no lucro e margens pressionadas

De volta ao normal?

Doria planeja acabar restrições de horários e ocupação em 17 de agosto; veja regras da nova fase de transição

As medidas de restrição deverão ser afrouxadas já a partir do próximo domingo (1) em todo o Estado

Casa própria em alta

Caixa bate recorde histórico com crédito imobiliário no primeiro semestre do ano

De acordo com o banco, foram R$ 65,4 bilhões em concessões, um crescimento de 36% na comparação com o mesmo período de 2020

Programa social

Reajuste do novo Bolsa Família pode ultrapassar os 50%, diz ministro da Cidadania

A ideia do governo é lançar, em novembro, um programa de transferência de renda que reúna ações e programas já existentes

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies