Menu
2020-05-07T13:06:25-03:00
Estadão Conteúdo
ECONOMIA VS CRISE POLÍTICA

Benchimol: instabilidade política atual não é novidade e não afeta a economia

Ele diz que, caso o barulho político afetasse o andamento das reformas, haveria um problema, mas que não vê isso acontecendo.

5 de maio de 2020
16:14 - atualizado às 13:06
Guilherme Benchimol, fundador da XP Investimentos
Guilherme Benchimol, fundador da XP Investimentios - Imagem: Werter Santana/Estadão Conteúdo

Na visão do presidente da XP, Guilherme Benchimol, a instabilidade política vivida atualmente pelo País não é novidade e não afeta a economia. "Não me lembro do Brasil não viver instabilidade política. É o sistema que o Brasil vive. É uma democracia, com 33 partidos", disse durante transmissão ao vivo do jornal O Estado de S. Paulo

Ele diz que, caso o barulho político afetasse o andamento das reformas, haveria um problema, mas que não vê isso acontecendo. "Sou confiante de que as coisas vão na direção correta", afirmou. Ele defende ainda que os investidores estrangeiros têm uma visão positiva do Brasil. "O Brasil está barato. O problema não é a porta de entrada para este investidor, mas a porta de saída, o câmbio", diz. Benchimol explica que, ainda que os ativos domésticos se valorizem, com a desvalorização do real o estrangeiro não tem bons lucros. "Por isso temos de mostrar que temos austeridade fiscal", completa.

Benchimol comenta que o governo agiu de maneira rápida com estímulos à economia, como o auxílio emergencial de R$ 600. No entanto, ele acredita que estes gastos devam ser pontuais. "Nesse momento é importante que haja estímulos fiscais nunca vistos na história", ao que complementou: "os gastos têm de ser pontuais. Passado isso, é preciso voltar à agenda de reformas". O presidente da XP argumenta que, do contrário, o Brasil veria sua dívida pública aumentar muito, o que levaria a juros mais altos.

Defensor da concorrência entre instituições financeiras, Benchimol diz que a desconcentração vai acontecer no Brasil. "É questão de tempo", afirma. Ele chega a dizer que os grandes bancos verão no futuro uma dissipação de seus lucros. "Talvez porque esses lucros nem deveriam existir", disse. Ele comenta que novas instituições lucram menos sobre as operações dos clientes e que, desta maneira, devem levar as instituições maiores a reduzirem taxas e ganhos.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

QUESTIONAMENTOS

Frente parlamentar aciona STF para suspender reforma administrativa

A Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público acionou o Supremo Tribunal Federal (STF) para pedir a suspensão imediata da tramitação da reforma administrativa. No mandado de segurança, deputados e senadores argumentam que não é possível analisar a proposta por falta de informações técnicas. Segundo os parlamentares, a imposição de sigilo nos documentos que […]

BALANÇO

BC informa que 50 milhões de chaves já foram cadastradas no Pix

O Pix é um sistema que permitirá pagamentos e transferências 24 horas por dia, 7 dias por semana, todos os dias do ano.

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Esse tal de BDR

O mercado financeiro adora usar termos e siglas em inglês, talvez para tornar a coisa mais difícil do que realmente é. Nos últimos dias você já deve ter lido, inclusive aqui no Seu Dinheiro, sobre um tal de BDR. As três letras vêm de Brazilian Depositary Receipts. O quê? Calma, nós chegamos lá. O BDR é […]

As queridinhas

Tesla, Apple e Mercado Livre são os BDRs mais negociados no 1º dia de mercado aberto a todos os investidores

Empresas de tecnologia dominaram o primeiro dia de negociações liberadas a qualquer investidor, que teve volume superior à média

embalou

Ibovespa fica perto dos 102 mil pontos com disparada dos bancos e alta em NY; dólar cai abaixo do R$ 5,60

Papéis de Itaú, Banco do Brasil e Bradesco terminam sessão entre as cinco maiores altas do índice, que fechou perto da máxima; moeda americana recua 0,36% e juros sobem em dia de leilão do Tesouro e à espera de novidades fiscais. Lá fora, expectativa para estímulos alivia bolsas americanas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies