Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-06-17T18:50:13-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Nova mínima histórica

BC reduz Selic em 0,75 ponto, para 2,25% ao ano, e não descarta novos cortes

Copom deixou aberta a possibilidade de a Selic continuar caindo nas próximas reuniões. Mas os novos cortes, se vierem, serão de tamanho bem menor

17 de junho de 2020
18:12 - atualizado às 18:50
Roberto Campos neto
Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central - Imagem: Raphael Ribeiro/BCB

O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) desta vez confirmou a ampla expectativa do mercado e decidiu reduzir a taxa básica de juros (Selic) em 0,75 ponto percentual, de 3% para 2,25% ao ano. Trata-se de uma nova mínima histórica para os juros no país.

A redução de hoje deveria ser a última, mas no comunicado que acompanha a decisão o Copom deixou aberta a possibilidade de a Selic continuar caindo. Mas os novos cortes, se vierem, serão de tamanho bem menor.

“O Copom entende que, neste momento, a conjuntura econômica continua a prescrever estímulo monetário extraordinariamente elevado, mas reconhece que o espaço remanescente para utilização da política monetária é incerto e deve ser pequeno”, informou o BC, no comunicado que acompanha a decisão.

A decisão sobre manter ou promover novos cortes na Selic levará em conta os impactos da pandemia de coronavírus e do conjunto de medidas de incentivo ao crédito e recomposição de renda.

“Um eventual ajuste futuro no atual grau de estímulo monetário será residual”, ressaltou o Copom, no comunicado que acompanha a decisão.

Antes da reunião, a expectativa do mercado era que o ciclo de redução da Selic terminasse após o corte de hoje para 2,25% ao ano, mas algumas instituições apostavam em uma redução ainda maior.

Se por um lado a decisão do BC deixa a porta aberta (ou entreaberta) para a Selic testar novas mínimas nas próximas reuniões, por outro o recado dado no comunicado deve reduzir o ímpeto dos que acreditam em uma ação mais ousada do Copom.

Ainda que tenha adotado uma postura mais conservadora ao falar sobre a possibilidade de reduzir mais a Selic, o BC se dá ao direito de mudar de ideia ao informar que segue atento a revisões do cenário econômico e de expectativas de inflação.

“O Comitê reconhece que, em vista do cenário básico e do seu balanço de riscos, novas informações sobre a evolução da pandemia, assim como uma diminuição das incertezas no âmbito fiscal, serão essenciais para definir seus próximos passos.”

Inflação e reformas

O BC confirmou a visão de que a inflação não é problema e se encontra abaixo dos níveis compatíveis com o cumprimento da meta. Em todos os cenários e nas expectativas do mercado, as projeções de inflação estão abaixo da meta tanto para este ano como para 2021.

Os diretores do BC mais uma vez destacaram a continuidade de aprovação das reformas como condição para a recuperação da economia. “Questionamentos sobre a continuidade das reformas e alterações de caráter permanente no processo de ajuste das contas públicas podem elevar a taxa de juros estrutural da economia”, ponderou o Copom.

*Conteúdo em atualização

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

PROVENTO EM DÓLAR

Aura Minerals (AURA33) anuncia dividendos e programa de recompra de BDRs — veja o que muda para os acionistas

O pagamento chegará bem a tempo para o Natal dos investidores nacionais, mas para ter direito é preciso possuir os ativos em 9 de dezembro

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa perto de perder os 100 mil pontos, Petrobras na mira de Paulo Guedes e outros destaques do dia

A dinâmica dos mercados globais nos últimos dias lembra muito os primeiros momentos de incerteza que marcaram o início da pandemia do coronavírus, no início de 2020. A covid-19 não é mais uma doença desconhecida e as vacinas já estão disponíveis no mercado, mas a desigualdade na distribuição de imunizantes e a recusa de muitos […]

FECHAMENTO DO DIA

Racha no Senado e chegada de ômicron aos Estados Unidos levam o Ibovespa a renovar as mínimas do ano (mais uma vez); dólar sobe

Embora o dia tenha começado positivo para o Ibovespa e as demais bolsas globais, a variante ômicron e a dificuldade de aprovar a PEC dos precatórios azedaram os negócios

CRYPTO NEWS

Aprenda com o bitcoin: não perca o timing com a próxima promessa cripto

O mercado de criptomoedas tem colocado alguns sorrisos nos rostos de quem vem investindo nessa classe de ativos

RECEITAS EM ALTA

Acredite se quiser! Governo pode ter primeiro superávit primário desde 2013 ainda neste ano

A notícia surpreende num momento em que um dos maiores temores do mercado financeiro é justamente o descontrole das contas públicas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies