Menu
2020-11-30T13:01:32-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
Conversão em tempo real

Banco híbrido Capitual passa a permitir saques de criptomoedas em caixas eletrônicos

O Capitual é um banco digital que oferece serviços bancários tradicionais para Pessoas Físicas e Jurídicas, a possibilidade de negociação de oito criptomoedas, quatro moedas fiduciárias e ouro

30 de novembro de 2020
13:01
Bitcoin
Imagem: Shutterstock

Muito se fala sobre a previsão de que o bitcoin (e as criptomoedas) passarão a ser o dinheiro do futuro. Mas, para isso, os ativos digitais ainda possuem um longo caminho para percorrer. Hoje concentrados nas mãos de entusiastas e usuários com um conhecimento tecnológico mais apurado, os criptoativos ainda precisam encontrar o caminho para as mãos dos usuários menos familiarizados.

O Banco Capitual acaba de dar um passo que busca justamente popularizar o acesso do público-geral aos criptoativos. A partir desta segunda-feira (30), será possível sacar suas moedas digitais em caixas eletrônicos.

A parceria com a Tecban, administradora da rede Banco24Horas, permite que os os clientes do banco saquem o saldo em critoativos ou outras moedas fiduciárias, como dólar ou euro, em qualquer máquina da rede. A conversão é feita na hora e sem taxas.

O saque de criptomoedas já está disponível em outros países. Nos Estados Unidos, mais de 12 mil caixas eletrônicos estão habilitados para a operação, seguido do Canadá, com 975 e o Reino Unido, com 242. O Brasil passa a ser com o maior número de equipamentos habilitados, com mais de 23 mil, disponíveis em 800 municípios brasileiros.

Descrito como um 'banco híbrido' o Capitual é um banco digital que oferece serviços bancários tradicionais para Pessoas Físicas e Jurídicas e a possibilidade de negociação de oito criptomoedas — Binance USD, Bitcoin, Dai, Dash, Ethereum, Litecoin, Tether e USD Coin —, quatro moedas fiduciárias — Real, Dólar, Euro, Libra Esterlina — e ouro.

A fintech está presente em 45 países, conta com mais de 20 mil clientes na carteira e tem parceria com a Binance, a maior exchange de criptomoedas do mundo. A empresa segue os padrões de regulação e fiscalização da Estônia, devido ao avanço da discussão sobre tecnologia blockchain no país.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Os três mosqueteiros do varejo e outros destaques da noite

Na bolsa e no setor de varejo, a máxima do “um por todos e todos por um” não se aplica. Empresas competem umas com as outras e investidores buscam as melhores aplicações — o “cada um por si” tem bem mais adeptos. Mas, quem diria, três mosqueteiros juntaram suas espadas para comemorar os bons resultados […]

FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa sobe puxado pelo minério de ferro e encosta nos 123 mil; NY fecha o dia no vermelho

Com a economia chinesa aquecida, a demanda por commodities segue em alta e sustenta bons níveis para o Ibovespa.

Seleção Empiricus

🔴 AO VIVO: Quais são os investimentos para o segundo semestre? | Seleção Empiricus

Caminhando para o fim do primeiro semestre, nosso time do Seleção Empiricus de hoje discute o que podemos esperar da Bolsa para os próximos meses. A escalação do jogo de hoje conta com Max Bohm, Matheus Spiess, Cris Fensterseifer e Marcos Queiroz.

Segure seus bitcoins

Golpistas se passam por Elon Musk e roubam dinheiro de investidores de criptomoedas

Os criminosos usaram perfis falsos do CEO da Tesla para levar ao menos US$ 2 milhões de entusiastas do bitcoin e outras moedas digitais

Orçamento apertado

Segmentos mais impactados de comércio e serviços tiveram perdas de R$ 225,7 bi em 2020

Montante é maior que o total produzido por países como Sérvia e Tunísia. Varejo de roupas perdeu 10% do seu tamanho no ano passado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies