Menu
2020-07-06T18:30:50-03:00
Estadão Conteúdo
vai demorar um pouco

Anfavea prevê que mercado de veículos voltará ao ritmo pré-pandemia em 2025

Previsão foi feita nesta segunda-feira. Projeção da Anfavea para 2020 é de retração de 40% nas vendas

6 de julho de 2020
18:30
veículos carros fábrica
Imagem: Shutterstock

O mercado de veículos novos no Brasil só deve voltar em 2025 a ter o ritmo de vendas que registrou em 2019, antes da pandemia do novo coronavírus. A previsão foi feita nesta segunda-feira, 6, pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

A Anfavea levou em consideração que o mercado deve se recuperar a uma taxa média de 11% ao ano, a mesma registrada pela indústria nos anos seguintes à crise econômica de 2015 e 2016.

A projeção da Anfavea para 2020 é de retração de 40% nas vendas.

Empregos

O presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes, afirmou que o emprego nas fábricas "está em risco", mesmo com a MP trabalhista do governo e com os acordos feitos pelas empresas com os sindicatos. "A gente vê com preocupação a questão do emprego. A MP do governo é muito boa, merece elogios. É ótima, mas é temporária. Precisamos da retomada da economia. Se a economia não voltar em ritmo bom, teremos dificuldade em manter os empregos", disse Moraes, em coletiva de imprensa online.

Segundo ele, as empresas têm acordos com os sindicatos até outubro e novembro. "Até lá, temos de encontrar mecanismos para retomada do emprego e da economia em geral, não apenas do setor automotivo", disse.

As montadoras terminaram o mês de junho com 124 mil funcionários, queda de 0,8% em relação a maio e recuo de 4% na comparação com junho do ano passado, segundo dados divulgados na manhã desta segunda-feira pela Anfavea. "O ajuste (no emprego) já começou de forma paulatina", disse Moraes.

Emplacamento

O mercado de veículos novos teria registrado 103 mil vendas em junho se não fossem os emplacamentos realizados com atraso e referente a vendas feitas em abril e maio, segundo conta feita pela Federação Nacional de Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) e divulgada nesta segunda-feira pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

Oficialmente, foram emplacados 132,8 mil veículos em junho. No entanto, cerca de 30 mil deles são referentes a vendas feitas em abril e maio. Os emplacamentos só ocorreram em junho por causa de atrasos burocráticos decorrentes da pandemia do novo coronavírus.

Os 132,8 mil emplacamentos registrados em junho representam alta de 113,6% em relação a maio, mas queda de 40,5% na comparação com maio. No acumulado do ano, o recuo é de 38,2%, para 809 mil unidades.

A Anfavea informou também que os estoques de veículos nos pátios das montadoras e das concessionárias terminaram junho com 157,6 mil unidades, abaixo das 200,1 mil registradas no fim de maio. Ao considerar o ritmo do mercado em junho, o estoque é suficiente para 36 dias de venda. Um mês antes, dava para 45 dias.

Contudo, o presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes, afirmou que não haveria essa queda no número de dias se a conta fosse feita com os emplacamentos que foram represados em razão dos atrasos burocráticos. Segundo ele, ao considerar esse represamento, os estoques seriam suficientes para 46 dias.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Contra a pandemia

Câmara dos EUA aprova pacote de US$ 1,9 trilhão

Projeto de lei segue agora para o Senado

IPO registrado

Rio Branco Alimentos protocola pedido de registro de oferta pública de ações

Oferta será primária e terá como coordenador-líder o Citi, além da coordenação do Bank of America Merril Lynch e do BTG Pactual

Boleto salgado

Aneel mantém bandeira amarela em março; conta de luz continua com taxa adicional

É o terceiro mês consecutivo que o órgão regulador aciona bandeira neste patamar

Após críticas

Pisos de saúde e educação são mantidos na PEC emergencial

Desvinculação de despesas carimbadas com saúde e educação na União, Estados e municípios desencadeou enxurrada de críticas

5G

Empresas de telecom pretendem analisar edital detalhadamente

Objetivo é esclarecer como as companhias poderão participar corretamente do leilão

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies