Menu
2020-05-04T09:42:03-03:00
Marina Gazzoni
Marina Gazzoni
CEO do Seu Dinheiro. É CFP® (Certified Financial Planner). Tem graduação em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e MBA em Informação Econômico-Financeira e Mercado de Capitais no Instituto Educacional BM&FBovespa. Foi Diretora de Conteúdo e editora-chefe do Seu Dinheiro, editora de Economia do G1 e repórter de O Estado de S. Paulo, Folha de S. Paulo e do portal IG.
tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

15 notícias para começar o dia bem informado

4 de maio de 2020
9:41 - atualizado às 9:42
O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

Reza a lenda que o mês de maio é “amaldiçoado” nos mercados. Wall Street tem até um chavão para isso: “sell in May and go away” (venda em maio e vá embora). E, de fato, o histórico das bolsas neste mês é negativo. 

No ano passado, o Brasil “quebrou” a tradição após nove anos consecutivos e fechou o mês no azul. Mas foi um caso pontual. Nos Estados Unidos, as bolsas seguiram o ‘roteiro’ e ficaram no vermelho.

Com coronavírus e tantos "cisnes negros" à solta por aí, fica difícil saber o que esperar dos mercados ao longo do mês. Lá fora maio já começou no vermelho. Por aqui, hoje será o primeiro pregão do mês.

O que não falta esta semana são motivos para chacoalhar o mercado. Respire fundo…

O que você precisa saber hoje

MERCADOS

O Ibovespa encerrou a semana passada em 80.505,89 pontos, com uma queda de 3,20% no pregão de quinta-feira. Já o dólar subiu 1,56%, a R$ 5,43. Na sexta, feriado de 1º de Maio, a bolsa brasileira esteve fechada. Os mercados internacionais tiveram perdas , depois de o presidente dos EUA, Donald Trump, responsabilizar a China pelo coronavírus e ameaçar tarifar o país.

SEU DINHEIRO PREMIUM
• Balanços corporativos, decisões de juros e indicadores econômicos: a bolsa brasileira tem um cardápio cheio nos próximos dias. Você confere todos os detalhes no Segredos da Bolsa, conteúdo exclusivo para leitores Premium. Libere o acesso aqui.

INVESTIMENTOS

Ainda dá para salvar sua meta financeira para 2020? Nosso colunista Richard Camargo fala como lidar com as perdas financeiras nos mercados e as oportunidades que elas trazem.

ECONOMIA

O Brasil tem 101.147 casos confirmados de coronavírus, segundo o Ministério da Saúde. São 7.025 mortes. 

O Senado aprovou no sábado um auxílio financeiro de R$ 125 bilhões a estados e municípios. A matéria volta para análise da Câmara hoje.

O presidente Jair Bolsonaro voltou a participar ontem de um ato contra o Congresso e o STF, dias depois de a nomeação para o diretor-geral da PF ser barrada. A manifestação teve agressão a profissionais da imprensa e reação imediata de ministros e da classe política. 

O ex-ministro Sergio Moro depôs por oito horas à Polícia Federal no sábado. Segundo o Estadão, ele apresentou como provas conversas, áudios e e-mails trocados com Bolsonaro durante o período que ocupou o Ministério da Justiça.

 Em entrevista ao canal americano Fox News, Donald Trump voltou a acusar a China de “esconder e demorar para avisar sobre a covid-19”. O presidente dos EUA ainda afirmou que não irá reduzir mais as tarifas comerciais impostas ao país asiático. 

O mercado financeiro reduziu a estimativa para a Selic neste ano, de 3% para 2,75%, segundo o boletim Focus, publicação do Banco Central que projeções econômicas. A expectativa é de que a inflação termine 2020 a 1,97%.

EMPRESAS

 Itaú, Banco do Brasil e Ambev são os destaques da temporada de balanços nesta semana. Saiba o que esperar dos resultados. 

A Gol divulgou um prejuízo líquido de R$ 2,28 bilhões no primeiro trimestre do ano, um resultado pior que o esperado pelos analistas. A empresa foi impactada pelo coronavírus e pela disparada do dólar. 

A Berkshire Hathaway, o conglomerado de Warren Buffett, registrou prejuízo de quase US$ 50 bilhões no primeiro trimestre, mas informou uma posição de caixa de US$ 137 bilhões. Segundo Buffett, o grupo não fez grandes compras nos últimos anos porque não achou nada interessante. Em um evento para falar sobre os resultados a acionistas, o bilionário reconheceu que os efeitos da pandemia ainda são incertos e revelou que vendeu a participação em todas as grandes aéreas americanas.

A Embraer deve receber um aporte de US$ 1 bilhão do BNDES, segundo o jornal Valor Econômico. A justificativa seria de que é preciso recuperar a empresa agora para vendê-la depois da pandemia.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

apesar da crise...

Mercado de startups do Brasil caminha para ter melhor ano da história em 2020

O número de aportes realizados em novatas também já tem recorde histórico de 322 cheques, superando o melhor ano do setor com folga – em 2017, foram 263 investimentos

altas expectativas

Casa Branca: Negociações por novo pacote fiscal desaceleraram, mas não terminaram

Kudlow argumentou que, embora republicanos e democratas estejam mais perto de um acordo, ainda há divergências importantes.

O que esperar dos número?

JBS, BRF ou Marfrig, quem vai apresentar o melhor resultado no 3º trimestre?

Com a proximidade das datas de divulgações, os analistas do setor de Alimentos do Credit Suisse aproveitaram para revisar as projeções para três das principais empresas do setor

NA MODA

Grupo Soma fecha acordo por marca de blogueira e ações sobem mais de 9%

Acordo prevê que montante a ser pago, parte em dinheiro e outra em ações, equivalerá a sete vezes o Ebitda da empresa de Nati Vozza

Novidade na B3

Com novo modelo, ações da Track&Field estreiam no pregão da B3 após IPO

Oferta da empresa de vestuário e calçados esportivos inaugura modelo em que as ações preferenciais terão direito econômico — incluindo os dividendos — 10 vezes maior que o das ordinárias

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies