Menu
Julia Wiltgen
O melhor do Seu Dinheiro
Julia Wiltgen
2020-04-27T19:59:49-03:00
Seu Dinheiro na sua noite

Otimista na bolsa, pessimista no dólar

27 de abril de 2020
19:59
O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

Caro leitor,

Depois de uma semana daquelas, a bolsa mostrou hoje sinais de alívio. Se as tensões em Brasília vinham deixando os investidores preocupados, também veio da política o principal fator que levou o Ibovespa a subir quase 4% nesta segunda-feira.

Com o pedido de demissão de Sérgio Moro do Ministério da Justiça e um certo “sumiço” de Paulo Guedes, o mercado temia que o próximo a desembarcar do governo Bolsonaro fosse justamente o ministro da Economia.

Mas hoje o presidente sinalizou que está com Guedes e não abre, ao dizer que ele é o homem que decide a economia no Brasil, aparecendo ao seu lado. É claro que o histórico mostra que não dá para inscrever na pedra tudo que Bolsonaro fala.

Então, ainda que os investidores tenham se mostrado otimistas na bolsa, no câmbio o “pé atrás” continuou bem evidente. O dólar permaneceu lá em cima e só não subiu mais porque o Banco Central resolveu atuar.

No noticiário corporativo, destacaram-se hoje as ações da Embraer, que tiveram a maior queda do Ibovespa depois que a Boeing desfez o acordo para formar uma joint venture com a brasileira. O Victor Aguiar conta tudo que aconteceu hoje nos mercados nesta matéria.

E fica aqui um convite: amanhã, dia 28 de abril, às 13h, eu estarei ao vivo novamente com o advogado tributarista Samir Choaib respondendo às dúvidas sobre imposto de renda dos assinantes do nosso Guia Definitivo do Imposto de Renda.

A live será aberta para todos os internautas, mas apenas quem adquiriu o curso poderá mandar perguntas. Se você tem interesse, saiba como assiná-lo neste link.

Depois de ser deixada no altar

A separação entre Embraer e Boeing aconteceu há pouco, mas já podemos antecipar os próximos capítulos. Especialistas esperam que o litígio entre as empresas, que terá como palco a Justiça de Nova York, seja longo e desfavorável à brasileira. A Embraer, no entanto, espera que o retorno do setor aéreo nos Estados Unidos após a pandemia ocorra logo, o que lhe ajudaria a retomar o fôlego. Hoje, o presidente Jair Bolsonaro também se pronunciou sobre o negócio desfeito, e disse que existe a possibilidade de a Embraer negociar com outra empresa.

Afago público

A Embraer não foi o único tema econômico que Bolsonaro tratou hoje. O chefe do Executivo também quis deixar claro o seu apoio ao ministro da Economia, Paulo Guedes, a fim de fortalecer um dos pilares do seu combalido governo. Após a demissão de Sérgio Moro do Ministério da Justiça na última sexta, a possibilidade de uma saída de Guedes estressou os mercados, que se animaram hoje com o afago público do presidente.

Sacrifícios para a prosperidade

Guedes, por sua vez, reforçou o seu discurso de responsabilidade fiscal e divisão dos custos da crise. Chamou para a cobrança os servidores públicos e lhes pediu um sacrifício. “Não peçam aumento por um ano e meio, contribuam com o Brasil”, disse. O ministro também manifestou otimismo com a saída do Brasil da crise econômica, como mostra esta matéria.

Empréstimo de mão de obra

O governo prepara uma Medida Provisória para permitir a cessão de trabalhadores de uma empresa a outra enquanto vigorar o estado de calamidade pública em razão do coronavírus. A intenção é atender os segmentos que estão precisando de mão de obra, preservando renda e empregos.

Rombo para entrar na história

O déficit fiscal de 2020 deverá ganhar o seu lugar na história. A projeção do mercado é de que os gastos do governo ultrapassem as receitas em 6,20% do PIB, o maior rombo desde o início da série histórica do Banco Central, iniciada em 2001. A causa, é claro, são as despesas relacionadas ao combate às consequências econômicas da pandemia de coronavírus. Confira esta e outras estimativas pessimistas para a economia brasileira nesta matéria.

Na mira do Ministério Público

Bolsonaro virou alvo do Ministério Público Federal, que investiga suposta interferência do presidente no Exército. Os procedimentos apuram se a revogação, por parte de Bolsonaro, de três portarias referentes ao monitoramento de armas, constitui uma violação à Constituição. A acusação é sustentada por procuradora “linha-dura”, como o Estadão conta.

A incerteza, essa companheira

Em meio a uma crise de dimensão histórica incomparável, quem pode dizer que sabe o que está à frente? Além de uma pandemia mundial para a qual a ciência ainda não encontrou soluções e uma crise econômica sem precedentes, agora nós, brasileiros, nos deparamos também com uma crise política severa, diante da perda do ministro que representava o pilar ético e moral do governo. O que vai acontecer na política? Como vamos sair da crise econômica? Vamos retomar as reformas? E quando a nossa vida em sociedade vai voltar ao normal - se é que o “normal” não mudou definitivamente? Talvez o melhor seja fazer como algumas das mentes mais brilhantes dos nossos tempos e admitir: “Não sei”. Na sua coluna de hoje, Felipe Miranda fala sobre como lidar com essa incerteza.

Um grande abraço e uma ótima noite para você!

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Dados atualizados

Mortes por coronavírus no Brasil vão a 34.973; infectados são 643.766

Na quinta-feira, havia 34.021 mortes registradas, segundo o Ministério da Saúde. O balanço diário totalizava 614.941 infectados

Números da pandemia

‘Acabou matéria no Jornal Nacional’, diz Bolsonaro sobre atraso em dados do coronavírus

Questionado sobre o terceiro dia com atraso seguido na divulgação de mortos e infectados pela covid-19 pelo Ministério da Saúde, o presidente Jair Bolsonaro afirmou, nesta sexta-feira, 5, que “acabou matéria no Jornal Nacional”, telejornal da TV Globo

seu dinheiro na sua noite

A crise do coronavírus vai ser uma marolinha?

Em 2008, ao ser questionado sobre a crise financeira, o ex-presidente Lula disse que o tsunami sobre a economia global chegaria ao Brasil como uma “marolinha”. O resultado você e eu conhecemos. Pois bem, com a rápida recuperação dos mercados nas últimas semanas já vejo muita gente resgatar a tese da marolinha. Na nova versão, […]

Marcelo Guaranys

Ninguém voltará para fila do Bolsa Família após fim do auxílio emergencial, diz secretário

Depois de o governo transferir quase R$ 84 milhões do Bolsa Família para publicidade institucional, secretários do Ministério da Economia disseram que o programa está com a fila zerada

Isso é que é alívio

Dólar despenca 6,52% na semana e fica abaixo de R$ 5,00; Ibovespa dispara mais de 8%

O dólar à vista terminou a semana a R$ 4,99, indo ao menor nível desde 26 de março, enquanto o Ibovespa cravou a sexta alta seguida e voltou ao patamar de 94 mil pontos. Entenda o que motivou toda essa onda de otimismo nos mercados

Secretário especial da fazenda

Bolsa Família não foi prejudicado com transferência de recurso à Secom, diz Waldery

Ele lembrou que o governo decidiu prorrogar o auxílio emergencial por duas parcelas “em princípio” e que, depois da medida provisória que previa o pagamento permanente do 13º para o Bolsa Família caducar, o governo analisará o espaço orçamentário para esse medida neste ano

Efeito coronavírus

Varejo de SP tem perdas de R$ 16 bilhões durante quarentena, diz Fecomercio

O cálculo é da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), levando em consideração 72 dias de quarentena até ontem

Menos frequência, mais gasto

Redes de supermercados e atacarejos faturam 12,5% a mais em maio

Os dados são de um levantamento da GS Ciência do Consumo, empresa de inteligência analítica e soluções de tecnologia para indústria e varejo

YDUQ3 salta 10% na bolsa

BTG mantém-se neutro sobre Yduqs, mas vê ‘gatilho valioso’ após aquisição de R$ 120 milhões

Yduqs salta mais de 10% no Ibovespa; para BTG, o fraco ímpeto de lucros da companhia e a falta de catalisadores ainda justificam a cautela na recomendação

Dono da Warner Music

Len Blavatnik: o bilionário que apostou na indústria fonográfica e se tornou um dos homens mais ricos do mundo

Com o bem-sucedido IPO da Warner Music, na Nasdaq, Blavatnik, que apostou na empresa quando a indústria fonográfica desmoronava, saltou quase 20 posições na lista dos mais ricos do mundo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu