Menu
Vinícius Pinheiro
O melhor do Seu Dinheiro
Vinícius Pinheiro
2020-02-13T19:38:35-03:00
Seu Dinheiro na sua noite

OK, Google. Por que o dólar está subindo?

13 de fevereiro de 2020
19:38
O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

A pergunta que dá título à newsletter desta noite é a mais digitada pelos brasileiros na busca do Google quando o assunto é dólar.

Pudera, às vezes até mesmo nós aqui do Seu Dinheiro nos pegamos em busca de respostas para essa pergunta, que é bem menos trivial do que parece.

Assim como a queda de um avião, os movimentos de alta e baixa do dólar raramente são explicados por um único fator. Nem mesmo os especialistas encontraram uma explicação consensual para a valorização que ganhou força no segundo semestre do ano passado.

Muita gente boa no mercado defendia que investidores estrangeiros estavam vendendo reais em busca de proteção (hedge) contra a piora no ambiente econômico de países vizinhos, como Argentina e Chile.

Essa explicação fazia todo o sentido, mas foi descartada pelo presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

Ao participar de um evento no mês passado, ele deu um peso bem maior ao pré-pagamento de dívidas no exterior por empresas brasileiras como motivo para a alta da moeda.

Mais recentemente, a incerteza dos efeitos do surto do coronavírus na economia global levou a uma busca por ativos mais seguros, como a boa e velha moeda do país de Donald Trump.

O que todos concordam é que o fortalecimento do dólar é um efeito colateral de algo muito bem-vindo e aguardado: o processo de queda dos juros a níveis civilizados no Brasil.

Mas essa não é a única pergunta das pessoas que recorrem ao Google. Elas também querem saber: Quanto que está o dólar hoje? Quando o dólar vai baixar? Por que o dólar subiu tanto? O que faz o dólar subir?

Se você também tem essas dúvidas, nem precisa recorrer ao buscador. Basta ler o texto que o Victor Aguiar preparou com respostas para todas essas questões.

A voz do cidadão

“Eu, como cidadão, acho que está um pouquinho alto o dólar.” No caso, o cidadão da frase é Jair Messias Bolsonaro. Ao seu estilo, o presidente também reclamou da valorização da moeda norte-americana. Ele disse que costuma se informar sobre as razões da alta (no Banco Central, não no Google), mas que não interfere diretamente nas decisões da área econômica. Leia tudo o que o capitão disse.

De volta ao jogo

Com tanta polêmica em torno do preço do dólar, ele não poderia deixar de ser o protagonista do dia nos mercados. O dia começou com o câmbio ainda mais pressionado, mas logo a sexta alta consecutiva da moeda norte-americana deu espaço a um recuo de 0,39%. Tudo isso graças a alguém que andava sumido pelo mercado e resolveu voltar para o jogo, como você confere na cobertura do Victor Aguiar.

Tropeço na largada

Quem se animou com a estreia triunfal das ações da Mitre e Locaweb, que fizeram IPOs neste ano, pode ter se decepcionado com a incorporadora Moura Debeux, que teve sua largada na bolsa hoje. Os papéis ordinários da empresa fecharam em queda de 2,63%, em um sinal negativo para o apetite do investidor. A queda abriu uma oportunidade de compra a um preço ainda mais atrativo? Nesta matéria eu conto para você as minhas impressões.

Por falar em IPO…

…o mestre Ivan Sant’Anna preparou uma análise imperdível sobre a experiência dele com investimentos em ações de empresas que abrem o capital ao público. O texto é exclusivo para assinantes do Seu Dinheiro Premium. Para destravar seu acesso e conhecer os benefícios, basta clicar aqui.

No lugar certo

O Banco Inter divulgou o balanço de 2019 ontem à noite e as ações reagiram em queda no pregão desta quinta-feira. Mas para o BTG Pactual existem boas razões para manter o otimismo com o banco digital, que fechou o ano passado com 4 milhões de clientes. Na opinião dos analistas, o número pode dobrar neste ano. Confira a recomendação e o preço-alvo para os papéis com o Felipe Saturnino.

Fundo Garantidor vai trabalhar

O Banco Central decretou a liquidação extrajudicial da financeira Dacasa, que trabalhava com empréstimo pessoal, Crédito Direto ao Consumidor e empréstimo consignado. O Fundo Garantidor de Créditos (FGC) deverá ressarcir os investidores que tiverem aplicações de renda fixa emitidas pela financeira, que eram vendidas em plataformas de investimento. A Julia Wiltgen traz os detalhes.

União para as horas ruins

Investir em debêntures equivale a emprestar dinheiro para uma empresa. Mais ou menos como acontece com o CDB de um banco, mas sem a garantia do fundo garantidor. Por isso, quando o emissor dos papéis quebra, como aconteceu com a Rodovias do Tietê, as perdas são enormes. No vendaval de decepções, o nosso colunista Felipe Miranda resolveu falar sobre o caso e trazer uma sugestão para quem quer reverter pelo menos parte dessas perdas.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Correção

Ibovespa abre em leve queda, atento à cautela no exterior; dólar fica estável

O Ibovespa acompanha o movimento global e exibe um ligeiro viés negativo nesta quinta-feira. A cautela vista na Europa dá forças a um movimento de correção e realização de lucros, mas que nem de longe zera os ganhos recentes

efeito coronavírus

Projeção de alta do crédito bancário em 2020 passa de 4,8% para 7,6%, diz BC

Já a projeção de crescimento do crédito livre em 2020 passou de 8,2% para 10,6%

pacote anticrise

BCE expande programa de compras emergenciais em 600 bilhões de euros

Total do Programa de Compras de Emergência na Pandemia (PEPP, na sigla em inglês) chega a 1,35 trilhão de euros

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

13 notícias para começar o dia bem informado

Hoje o Seu Dinheiro traz a lista das três ações preferidas de 14 corretoras na carteira recomendada para junho. O levantamento contempla 28 papéis. A repórter Jasmine Olga mostra ainda que duas dessas ações são as preferidas de três corretoras. São as “favoritas das favoritas”, as campeãs do mês.  A “campeã” de maio fechou o […]

pós-isolamento

Adidas informa que dois terços de suas lojas em todo mundo já reabriram

Empresa já reabriu quase todas as suas lojas na Ásia-Pacífico e nos mercados emergentes, enquanto três quartos de suas próprias lojas operam na Europa

diz boa vista

Pedidos de falência no Brasil sobem 30% em maio

No acumulado em 12 meses finalizados em maio, os pedidos de recuperação judicial cresceram 3,7%

entrevista

‘Não precisa passar as coisas de baciada’, diz presidente da Abag

Anúncio de uma página inteira nos principais jornais do País, na semana passada, de entidades do agronegócio, da indústria, da construção civil e do comércio em apoio ao ministro do Meio Ambiente não caiu bem, diz Marcello Brito

em meio à crise

BRMalls fecha parceria para venda nas plataformas da B2W

Acordo permite a venda dos produtos das mais de 6 mil lojas no Americanas.com, Submarino e Shoptime

esquenta dos mercados

Mercado faz pausa no rali enquanto aguarda decisão do BCE

Após alguns dias de rali, os mercados interncionais realizam lucros enquanto aguardam decisão monetária do BCE. Com a agenda esvaziada no Brasil, destaque para a divulgação dos pedidos de auxílio-desemprego e da balança comercial nos Estados Unidos.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu