Menu
Julia Wiltgen
O melhor do Seu Dinheiro
Julia Wiltgen
2020-05-11T20:24:18-03:00
Seu Dinheiro na sua noite

O medo do futuro e o dólar a caminho dos R$ 6

11 de maio de 2020
20:24
O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

Caro leitor,

Não sei se tem acontecido com você, mas toda vez que eu converso com a minha mãe ou os meus amigos por chamada de vídeo, uma parte do papo é sempre dedicado a desabafar sobre os nossos temores em relação ao futuro pós-pandemia.

O que será de nós? O que vai mudar? O que permanecerá? Quais serão as consequências na vida social, na economia, nas nossas vidas profissionais?

A falta de visibilidade acerca de tudo isso causa tanta angústia que quase todo mundo com quem eu tenho conversado - eu incluída - tem focado em viver um dia de cada vez e evitado fazer planos ou grandes reflexões sobre o futuro.

Pois bem, é assim que também estão se comportando os investidores diante do contínuo avanço do coronavírus no mundo. Por um lado, muitos países parecem já ter saído da fase mais crítica, mas a Inglaterra e os Estados Unidos ainda preocupam. Já o Brasil está caminhando para se tornar um novo epicentro da doença no mundo.

O pessimismo tomou conta do pregão de hoje, depois que novos casos de coronavírus foram registrados em Wuhan, na China, o que eleva os temores quanto a uma segunda onda da pandemia na região. Se assim for, é bem possível que todo o mundo, na sequência, passe por uma segunda onda, o que significa que esta crise ainda não estaria perto de acabar.

Por aqui, o mercado continua a monitorar a crise política e suas possíveis consequências fiscais. Com isso, a bolsa fechou hoje em baixa, e o dólar terminou o dia em alta, mais uma vez.

A moeda americana parece realmente estar no caminho para os R$ 6, tendo fechado novamente acima de R$ 5,80. A dificuldade de projetar o futuro para o Brasil e o mundo pesa contra a nossa moeda. O Victor Aguiar conta todos os detalhes do pregão de hoje na nossa cobertura de mercados.

Mais um vexame para a conta

A ação com a maior queda do Ibovespa nesta segunda-feira, porém, nada tem a ver com coronavírus ou cenário político. Com um tombo de mais de 80% desde o início de fevereiro, os papéis do IRB recuaram, só hoje, quase 15%, depois que a companhia anunciou a participação em mais um vexame. A resseguradora será fiscalizada pela Superintendência de Seguros Privados (Susep), regulador do mercado de seguros. A razão é simples: os ativos garantidores das suas provisões técnicas estão abaixo do mínimo regulatório. O Vinícius Pinheiro te conta tudo.

O evento do ano para o bitcoin

Está previsto para agora à noite o evento mais aguardado do ano no mercado cripto: o halving. O fenômeno consiste no corte pela metade da remuneração em bitcoins pela mineração da criptomoeda, o que, na prática, reduz a oferta de novos bitcoins no mercado. Os últimos halvings, ocorridos em 2012 e 2016, pressionaram a cotação da criptomoeda para cima. Mas será que essa alta deve acontecer novamente? O atual momento econômico favorece ou prejudica o bitcoin? Eu vou conversar sobre estas e outras questões com o André Franco, nosso colunista especializado em criptomoedas, numa transmissão ao vivo que vai ocorrer nesta terça, 12 de maio, a partir das 13 horas. Você poderá acompanhar a live e enviar as suas perguntas por aqui.

Neblina de incertezas

O fundo Verde, do lendário gestor Luis Stuhlberger, teve um abril de alívio após um primeiro trimestre difícil. A maior parte dos ganhos veio de ações americanas, mas houve uma redução de posição em bolsa nos EUA no fim do mês. O que me chamou atenção mesmo, entretanto, foi o quadro que a gestora traçou para o cenário local: demonstrando cautela, disse que uma “neblina de incertezas” envolve o mercado brasileiro. Saiba o porquê.

O fundo do poço pode ser mais embaixo

Está claro que a economia brasileira sofrerá um tombo histórico em 2020, com a pandemia do coronavírus. A questão é o tamanho do tombo: o Itaú, por exemplo, já está mais pessimista sobre essa recessão, com a projeção de queda no PIB passando de 2,5% para 4,5%. A Confederação Nacional da Indústria (CNI) estipula uma retração similar no seu cenário base, de 4,2%. Mas o pior cenário projetado pela entidade é ainda mais assustador.

Converse menos, faça mais

Em suas falas recentes, o ministro da Economia, Paulo Guedes, já foi do céu ao inferno. Por um lado, disse que a economia brasileira ainda vai “surpreender o mundo” e falou até em uma possível “recuperação em V” da atual crise. Por outro, também falou em “colapso” econômico e na possibilidade de o país “ficar parecido com a Venezuela”. Mas, afinal, qual vai ser? Na sua coluna de hoje, Felipe Miranda reflete sobre a discrepância entre as falas e as ações da equipe econômica do governo, que, na opinião dele, está perdendo o controle das políticas monetária e fiscal. Vale muito a pena conferir!

Nova bomba fiscal

Em meio à crise do coronavírus, prefeitos poderão adiar a contribuição para os regimes de previdência social dos seus servidores. A possibilidade gerada por uma decisão do Senado, pode se tornar uma nova bomba fiscal de R$ 18,5 bilhões na forma de uma herança maldita para os próximos governos municipais. Saiba mais sobre o que pode acontecer.

Um grande abraço e ótima noite!

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Novidade na B3

Com novo modelo, ações da Track&Field estreiam no pregão da B3 após IPO

Oferta da empresa de vestuário e calçados esportivos inaugura modelo em que as ações preferenciais terão direito econômico — incluindo os dividendos — 10 vezes maior que o das ordinárias

MAIS POLÊMICA

B3 critica multa no acordo da Stone pela Linx

Penalidade também valeria caso os acionistas da Linx não aprovem saída da empresa do Novo Mercado, como quer a Stone

Exile on Wall Street

Por que decidimos lançar um MBA?

O problema é geral. Não há cursos de MBA de qualidade dados por praticantes

BALANÇO

Dólar ajuda e atrapalha Klabin no terceiro trimestre

Moeda americana eleva vendas no período, mas pesa em suas despesas financeiras e no endividamento

Mercados hoje

Ibovespa busca recuperação enquanto cautela impera nos mercados internacionais

Aumento do número de casos da covid-19 na Europa e impasse em torno de um novo pacote de estímulos fiscais nos Estados Unidos são os principais fatores que inibem o apetite ao risco

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies