Menu
Julia Wiltgen
O melhor do Seu Dinheiro
Julia Wiltgen
2020-11-07T11:57:23-03:00
O melhor do Seu Dinheiro na semana

A contagem não acabou, mas o mercado azulou

Confira as principais notícias e análises da última semana

7 de novembro de 2020
11:57
O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

Nesta semana, todos os olhos do mercado estiveram voltados para as eleições presidenciais americanas, finalizadas na terça, dia 3 de novembro. Mas até agora, nada de presidente eleito. A contagem ainda está rolando, mas tudo indica, por ora, que o democrata Joe Biden levou.

Amanhecemos com a notícia de que Biden ampliou a liderança na Pensilvânia, mas reduziu a vantagem no Arizona. O democrata segue à frente também na Geórgia e em Nevada.

No início do ano, as eleições nos Estados Unidos eram vistas como o principal risco aos investimentos em 2020. Ainda não tínhamos ideia de que seríamos abatidos por uma pandemia global. A possibilidade de uma vitória democrata dava calafrios nos investidores.

Mas além da nossa perspectiva, a pandemia mudou também o jogo eleitoral. Acabou prejudicando Trump, que eventualmente perdeu seu favoritismo, e fez o mercado pender para o lado dos democratas, que podem inundá-lo com ainda mais recursos. Com a economia abalada, os estímulos adicionais são mais do que bem-vindos.

Levado pelas circunstâncias, o mercado acabou azulando - em referência à cor do Partido Democrata, mas também ao desempenho das bolsas na semana. Os últimos dias foram de disparada nos principais índices de ações e recuo forte da moeda americana.

Você pode conferir o balanço da semana nesta matéria do Felipe Saturnino, que destrincha todos os porquês.

Mas nem só da disputa entre Trump e Biden viveram os investidores nesta semana. Também tivemos a indicação das ações preferidas para novembro, boas notícias no cenário doméstico e o fim de um casamento corporativo entre dois gigantes. Confira, a seguir, os principais destaques da semana:

1. As eleições e os seus investimentos

Afinal, como as eleições americanas afetam os seus investimentos? Onde pôr o seu dinheiro se Joe Biden realmente vencer? Esse foi o tema da excelente análise do nosso colunista Matheus Spier publicada no início da semana, em que ele também faz um balanço dos quatro anos de governo Trump.

Eu e o Vinícius Pinheiro também conversamos sobre isso no podcast Touros & Ursos de ontem, e a discussão dos ouvintes durante a transmissão ao vivo foi acalorada. Aproveita e aperta o play!

2. Fortaleza em meio à crise

Nesta semana também tivemos a publicação da nossa tradicional matéria da Ação do Mês, e a campeã entre as indicações das corretoras desta vez reinou absoluta. Não é de hoje que ela aparece entre as queridinhas, pois seu futuro é luminoso, mesmo com a crise do coronavírus. Conheça as principais indicações para o mês de novembro, na matéria da Jasmine Olga.

Este é um conteúdo exclusivo para os nossos leitores Premium. Se você ainda não é Premium, aqui está o link para destravar uma degustação de 30 dias sem compromisso.

3. IRB a R$ 34?

Os fóruns de internet ferveram nesta semana por causa de um relatório do Morgan Stanley com indicação de compra para as ações do IRB e preço-alvo de R$ 34, totalmente contra a maré das demais corretoras e casas de análise. A resseguradora passou por um verdadeiro inferno astral neste ano e viu suas ações despencarem mais de 80%, tendo fechado a R$ 6,55 na última sexta. Então como tal projeção é possível? Os leitores do Seu Dinheiro nos questionaram, e o Vinícius Pinheiro escreveu uma matéria, com um alerta. Vale a pena ler.

4. Avanço da agenda econômica

No noticiário econômico local, uma grata surpresa: o Senado aprovou o texto-base do projeto de autonomia do Banco Central, pauta cara à equipe econômica do governo Jair Bolsonaro. Mas o projeto ainda deve sofrer alterações na Câmara.

5. História de um casamento

A união entre Itaú e XP parece estar chegando ao fim. Nesta semana, o bancão anunciou que estuda segregar sua participação na maior corretora do país em uma nova empresa. Os dois gigantes protagonizaram, neste ano, trocas de farpas públicas, mas segundo o presidente do Itaú, Candido Bracher, o motivo da separação não tem a ver com isso. Ele explicou a questão em teleconferência com a imprensa.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

atenção, acionista

Itaú Unibanco anuncia pagamento de juros sobre capital próprio

Segundo a empresa, os valores serão pagos com base na posição acionária do dia 10 de dezembro

seu dinheiro na sua noite

Um zero a zero para se comemorar

O gol é um detalhe. A frase atribuída a Carlos Alberto Parreira representa um marco do estilo considerado retranqueiro do ex-técnico da seleção brasileira. Ainda que Parreira negue a afirmação, o fato é que o Brasil sagrou-se campeão da Copa de 1994 sob o comando do técnico depois de um empate por zero a zero […]

separação em curso

Conselho de administração do Itaú aprova criação da Newco, dona de parte da XP

Cisão ainda precisa ser aprovada pelos acionistas, e caso isso aconteça, eles vão passar a deter participação também na Newco

fechamento dos mercados

Ibovespa perde ímpeto sem NY, mas consegue fechar em leve alta aos 110 mil pontos

Índice acionário estendeu sequência de altas em sessão de marasmo por liquidez reduzida. Embate entre Guedes e Campos Neto realça questão fiscal, mas juros recuam com leilão do Tesouro

eleição em são paulo

Empresários e investidores entregam manifesto a favor da candidatura de Boulos

Candidato é tratado como empreendedor social e, em conversas reservadas, o MTST é comparado a uma startup de sucesso

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies