Menu
2020-09-23T15:48:38-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
A espera acabou

Gestora brasileira e Nasdaq se unem para lançar o primeiro ETF de criptomoedas do mundo

expextativa da gestora é que o fundo seja listado ainda este ano na Bolsa de Valores de Bermudas (Bermuda Stock Exchange -BSX), país conhecido por ter uma legislação inovadora pró-ativos digitais

22 de setembro de 2020
13:43 - atualizado às 15:48
ETF DE CRIPTOMOEDAS
Imagem: Shutterstock

Não é de hoje que a expectativa pelo lançamento de um ETF (Exchange Traded Fund) de criptomoedas ronda o mercado. Afinal, o investimento em um fundo de índice negociado em bolsa abre oportunidades para que cada vez mais investidores entrem no mercado e acelera o processo de profissionalização e maturação do segmento.

No entanto, a espera está próxima de um fim. A gestora brasileira Hashdex, em parceria com a Nasdaq, recebeu autorização na última sexta-feira (18) para lançar o primeiro ETF de criptomoedas do mundo, o Hashdex Nasdaq Crypto Index ETF.

ETF é um fundo que replica o desempenho de um índice escolhido como benchmark e que encontra 'fit' com o portfólio de diversos tipos de investidores. Segundo a Hashdex, o ETF lançado irá replicar o índice Nasdaq Crypto Index (NCI), também desenvolvido em parceria com a Nasdaq e que representará o cenário institucional de investimentos em criptoativos para além do bitcoin.

A expectativa da gestora é que o fundo seja listado ainda este ano na Bolsa de Valores de Bermudas (Bermuda Stock Exchange - BSX), país conhecido por ter uma legislação inovadora pró-ativos digitais, ponto que tem sido um dos principais entraves para a criação de um ETF de criptoativos nos últimos anos.

A gestão do índice NCI será feito pela Nasdaq. Informações sobre a metodologia utilizada será divulgada pela empresa na ocasião do lançamento, previsto para acontecer ainda neste ano.

Segundo o CEO da Hashdex, Marcelo Sampaio, a entrada da Nasdaq no mercado formal de ativos digitais confirma o crescimento do interesse e confiança na classe de ativos, intensificando a tendência observada nos últimos meses de aceleração na entrada de investidores institucionais no mercado.

Sampaio acredita que além de colocar a gestora como um player relevante no segmento de cripto global, a iniciativa também tem potencial para impactar e transformar positivamente os mercados financeiros nos próximos anos.

Fundada em 2018, a Hashdex administra três fundos de investimento com exposição ao mercado de criptoativos e desenvolveu o índice HDAI, que reúne os principais criptoativos do mercado e já é distribuído pela Nasdaq.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

em meio à crise

GPA tem alta de 150% no lucro, com melhora operacional no Brasil

Cifra atingiu R$ 386 milhões; Assaí apresentou faturamento de R$ 10,1 bilhões, incremento de R$ 2,5 bilhões contra o ano anterior

Números fortes

Vale tem lucro líquido de US$ 2,9 bilhões no 3º tri, alta de 76% na comparação anual

Lucro líquido cresceu quase 76% em relação ao terceiro trimestre do ano passado; Ebitda ajustado chegou a mais de US$ 6 bilhões

Análise

O mercado trucou, e o Banco Central mandou descer ao bancar juro baixo

Emparedado pelo repique da inflação e pelo aumento do risco fiscal, o BC foi inflexível e sustentou o “forward guidance”, a sinalização de que a Selic permanecerá baixa por um longo período

Acelerou

Bolsonaro assina sanção da lei que prorroga incentivos para setor automotivo

A sanção do projeto, assinada por Bolsonaro, deve ser publicada até esta quinta-feira, 29, no Diário Oficial da União (DOU).

o pior já passou?

Petrobras tem prejuízo de R$ 1,5 bilhão no terceiro trimestre, com adesão a anistias tributárias

Analistas esperavam prejuízo de R$ 4,15 bilhões; após baixa com a pandemia, estatal aumentou a participação de mercado e manteve um patamar alto de exportações

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies