Menu
2020-01-20T17:21:34-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Renda variável

UBS vê céu azul para bolsa brasileira, com alta de até 15% sobre emergentes

Desempenho da bolsa deve ser impulsionado pela recuperação da economia e dos lucros das empresas, além do ciclo de reformas e da migração de recursos para o mercado de ações, segundo os analistas do banco suíço

20 de janeiro de 2020
10:51 - atualizado às 17:21
Homem olhando para o céu.
Imagem: Shutterstock

Céu de brigadeiro para a bolsa brasileira nos próximos 6 a 12 meses. A previsão é do banco suíço UBS, que vê espaço para as ações do país registrarem uma alta de 10% a 15% acima dos demais mercados emergentes em dólar no curto prazo.

As razões para o otimismo são basicamente três: a recuperação da economia brasileira, que deve levar a um crescimento maior dos lucros, o ciclo de reformas e a migração de recursos para o mercado de ações proporcionado pela queda dos juros.

"Uma potencial valorização do real (BRL) poderia proporcionar um upside adicional", escreveram os analistas do UBS, em relatório a clientes. O banco projeta um avanço de 20% no lucro das empresas listadas neste ano, puxado pelos setores financeiro, consumo, commodities e energia – os favoritos dos analistas.

O UBS projeta um crescimento de 2,5% do PIB nos próximos três anos. O desempenho deve ser impulsionado pelo crédito privado e investimentos corporativos.

"Enxergamos o Brasil como uma história única de 'início de ciclo, finalmente passando de uma economia liderada pelo Estado para outra orientada pelo mercado."

A bolsa brasileira já bateu de longe a dos demais mercados emergentes no ano passado. O índice de ações MSCI Brazil subiu 27%, contra 19% do mesmo indicador das bolsas emergentes.

Para o UBS, apesar da alta recente, a bolsa brasileira ainda não está cara. "Embora o MSCI Brazil negocie acima da média histórica, achamos que isso se justifica, dadas as taxas de juros reais nas mínimas e a perspectiva de lucros maiores", escreveram os analistas do banco suíço.

É claro que esse céu azul esperado pela bolsa pode virar. Entre os riscos, o UBS destaca o de desaceleração da economia global, pressões de queda sobre os preços das commodities e uma nova frustração com o desempenho da economia e do ritmo de aprovação das reformas.

Os analistas também apontam como fatores de preocupação que podem afetar a bolsa a onda de protestos na América Latina e uma desvalorização do real em relação ao dólar.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Pressão para todo lado

Comissão inicia discussões sobre a Reforma Administrativa; relator afirma que Bolsonaro precisa manifestar seu apoio

A comissão especial formada na Câmara dá hoje o pontapé inicial na discussão da reforma administrativa. A primeira reunião é cercada de forte pressão para definir a lista das categorias de Estado a serem incluídas na Proposta de Emenda à Constituição (PEC). O crescimento desse movimento é uma das preocupações do relator do projeto, deputado […]

Matéria-prima salgada

Commodities vão inflacionar o mercado de carros, diz presidente de consórcio que reúne Fiat, Jeep, Peugeot e Citroën

Além da pandemia e da falta de chips, o executivo vê com preocupação o movimento inflacionário das commodities usadas pelo setor

MERCADOS HOJE

Dólar fica abaixo dos R$ 5 pela primeira vez em um ano; confira as razões para a queda da moeda

Entrada de fluxo estrangeiro no país é acompanhada de alguns critérios técnicos e uma melhora na percepção de risco.

Ampliando investimentos

GM amplia em 75% investimentos em carros elétricos e automáticos até 2025

A projeção da empresa é de que seu Ebit fique entre US$ 8,5 bilhões e US$ 9,5 bilhões na primeira metade do ano

Análise do presidente

Para Bolsonaro, derrubada ou perda da validade da MP da Eletrobras provocará caos

A MP não tem consenso entre líderes e corre o risco de ser derrubada ou ter a votação adiada

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies