Menu
2020-03-19T11:23:32-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Mercados

Juros futuros ignoram BC conservador e sobem forte na B3

A expectativa era que o tom mais duro do Banco Central ajudasse a diminuir a pressão sobre os juros futuros, principalmente os de prazo mais longo

19 de março de 2020
11:07 - atualizado às 11:23
Mercados juros bolsa coronavírus
Imagem: Shutterstock

A decisão do Banco Central de adotar um tom mais conservador ao reduzir a Selic em 0,50 ponto percentual e sinalizar que esse pode ser o último corte teve pouco efeito no mercado de juros.

As taxas dos contratos de depósito interfinanceiro (DI) de praticamente todos os vencimentos são negociadas em forte alta na B3. Confira a seguir as taxas por volta das 10h45:

  • Janeiro/2021: de 3,77% para 4,28%;
  • Janeiro/2022: de 5,24% para 6,42%;
  • Janeiro/2025: de 7,70% para 8,69%;
  • Janeiro/2027: de 8,34% para 9,19%.

Na decisão sobre a Selic, o Banco Central falou em usar “todo o arsenal” de medidas para enfrentar a crise. Ainda assim, a maior parte dos analistas considerou o Copom duro demais ao defender a cautela na condução da política monetária e ver como adequada a manutenção dos juros a 3,75% ao ano.

Leia também:

“Estão atrasados no diagnóstico e com alta probabilidade de serem atropelados pela deterioração da atividade econômica”, afirmou um gestor de fundos.

A expectativa era que o tom mais duro ajudasse a diminuir a pressão sobre os juros futuros, principalmente os de prazo mais longo. Em tese, a decisão tira a pressão sobre o câmbio e, por consequência, sobre a inflação.

O dólar até responde em queda hoje, o que não é suficiente para aliviar a tensão no mercado de juros. “As taxas reagem basicamente a um movimento de aversão ao risco, não aos movimentos do BC”, me disse outra fonte do mercado.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

disputas internas

Smiles atende minoritários e marca assembleia sobre acordo com Gol

Acionistas questionam termos do acordo com a controladora e defendem que houve abuso de poder por parte dos diretores

esquenta dos mercados

IBC-Br e temporada de balanços nos EUA roubam a atenção dos investidores em meio a temor com a covid-19

Números surpreendentes da economia chinesa não foram o suficiente para diluir as preocupações com o avanço do coronavírus e reestabelecimento de medidas de isolamento na califórnia. Com excessão dos índices futuros em Nova York, o sinal predominante no mercado é o de queda

entrevista

‘Queremos ações mais concretas do Brasil’, diz executivo do grupo Nordea

Com ativos de 550 bilhões de euros, um dos 10 maiores da Europa, grupo parou de comprar ativos do governo brasileiro em 2019 por causa do aumento das queimadas na Amazônia.

Insights Assimétricos

Ainda dá para comprar ouro?

Se o ouro performa muito bem em períodos de inflação elevada, ele também performa bem em momento de inflação baixa; veja por quê

de olho nos barris

União recebe 50% mais petróleo em maio pela produção do pré-sal

De janeiro a maio, foi reservado ao governo o volume de 1,5 milhão de barris de petróleo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements