Menu
2019-10-14T14:10:38-03:00
estratégia que dá certo

‘Meu pai me ensinou a comprar com desconto’, diz Klein sobre Via Varejo

Comprar quando o setor ou o vendedor está em crise é estratégia de Michael Klein, a mesma usada para arrematar, em junho, 1,6% das ações da Via Varejo

16 de agosto de 2019
14:21 - atualizado às 14:10
Michael Klein, ex-dono da Casas Bahia e maior sócio da Via Varejo
O empresário Michael Klein. - Imagem: Seu Dinheiro

O braço de aviação executiva do Grupo CB sofre com a crise, mas Michael Klein não para de investir. Nesta semana, comprou dois helicópteros por R$ 62 milhões.

Comprar quando o setor ou o vendedor está em crise é sua estratégia, a mesma usada para arrematar, em junho, 1,6% das ações da Via Varejo, elevando a participação da família na empresa dona de Casas Bahia e Ponto Frio para 27,7% - ele havia vendido o controle da Casas Bahia ao Grupo Pão de Açúcar em 2009.

Agora, no controle da companhia novamente, quer reverter o prejuízo do ano passado priorizando a operação digital e as lojas deficitárias. Prevê que será necessário um ano e meio para isso acontecer, mesmo tempo que deve levar para o Brasil começar a se recuperar. Para ele, o governo está indo bem, mas deveria “lavar roupa suja em casa”.

O sr. estava animado com a aviação executiva. Os resultados estão vindo como esperados?

O ano passado foi melhor por causa da Copa do Mundo, mandamos dois aviões para a Rússia, e das eleições, voamos para quatro candidatos à presidência. Faturamos R$ 110 milhões e, para este ano, a meta é R$ 159 milhões. Mas acho que esse número não vai acontecer. No primeiro semestre, faturamos R$ 108 milhões, mas porque vendemos uma aeronave, aí o número sobe.

Esse resultado deve frear os investimentos do grupo no setor?

Ganhamos licitação para um terceiro hangar no aeroporto Santos Dumont (RJ) e pegamos outro no de Pampulha (MG). Tem mais dois helicópteros que compramos, recebemos certificação para fazer manutenção de aeronave de terceiros e pedimos licença para fazer transporte aeromédico.

O Grupo CB se desfez de alguns imóveis recentemente. Está diminuindo a aposta no setor?

Troquei de ativos. Vendi 26 lojas que eram alugadas para a C&A e, com o dinheiro (R$ 100 milhões), comprei ações da Via Varejo. Tirei de um bolso e pus em outro. Vendi para não me endividar na compra das ações.

O sr. se arrependeu de vender as Casas Bahia para o Grupo Pão de Açúcar?

A gente não pode se arrepender do que faz. Surgiu a oportunidade. O Casino (que assumiu o controle do Pão de Açúcar em 2012) entrou em recuperação judicial (a holding controladora pediu proteção judicial contra credores) na França. Automaticamente, tinha de vender alguma coisa aqui para mandar dinheiro para lá. (Pensei:) ‘quem sabe é a oportunidade de comprar mais barato’?

A Via Varejo estava à venda havia dois anos e sempre houve rumores de que o sr. estava interessado.

Ele (Jean-Charles Naouri, controlador do Casino) queria vender para alguém que fosse controlador e pagasse ágio sobre as ações. Falei que não pagava ágio e comprava toda a parte dele com desconto. Meu pai me ensinou a comprar com desconto.

O Casino administrou mal a Via Varejo ou apenas não era prioridade dele?

Os dois. Não foi foco por falta de experiência no ramo. Ele (Naouri) é bom administrador, tanto que tem loja no mundo inteiro. Mas não é especializado em eletrodomésticos. Tratava de uma loja de eletrodomésticos como se fosse um supermercado. Não dá.

Como o sr. pretende virar o jogo? Nesse período de crise na Via Varejo, o Magazine Luiza decolou com vendas pela internet.

Pelas falhas que houve na Via Varejo, o faturamento foi caindo. A Luiza Helena (Trajano, presidente do conselho do Magazine) e, agora, o Frederico (presidente), que são do ramo, souberam aproveitar as oportunidades que deixamos. Foi um trabalho muito bom, tanto é que saiu o resultado deles: 41% do faturamento vem do online. Na Via Varejo não chega a 15%.

No processo de se voltar ao digital, lojas serão fechadas?

Isso eles (a direção executiva) que avaliam. Estou lá só como presidente do conselho. Só posso dar orientação.

Qual a atual orientação?

Online e recuperar as lojas deficitárias.

Quanto tempo deve levar para recuperá-las?

Um ano e meio dois anos.

Como o sr. avalia o governo?

Acho bom. Eles estão no caminho certo.

A equipe econômica o sr. diz? E a articulação política?

Acho que roupa suja se lava em casa. Eles estão expondo. Se eles têm acertos para fazer, deveriam fazer dentro de casa.
Há muitas críticas por ser um governo autoritário.

Para a economia, ter uma coisa mais autoritária, falar qual é o caminho certo, é até bom para o País. Antes, (os políticos diziam) ‘aprovo só se você me der essa estatal’. Como esse governo é mais autoritário, já mostrou que não tem negociação. Entenda autoritário não como ditadura. Tem diferença. Autoritário com bons propósitos. Mas confio que o País vai melhorar no médio prazo. 2020 ainda vai ser difícil.

Com informações do jornal O Estado de S. Paulo e Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Teste de fé

Segredos da bolsa: Powell e Campos Neto testam a fé dos investidores nos banqueiros centrais

Testemunhos do presidente do Fed perante a Câmara e o Senado dos EUA e coletiva de Campos Neto tendem a inspirar cautela entre os investidores

dinheiro estrangeiro

Sem reformas, fim da pandemia pode não trazer investimentos

Desde 2015, a participação de estrangeiros nos títulos de dívida pública caiu de 20,8% para 9%; quadro fiscal piorou com a pandemia

coronavírus

Doria anuncia que São Paulo receberá 5 milhões de doses de CoronaVac

Segundo o governador de São Paulo, previsão é de que haja 46 milhões de doses até dezembro

o app dos jovens

TikTok banido dos EUA? Entenda a polêmica em torno do aplicativo

Trump prometeu tirar o aplicativo chinês do país neste domingo, mas medida não deve ser colocada em prática; entenda as razões por trás da ofensiva americana

entrevista

‘Não se pode esperar para cortar privilégio’, diz ex-secretário do Ministério da Economia

Paulo Uebel defende que o Congresso aprove uma regra de transição na proposta da reforma administrativa para incluir o fim dos privilégios que grupo de servidores atuais ainda goza

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements