Menu
2019-07-04T19:27:17-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Novidades à vista

A caminho: XP espera lançar banco até o fim deste ano

Segundo sócio-diretor de canais e distribuição da empresa, a XP está preparada internamente e operacionalmente para começar o rodar o banco, mas é preciso esperar processos internos do Banco Central para que o processo seja concluído

4 de julho de 2019
19:15 - atualizado às 19:27
XP Investimentos Dinheiro
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

A maior corretora independente do Brasil parece estar cada vez mais próxima de virar um banco. Em evento para agentes autônomos e investidores, o sócio-diretor de canais e distribuição da XP, Gabriel Leal, disse hoje (4) que a corretora espera lançá-lo entre o fim do terceiro trimestre e início do quarto.

Segundo ele, a XP está preparada internamente e operacionalmente para começar o rodar o banco, mas é preciso esperar procedimentos internos do Banco Central para que o processo seja concluído.

"Existe uma auditoria pré-operacional feita pelo Banco Central que valida os processos e por conta disso, acabamos atrasando. A expectativa anterior era que isso estivesse pronto já no fim desse semestre", destacou Leal.

A corretora recebeu no fim do ano passado uma autorização do Banco Central para virar banco.

Prateleira mais cheia

E a ideia é oferecer cada vez mais serviços. Segundo o CEO da corretora, Guilherme Benchimol, após começar a rodar o banco, o objetivo é oferecer em seguida o serviço de banco de câmbio e depois, a opção de abrir uma conta-corrente.

Ao ser questionado sobre a concorrência de outros bancos digitais como Inter ou fintechs como o Nubank, Benchimol disse que a XP já sai na frente porque está no topo da pirâmide e conseguiu convencer o cliente a confiar nela.

Para ele, mesmo que o número de competidores seja grande, a XP não vê competição porque 95% dos recursos ainda estão nos grandes bancos.

“Daqui cinco anos, a maior parte da poupança dos brasileiros estará fora dos bancos. Aí a competição vai ser entre os independentes, como no mercado americano", afirma Benchimol.

Outro ponto que deve vir forte é o crédito. De acordo com o CEO, a expectativa é oferecer o menor crédito do mercado, que seria cerca de 80% mais barato do que a média do mercado.

Abertura de capital

Ao ser perguntado sobre a abertura de capital (IPO) da corretora, o CEO da empresa disse que pensa na possibilidade e que a governança é bastante significativa na empresa.

"Queremos que o nosso modelo voe no longo prazo. Conseguimos imaginar o nosso modelo atingindo a América Latina e os Estados Unidos, mas, no momento, não temos data para fazer uma abertura de capital", encerrou Benchimol.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Entrevista

‘Desemprego alto e déficit público nos deixam cautelosos’, diz presidente da Whirlpool

CEO da fabricante das marcas Consul e Brastemp diz estar cauteloso para investir em produção e em relação à sustentabilidade da demanda, por conta de desemprego e da situação fiscal

Mercadores da noite

Bolsa, dólar e juros subindo: qual dos três está mentindo?

Quando a Bolsa, o dólar e as taxas de juros estão subindo ao mesmo tempo, um dos três está mentindo – qual deles será e o que fazer?

Infraestrutura

Novo marco legal para ferrovias vai a votação no Senado na próxima semana

Legislação promete organizar regras do setor e permitir novos formatos para a atração de investimentos privados

Telecomunicações

Operadoras cobram transparência do governo na definição da tecnologia 5G

Teles se dizem preocupadas com as “incertezas” relativas ao processo, depois de governo sinalizar banimento da chinesa Huawei

Recorde

Estrangeiros põem R$ 30 bilhões na bolsa brasileira em novembro

Trata-se de recorde de entrada de recursos estrangeiros em um mês, impulsionado pela migração de recursos para bolsas emergentes; movimento por aqui, porém, pode ser passageiro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies