Menu
2019-10-23T13:48:22-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Acabou!

Senado conclui votação da reforma da Previdência

Texto principal já tinha sido aprovado ontem por 60 votos a 19. Após acordo, senadores apoiaram destaque sobre periculosidade apresentado pelo PT e Rede desistiu da sua proposta de mudança

23 de outubro de 2019
13:29 - atualizado às 13:48
Plenário do Senado com o presidente Davi Alcolumbre
Senado vota segundo turno da reforma da Previdência - Imagem: Jefferson Rudy/Agência Senado

O plenário do Senado Federal concluiu a votação da reforma da Previdência depois de acordo para lidar com dois destaques que faltavam ser apreciados. O texto-base foi aprovado, ontem, por 60 votos favoráveis a 19 contrários.

Após reunião de lideranças, o governo teve de ceder e ficou acertado que a emenda apresentada pelo PT, que trata de aposentaria especial por periculosidade, seria acatada, mas haverá posterior regulamentação por lei complementar. O acordo foi confirmado pelo relator da reforma, senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) pouco antes da abertura da sessão. O secretário especial de Previdência, Rogério Marinho, disse que o destaque não terá impacto financeiro na reforma. Como parte do acordo, a Rede abriu mão de seu destaque, que também teria de ser votado.

A proposta de destaque do PT tem grande apelo entre guardas municipais e vigilantes, colégios eleitorais relevantes, ainda mais com a proximidade das eleições municipais. Não por acaso, o pleito do PT ganhou apoio de outros partidos, notadamente do MDB. O destaque foi aprovado por unanimidade, com 78 votos.

O resultado demorou a sair, pois com disse um senador, "a conversa babada" se arrastou demais, com senadores elogiando uns aos outros por mais de duas horas (mesmo com o plenário vazio). Mas a "babada" final foi do presidente Davi Alcolumbre, que passou a presidência da casa ao senador Paulo Paim, que defendeu o destaque do PT, para que ele proclamasse o resultado (detalhe, Paim presidiu uma CPI da Previdência, concluindo que não existia déficit).

O principal ponto da reforma é a instituição de idades mínimas de aposentadoria de 65 anos para home e 62 anos para mulheres. Como as tentativas de alteração do texto não prosperaram, a economia estimada ao longo de dez anos se manteve na casa dos R$ 800 bilhões. Resultado melhor que o esperado, anida mais se considerarmos que as discussões sobre o tema no governo Temer começaram em R$ 400 bilhões.

Rogério Marinho gosta de considerar na conta o efeito de outras medidas previdenciárias, como combate a fraudes e menor judicialização, que, em cálculo conservador, somam mais R$ 200 bilhões ao longo de 10 anos. Agora em 2019, o secretário estima redução de R$ 8 bilhões nos gastos só com a redução de fraudes.

A reforma, como já dissemos, é um aceno de compromisso do país com a sustentabilidade das contas públicas. Essa reforma aliada à emenda do teto de gastos, que limitou o crescimento do gasto público, “compram tempo” para o país fazer um ajuste fiscal gradual, sem avançar sobre “direitos adquiridos”, nem elevar ainda mais a carga tributária.

Ontem, após a votação do texto principal, o ministro da Economia, Paulo Guedes, expressou felicidade pelo resultado e disse que sempre teve confiança no Congresso. O ministro também defendeu que o ideal é que Estados e municípios também entrem na reforma (assunto que está sendo discutido na chamada PEC paralela).

Na semana que vem devem ser apresentadas outras propostas de reforma, como o pacto federativo e reforma administrativa. Medidas que também buscam ajustar o tamanho dos gastos públicos, notadamente os gastos obrigatórios.

A promulgação da reforma pelas mesas da Câmara e Senado deve acontece em novembro, em data ainda a ser definida em conjunto com o presidente Jair Bolsonaro, que vai participar da cerimônia.

Atenção, agora, ao terceiro turno no Judiciário, já que partidos políticos e categorias afirmam que vão judicializar a reforma. O foco recai, também, sobre a chamada PEC paralela, que trata da inclusão de Estados e municípios na reforma da Previdência e está na Comissão de Constituição e Justiça do Senado.

Destaques

A previsão inicial era de encerrar toda o processo de votação na terça-feira, mas as discussões em torno de um destaque do PT abriu um novo capítulo para essa quarta-feira. O texto buscava garantir aposentadoria especial para trabalhadores com grau de periculosidade em suas atividades.

Depois do que pôde ser considerado um alerta feito pelo líder do MDB, maior bancada do Senado, Eduardo Braga (AM), que levantou dúvidas sobre o que de fato estava sendo votado, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, optou por cancelar a sessão e deixar a votação para quarta-feira. O outro destaque, da Rede, buscava acabar com as idades mínimas para quem trabalha com produtos nocivos. Os dois destaques custariam mais de R$ 76 bilhões, nas contas iniciais da equipe econômica.

Nesta quarta-feira, Eduardo Braga reforçou que com o acordo, os parlamentares poderão regular todas as aposentarias de trabalhadores afetados por periculosidade e agentes nocivos. A equipe econômica vinha defendendo que periculosidade seria um fator a ser acertado via salário e não na aposentadoria.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

efeito pandemia

Crise longe do fim? 6 pontos para entender o PIB do terceiro trimestre

Economia cresceu 7,7% no período, segundo o IBGE, abaixo do esperado pelo mercado financeiro – que ignora o resultado no pregão desta quinta

mercados hoje

Ibovespa sobe após PIB e dólar cai mais de 1%, com estímulos e seguro-desemprego nos EUA

Investidores reagem à agenda econômica cheia aqui e lá fora; juros curtos operam em leve queda

Exile on Wall Street

A vitória da indecência sobre a paciência

Se quiser ficar rico comprando ações, terá que necessariamente comprar problemas, principalmente no Brasil

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quinta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

10 notícias para começar o dia bem informado

Sem delongas: saiu a lista da Ação do Mês de dezembro! Como é tradição aqui no Seu Dinheiro, quando vira o mês a repórter Jasmine Olga consulta uma dezena de corretoras para saber quais são os três papéis preferidos das suas carteiras recomendadas. A partir dessa lista tríplice, a Jas faz um cruzamento de dados e monta […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies