Menu
2019-07-11T11:57:35-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
só acaba quando termina

Reforma da Previdência: Oposição grita, governo comemora, mas quem manda é o centrão

Votação do texto principal da reforma foi histórica, mas a política manda seu recado ao governo nos destaques

11 de julho de 2019
11:57
Rodrigo Maia previdência
Presidente da Câmara, Rodrigo Maia, na sessão de votação da reforma da Previdência - Imagem: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

O texto-base da reforma da Previdência foi aprovado com uma margem de votos histórica, 379 a 131, confirmando algo que sempre dissemos, que a oposição é barulhenta, mas simplesmente não tem votos. Acontece que o governo sozinho também não tem votos, quem manda mesmo é a massa dos partidos de centro.

Finda a votação do texto principal, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, deu início à discussão dos destaques, que são tentativas de mudar o texto. Mas citando uma desarticulação de lideranças, rapidamente encerrou a sessão.

Para quem entende do riscado político aqui em Brasília, o recado dado pelos deputados é claro: nós temos os votos e qualquer desidratação vai cair na conta da desarticulação do governo.

Já falamos outras vezes dessa posição confortável que Maia e o Congresso ocupam. Se há vitória, ela é do Parlamento. Se as coisas derem erradas, põe na conta do governo, que escolheu esse modelo de articulação política difusa, tentando construir maiorias por temas (antes que me agridam, isso é constatação, não juízo de valor).

Foram abundantes as notícias de liberação de emendas e a grita da oposição, que chegou a acionar os tribunais contra a liberação de recursos. Mas até aqui nada fora do normal para o mundo da política. Lembrando que até pouco tempo quem pagava a “articulação” era o dinheiro da corrupção (tudo é do contribuinte, mas com a pequena distinção entre rubrica orçamentária ou do departamento de operações estruturadas de inominável construtora).

A dúvida, agora, é qual tipo de barganha será colocada à disposição dos diferentes grupos que compõem o centrão, “esta coisa do mal” como disse ironicamente Maia, ontem, mas que é determinante para o futuro dessa e das demais votações que venham a ocorrer.

Para derrubar destaques será necessário juntar, no mínimo, 308 votos novamente. Os destaques com maior potencial de estrago fiscal são da oposição. A briga é para que o centro ou parte dele não componha com a oposição, impondo derrota ao governo.

Com a inauguração dessa nova rodada de negociações, o maior risco é que o segundo turno da reforma não seja votado antes do recesso. Um segundo turno depois do recesso é algo arriscado, pois eleva ainda mais a fatura para a aprovação. Não é possível comemorar antes de o juiz apontar o centro de campo. Só acaba quando termina e ainda tem muito jogo não só na Câmara, mas também no Senado.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Decisão em plenário

Toffoli marca julgamento sobre inquérito das fake news para semana que vem

O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, marcou para a próxima quarta, 10, o julgamento sobre a continuidade ou não das apurações do inquérito das fake news

Ministério atualiza dados

Brasil chega a 526,4 mil casos e 29,9 mil mortes por coronavírus

Até o momento, 211.080 pacientes estão recuperados da doença

seu dinheiro na sua noite

O mundo em ebulição

Caro leitor, Não bastasse uma pandemia mundial que paralisou a economia, tensões políticas no Brasil e o retorno da troca de farpas entre Estados Unidos e China, temos assistido também, nos últimos dias, a intensos protestos nos EUA contra o racismo. No último fim de semana, às já habituais manifestações em apoio ao governo aqui […]

Cresceu 3,7% em 2019

Vendas de festa junina nos supermercados devem crescer 0,6% em SP, diz associação

A perspectiva do avanço de vendas em supermercados é bem menor do que a registrada no ano passado, um crescimento de 3,7%

Queda no tráfego

Movimento em rodovias da Triunfo cai 13,9% na quarta semana de maio

O movimento de veículos leves recuou 77,3%, enquanto o tráfego de veículos pesados caiu 36,6%. Os dados se referem à Concebra, Concer, Transbrasiliana e Econorte

Termo de compromisso

BC multa Bradesco em R$ 92,2 milhões e solicita aprimoramento em operações de câmbio

A autarquia aplicou ainda multas de R$ 350 mil em oito funcionários do Bradesco. Os valores devem ser pagos em até 30 dias

Otimismo na bolsa

Ibovespa ignora tensões sociais e sobe mais de 1%, amparado na agenda econômica

O Ibovespa abriu o mês no campo positivo e foi às máximas desde 10 de março, sustentado pelos indicadores econômicos mais fortes na China e nos EUA. O dólar, por outro lado, teve um dia mais pressionado, colocando na conta as manifestações nos EUA e no Brasil

Pesquisa energética

Consumo de energia cai 6,6% em abril, diz EPE

O setor comercial foi o mais atingido, com queda de 17,9%, seguido pela indústria, com perda de 12,4% no consumo. Já o setor residencial subiu 6%, sinalizando aumento da demanda trazida pelo isolamento social, que obrigou as pessoas a ficarem mais em casa

LIÇÕES SOBRE INVESTIMENTOS

Senna, o barbeiro de Mônaco, já tocou minha campainha

Mesmo os tricampeões mundiais cometem erros de vez em quando. Neste texto, Felipe Paletta mostra como a inteligência emocional pode contribuir com você para tomar melhores decisões de investimentos. Dimensionando o risco, você pode ir mais longe.

Impacto do coronavírus

Balança comercial tem superávit de US$ 4,548 bilhões em maio, queda de 19,1%

Com queda nas exportações e, em menor volume, nas importações, a balança comercial brasileira registrou saldo positivo de US$ 4,548 bilhões em maio

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements