Menu
2019-04-24T12:16:57-03:00
Estadão Conteúdo
Gigante do café

Terra Forte pede recuperação judicial

Dívida da companhia, atrelada ao dólar, teve um salto com a escalada da cotação da moeda americana e o setor vem enfrentando uma sequência de queda nos preços

11 de abril de 2019
8:24 - atualizado às 12:16
Café
Imagem: Shutterstock

O grupo Terra Forte, um dos maiores produtores de café do Brasil, anunciou nessa quarta-feira, 10, que entrou em recuperação judicial. Com uma dívida de R$ 1,05 bilhão, a empresa - do produtor João Faria - tem tido dificuldades para manter as operações do dia a dia por falta de capital de giro. A empresa é reconhecida no mercado internacional e detém participação de 6,5% de todo café nacional exportado.

O grupo tem capacidade para vender ao exterior 2,5 milhões de sacas por ano, segundo o advogado responsável pela recuperação judicial, Alexandre Faro, do escritório Freire Assis Sakamoto Violante Advogados. Segundo ele, em um primeiro momento, o plano é buscar um investidor para injetar cerca de R$ 60 milhões de capital de giro na empresa.

Tempestade

A situação financeira do grupo começou a se deteriorar devido a uma conjunção de fatores. De um lado, a dívida da companhia, atrelada ao dólar por se tratar de contratos de exportação teve um salto com a escalada da cotação da moeda americana.
Por outro lado, o setor vem enfrentando uma sequência de queda nos preços por causa da maior oferta do produto. Segundo Faro, nos últimos anos, o valor da saca da commodity caiu de R$ 550 para algo em torno de R$ 340 ou R$ 350.

O pedido de recuperação judicial do Terra Forte veio em um momento em que o preço de referência do café arábica, no mercado de Nova York, ronda seus menores níveis em 13 anos, com produtores de todo o mundo reclamando que os valores de venda estão abaixo dos custos de produção. "Nesse ambiente, a empresa passou a ter uma estrutura de endividamento que não cabia mais em seu caixa", disse Faro.

Os maiores credores do Terra Forte são o banco Bradesco, com R$ 140 milhões; o Banco do Brasil, com R$ 120 milhões; e o Banco Cargill, com R$ 110 milhões. A exportadora também tem dívidas com tradings (negociadoras de grãos), mas os valores são pulverizados entre várias empresas.

Com sede em São João da Boa Vista (SP) e operações também no Paraná, Minas, Espírito Santo e Bahia, o grupo Terra Forte terá agora 60 dias para apresentar um plano de reestruturação da dívida com seus credores. A empresa não quis comentar sobre o pedido de recuperação judicial.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

ficou para esta quinta

Para privatizar Eletrobras, governo aceita mais 19 emendas à MP

Por acordo entre os senadores, o texto da MP será votado apenas amanhã, 17, a partir das 10h, e até lá, eles poderão apresentar sugestões de destaques, que podem alterar o teor do parecer

seu dinheiro na sua noite

A Selic subiu mais um pouco – e na próxima reunião tem mais

Esta “Super Quarta” terminou com os bancos centrais brasileiro e americano apertando um pouquinho mais a torneirinha dos juros. A inflação pressiona, aqui e na terra do Tio Sam, e as autoridades monetárias querem mostrar que permanecem vigilantes. O Federal Reserve ainda não elevou propriamente as taxas de juros, que foram mantidas entre zero e […]

Entrevista

Sinais do Copom apontam para Selic a 7% no fim do ano, diz Padovani, do banco BV

Economista-chefe do banco BV, Roberto Padovani destacou o tom mais ríspido do Banco Central e a indicação de que a Selic continuará em alta

MUDANÇA NOS JUROS

COMPARATIVO: Veja o que mudou no novo comunicado do Copom

Veja o que ficou igual e o que mudou no comunicado da decisão do Copom a respeito da taxa Selic, elevada ao patamar de 4,25% ao ano

Subiu de novo

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 4,25% ao ano

Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras de renda fixa agora que o Banco Central elevou a Selic mais uma vez

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies