2019-04-24T12:16:57-03:00
Estadão Conteúdo
Gigante do café

Terra Forte pede recuperação judicial

Dívida da companhia, atrelada ao dólar, teve um salto com a escalada da cotação da moeda americana e o setor vem enfrentando uma sequência de queda nos preços

11 de abril de 2019
8:24 - atualizado às 12:16
Café
Imagem: Shutterstock

O grupo Terra Forte, um dos maiores produtores de café do Brasil, anunciou nessa quarta-feira, 10, que entrou em recuperação judicial. Com uma dívida de R$ 1,05 bilhão, a empresa - do produtor João Faria - tem tido dificuldades para manter as operações do dia a dia por falta de capital de giro. A empresa é reconhecida no mercado internacional e detém participação de 6,5% de todo café nacional exportado.

O grupo tem capacidade para vender ao exterior 2,5 milhões de sacas por ano, segundo o advogado responsável pela recuperação judicial, Alexandre Faro, do escritório Freire Assis Sakamoto Violante Advogados. Segundo ele, em um primeiro momento, o plano é buscar um investidor para injetar cerca de R$ 60 milhões de capital de giro na empresa.

Tempestade

A situação financeira do grupo começou a se deteriorar devido a uma conjunção de fatores. De um lado, a dívida da companhia, atrelada ao dólar por se tratar de contratos de exportação teve um salto com a escalada da cotação da moeda americana.
Por outro lado, o setor vem enfrentando uma sequência de queda nos preços por causa da maior oferta do produto. Segundo Faro, nos últimos anos, o valor da saca da commodity caiu de R$ 550 para algo em torno de R$ 340 ou R$ 350.

O pedido de recuperação judicial do Terra Forte veio em um momento em que o preço de referência do café arábica, no mercado de Nova York, ronda seus menores níveis em 13 anos, com produtores de todo o mundo reclamando que os valores de venda estão abaixo dos custos de produção. "Nesse ambiente, a empresa passou a ter uma estrutura de endividamento que não cabia mais em seu caixa", disse Faro.

Os maiores credores do Terra Forte são o banco Bradesco, com R$ 140 milhões; o Banco do Brasil, com R$ 120 milhões; e o Banco Cargill, com R$ 110 milhões. A exportadora também tem dívidas com tradings (negociadoras de grãos), mas os valores são pulverizados entre várias empresas.

Com sede em São João da Boa Vista (SP) e operações também no Paraná, Minas, Espírito Santo e Bahia, o grupo Terra Forte terá agora 60 dias para apresentar um plano de reestruturação da dívida com seus credores. A empresa não quis comentar sobre o pedido de recuperação judicial.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

DESINVESTIMENTO

Sinal verde: Petrobras (PETR4) confirma a venda de participação na Bacia do Espírito Santo — negócio pode chegar a US$ 75 milhões

Do valor total, US$ 3 milhões serão pagos na data de assinatura dos contratos, US$ 12 milhões no fechamento da transação e até US$ 60 milhões em pagamentos contingentes

FRUTOS DO CASAMENTO?

Dividendos: Localiza (RENT3) e Unidas (LCAM3) distribuirão R$ 135,6 milhões; datas de corte serão às vésperas de fusão

A Unidas é quem distribuirá a maior quantia, cerca de R$ 82,6 milhões, já a Localiza pagará R$ 53 milhões aos acionistas

MUDANÇA CABELUDA

Espaçolaser (ESPA3) anuncia troca de CEO após dia de alta de até 20% na B3

Paulo Morais, que é um dos fundadores da companhia, detém 10,04% das ações ESPA3 e seguirá como membro do conselho de administração

ELEIÇÕES 2022

Mesmo após turbulências no governo, distância entre Lula e Bolsonaro segue praticamente inalterada no primeiro turno, mostra Datafolha

De acordo com levantamento, o petista tem 19 pontos de vantagem sobre o atual presidente — diferença equivalente à sondagem feita entre 25 e 26 de maio

Político volta a pesar no Ibovespa, Binance suspende saques e Inter tomba na estreia; confira os destaques do dia

Se nos primeiros meses do ano o cenário político foi mero figurante nas discussões do mercado financeiro, Brasília agora é protagonista absoluta e não houve um dia nas últimas semanas que os investidores locais tenham conseguido desviar dos acontecimentos na capital federal.  A crise na Petrobras (PETR4), que ainda aguarda um desfecho, é apenas um […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies