Menu
2019-04-04T14:49:34-03:00
Estadão Conteúdo
Após crise no governo

Presidente do PSL nega que pode deixar partido e não comenta sobre Bebianno

Luciano Bivar disse que não foi incentivado a sair da legenda após a última crise envolvendo o Palácio do Planalto e de denúncias sobre supostas candidaturas laranjas pelo PSL em seu Estado

20 de fevereiro de 2019
11:21 - atualizado às 14:49
Luciano Bivar, presidente do PSL
Luciano Bivar, presidente do PSL - Imagem: Reprodução

O presidente nacional do PSL, Luciano Bivar (PE), negou que esteja avaliando deixar o partido ou que tenha sido incentivado a sair da legenda após a última crise envolvendo o Palácio do Planalto e de denúncias sobre supostas candidaturas laranjas pelo PSL em seu Estado. “Não penso em deixar o partido”, disse Bivar a jornalistas.

Ele negou também que este tema tenha sido tratado com o Bolsonaro em encontro realizado na manhã de ontem.

“Estamos vivendo em um estado de direito onde as instituições partidárias estão funcionando perfeitamente. Acho que o partido está muito bem, está muito unido. Você veja na votação de ontem, a distorção, por incrível que pareça, foi um voto errado meu”, disse. “Estamos em mar tranquilo”, completou.

Na sessão realizada ontem, Bivar deu apoio ao pedido de urgência para votar o projeto que derrubou decreto do vice-presidente Hamilton Mourão sobre classificação de documentos ultrassecretos do governo.

Além dele, outro parlamentar do PSL - o deputado Coronel Tadeu (SP) - foi contra a orientação do Palácio do Planalto. Mais cedo, o deputado havia se reunido com o próprio Bolsonaro, no Planalto. Saiu do encontro dizendo que teve um “almoço cordial”. Bivar disse que votou errado.

Há dúvidas sobre a capacidade de Bolsonaro formar uma base no Congresso, principalmente dentro do seu próprio partido, para conseguir os 308 votos necessários para aprovação da reforma da Previdência.

“Eu acredito que o governo vai conseguir (308 votos), porque não é um problema do governo, é um problema do País”, disse Bivar.

Em relação à divergência interna do PSL sobre a votação de ontem ele disse ainda que “são projetos pequenos que não têm nada a ver com a reforma da Previdência”. Ele bateu na tecla de que a legenda não está rachada e que há muita unidade na bancada.

Ele defendeu ainda o ministro do Turismo, Marcelo Àlvaro Antônio (PSL-MG), que é deputado eleito da bancada e também está envolvido em denúncias sobre supostas candidaturas laranjas.

“O ministro do Turismo é um cara corretíssimo e o Jair deve muito ao esforço dele”, disse.

Em relação ao ex-ministro Gustavo Bebianno, Bivar desconversou e não quis comentar o assunto.

“Esse é um assunto do Planalto e um direito de um presidente de nomear ou destituir um ministro. Isso não cabe ao parlamento discutir esse assunto”, disse.

Bivar participou da entrega do texto da reforma da Previdência no gabinete de Rodrigo Maia. Ele disse que o ministro da Economia, Paulo Guedes, fez uma pequena explanação sobre o projeto. “Estamos todos imbuídos de atender o Brasil nas reformas necessárias”, disse. “Militares estão dentro da reforma, eles vão contribuir também. Acredito que do jeito que está em 90 dias esse projeto já pode estar na pauta para promulgação”.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

CRIPTOMOEDA

Bitcoin ultrapassa US$ 60 mil antes de abertura de capital da Coinbase Global

Criptomoeda teve alta de 4,87%, a quatro dias de IPO da maior corretora de moedas digitais dos EUA

pandemia

Mortes por Covid-19 cresceram 468% no Brasil entre janeiro e março, alerta Fiocruz

Para os novos casos, o aumento foi de 701%; Sul e Centro-Oeste tendem a cenário mais crítico nas próximas semanas.

IPCA DE MARÇO

Inflação vai a 0,93% e mercado vê risco de estourar meta

Taxa acumulada passou a 6,10% no mês passado, reforçando temor de que inflação oficial termine o ano acima do teto da meta, de 5,25%.

congresso X executivo

Orçamento tem guerra de pareceres

Câmara e Senado se armaram com notas técnicas para mostrar que o presidente Jair Bolsonaro pode sancionar o Orçamento sem vetos a emendas; Ministério da Economia já prepara próprio embasamento jurídico.

Aura e Aeris: veja o que dizem os CEOs das novatas da bolsa e outras notícias que bombaram na semana no Seu Dinheiro

Novidade na praça sempre causa burburinho. Na bolsa não é diferente. É bem verdade que as opiniões divergem:Lindas!Não são lá tudo isso…Não sei, nunca ouvi falarA bolsa brasileira recebeu 43 novas integrantes em 2020 e 2021. E a fila para entrar continua a aumentar. Para você, amigo leitor, isso é excelente. São mais ações na […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies