Menu
2019-10-15T11:04:36-03:00
Dúvidas, dúvidas, dúvidas...

Cena política puxa incerteza na economia

Para Fernando Veloso, do Ibre/FGV, as turbulências políticas alimentadas pelo próprio governo e pelo presidente Bolsonaro têm efeito adicional sobre a incerteza na economia.

15 de outubro de 2019
10:27 - atualizado às 11:04
29/08/2019 Cafe? da Manha? com Deputado Jose? Medeiros (PODE-
Ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente Jair Bolsonaro. - Imagem: Marcos Corrêa/PR

Desde o fim da recessão, a partir de janeiro de 2017, em apenas 10 dos 33 meses do período, o Indicador de Incerteza da Economia (IIE-Br), calculado pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV), ficou abaixo do nível de 110 pontos, nível acima do qual a incerteza é considerada elevada. Com o fim do período recessivo, era de se esperar uma redução na incerteza, mas as turbulências políticas vêm impedindo essa acomodação, mostra uma desagregação inédita do IIE-Br, obtida pelo jornal 'O Estado de S. Paulo'.

Segundo Fernando Veloso, pesquisador do Ibre/FGV, quando atingiu seu pico, em setembro de 2015 (136,8 pontos), tanto incertezas relacionadas à crise fiscal quanto as associadas a turbulências políticas estavam elevadas no IIE-Br. A partir do fim de 2016, as preocupações com a crise fiscal tiveram um alívio, mas as turbulências políticas seguiram no radar, mesmo após a eleição e a posse do presidente Jair Bolsonaro.

"Tem alguma evidência de que a incerteza fiscal, com a aprovação do teto de gastos (em 2016), e o avanço da Previdência (neste ano) diminuíram, mas está muito alta ainda. Agora, a incerteza de natureza política, subiu e, apesar de altos e baixos, tem se mantido num nível muito alto. Se fosse só o fator fiscal, era para a incerteza ter caído um pouco, mas a política não deixa", afirmou Veloso.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Para sustentar essa avaliação, os pesquisadores do Ibre/FGV desagregaram em dois o IIE-Br Mídia, o subíndice que mede menções a expressões associadas à incerteza em notícias publicadas na imprensa.

Sinais dúbios

Um dos desagregados mede as menções referentes a incertezas políticas; o outro, referências a incertezas fiscais. No acumulado de janeiro de 2017 a agosto deste ano, o agregado das incertezas políticas caiu apenas 0,2% (para 121,6 pontos), enquanto o agregado das incertezas fiscais encolheu em 5,9% (para 115,2 pontos). No acumulado de 2019 até agosto, o primeiro agregado acumula alta de 10%, enquanto o subíndice da incerteza fiscal avança 2,2%.

A incerteza política já tinha subido nas eleições de outubro do ano passado, lembrou Veloso. "Na época das eleições houve uma grande polarização. Dependendo de quem ganhasse as eleições, políticas seriam radicalmente diferentes", afirmou o pesquisador.

A questão é que o quadro não melhorou com a eleição de Bolsonaro, conforme os dados desagregados do IIE-Br. "Mesmo agora, apesar de todo o comprometimento do (ministro da Economia) Paulo Guedes e da equipe dele com reformas liberalizantes, vemos sinais dúbios, não dele, mas de Bolsonaro e de outras áreas do governo", disse Veloso.

O estilo do presidente, que usa as redes sociais para se comunicar diretamente com os seus apoiadores e dá declarações polêmicas com frequência, também contribui para elevar a incerteza política. "É da natureza de Bolsonaro fazer isso. O estilo político dele é esse. Pode ser até conveniente para o perfil político dele, mas, para a economia, contribui para que a incerteza fique elevada", afirmou Veloso, lembrando que algo semelhante ocorreu nos Estados Unidos. "A incerteza americana aumentou muito com o (presidente Donald) Trump, com o uso do Twitter, as declarações, as idas e vindas na disputa comercial com a China."

Para Veloso, as turbulências políticas alimentadas pelo próprio governo e pelo presidente Bolsonaro têm efeito adicional sobre a incerteza na economia.

*As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Rompimento da barragem

Um ano após Brumadinho, alta cúpula da Vale tenta se defender de acusações

Foi dentro de um jato particular da Vale, durante a viagem de volta ao Brasil, depois de participar do Fórum Econômico de Davos, na Suíça, que Fabio Schvartsman, então presidente da mineradora, recebeu a notícia do rompimento da barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG). Um ano após a tragédia de 25 de janeiro, […]

Fórum Econômico Mundial

Guedes, Doria e Huck sobem a montanha mágica de Davos — mas com intenções distintas

O ministro da Economia, Paulo Guedes; o governador de São Paulo, João Doria; e o apresentador de TV Luciano Huck brigam pelo protagonismo na edição deste ano do Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça

Seu mentor de investimentos

Estamos diante de um novo ciclo de alta das commodities?

No passado, dois bull markets de commodities deram enorme força à economia do Brasil. E, para o Ivan Sant’Anna, um novo ciclo de alta desses produtos está se desenhando no horizonte — o que abre enormes possibilidades de investimento

Parceiros

Brasil fecha acordo de cooperação técnica com a Alemanha na agricultura

A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, assinou um acordo de cooperação com a Alemanha para o desenvolvimento do setor — a parceria durará, ao menos, três anos

APOSENTE-SE AOS 40 OU O QUANTO ANTES

3 Erros que vão ATRASAR sua aposentadoria

Aproveitando o clima de começo de ano, em que listas e regras para alcançar objetivos se proliferam mais rápido que o mosquito da dengue, decidi dar a minha contribuição numa lista diferente.

Enxugando

Bancos públicos devem acelerar vendas de ativos em 2020

Juntos, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e BNDES devem vender, só no primeiro semestre de 2020, mais de R$ 60 bilhões em ativos

Obras a todo vapor

A economia brasileira segue patinando, mas o setor de construção dá sinais de força

O segmento de construção continua aquecido, com a retomada nos lançamentos e um crescimento no volume de vendas. E as prévias operacionais da Helbor, Direcional e MRV dão suporte ao otimismo do mercado

Aval do presidente

Bolsonaro aprova fundo eleitoral de R$ 2 bilhões em orçamento para 2020

O presidente Jair Bolsonaro aprovou a inclusão do fundo eleitoral no Orçamento do governo de 2020 — um mecanismo que prevê gastos de R$ 2 bilhões para as campanhas das eleições municipais

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

MAIS LIDAS: Bolha? Que bolha?

A matéria que discute uma suposta bolha nos fundos imobiliários foi a mais lida desta semana. Oi, aposentadoria e bolsa também estiveram entre os assuntos de destaque

Em busca de investidores

Guedes vai a Davos para ‘vender’ o Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, será a principal autoridade brasileira no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements