Menu
2019-09-04T09:34:37-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
economia patinando

‘Brasil sofre de doença industrial grave’, diz economista David Kupfer

Para especialista, há uma crise de demanda, com característica mais conjuntural – porque ela decorre da economia em geral e da política econômica

4 de setembro de 2019
9:34
David Kupfer
Brasil, Rio de Janeiro, RJ. 15/06/2007. David Kupfer, economista e professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), posa para fotografia no Campus da UFRJ, em Praia Vermelha, zona sul da capital fluminense. - Imagem: TASSO MARCELO/ESTADÃO CONTEÚDO/AE

Isoladamente, a queda de 0,3% da produção da indústria em julho ante junho faz parte de uma volatilidade mensal associada às perdas durante a recessão, mas o fato de o nível atual da atividade estar no mesmo nível de 2009 mostra que a economia tem uma “doença industrial muito grave”.

A avaliação é do economista David Kupfer, professor do Instituto de Economia (IE) da UFRJ, especializado em economia industrial.

A seguir, os principais trechos da entrevista.

A queda da produção industrial interrompe o sinal um pouco mais positivo do PIB do 2º trimestre, que teve avanço da indústria?

O dado mensal tem oscilações que são usuais. Não acho que um dado de um mês vir alto ou baixo possa trazer indicações para meses seguintes. O que os dados mostram é que existe uma doença industrial no Brasil muito grave, que não foi descoberta por causa desses últimos dados, mas que se observa pela regularidade no desempenho muito fraco ao longo de tanto tempo. Retomamos o nível de produção de um ano de profunda crise, que foi o início de 2009.

O que explica essa ‘doença’?

Sabemos que é uma crise que conjuga os dois lados do problema. É uma crise de demanda, primariamente, associada a uma crise de custos (elevados) e (de) competitividade muito baixa da indústria.

Em qual lado do problema está o principal entrave?

A crise de demanda tem uma característica mais conjuntural, porque ela decorre da economia em geral e da política econômica. No meu modo de ver, a política econômica é o principal gerador dessa crise de demanda. E a crise de oferta, que é a questão da perda crescente e contínua da capacidade de competir da indústria, reflete problemas estruturais.

Quais os principais motivos para essa perda de competitividade?

Destaco, em primeiro lugar, o nível insuficiente do investimento. O investimento sendo muito contraído limita o processo de modernização. É um problema de acúmulo de atraso tecnológico. Esse problema do investimento ainda se reflete na infraestrutura, que é um gerador de custos muito importante para a indústria. Depois, temos problemas antigos, permanentes, ligados ao chamado custo Brasil, como a questão tributária e das regulamentações, que sempre existiram. É claro que é um problema, mas não é a novidade.

Qual o principal risco para a indústria daqui para a frente?

O que pode agravar o quadro é a manutenção desse padrão de estagnação da atividade industrial por mais tempo ainda. Os efeitos cumulativos dessa anemia industrial vão matar o doente. A indústria vai morrer. E depois vai ser muito difícil reconstituir o tecido industrial, que ainda é relativamente grande no Brasil.

*Com informações do jornal O Estado de S. Paulo e Estadão Conteúdo. 

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Deu ruim

Ações da Cia Hering desabam às mínimas em sete meses após decepção com os dados operacionais

O resultado operacional da Cia Hering no quarto trimestre de 2019 foi considerado fraco pelo mercado, com queda na receita bruta e nas vendas mesmas lojas. Com isso, as ações despencam mais de 10% nesta terça-feira

Mudanças na companhia

Embraer realiza segregação de negócio de avião comercial neste mês

Negócio permanecerá integralmente na companhia até a obtenção de todas as aprovações para a parceria estratégica entre Embraer e Boeing

tendências

Monitor do PIB da FGV aponta alta de 0,3% em novembro ante outubro

Monitor do PIB antecipa a tendência do principal índice da economia a partir das mesmas fontes de dados e metodologia empregadas pelo IBGE

"Buy and hold"

BTG Pactual recomenda ação de empresa para “comprar e manter”

Para os analistas do BTG, a empresa tem um “combo vencedor” que inclui altos dividendos, melhores retornos e boas perspectivas de crescimento

em davos

EUA podem tarifar Itália e Reino Unido por causa de imposto digital, diz secretário

Steven Mnuchin afirmou ainda que os EUA não planejam tarifar carros da União Europeia (UE) como forma de forçar o bloco a impor sanções ao Irã

mudanças à vista

Cosan anuncia mudanças e presidente da Raízen assume presidência do grupo

As mudanças começam a valer no dia 1º de abril. Por volta das 10h40, os papeís da Cosan caíam 0,77%, cotados a R$ 78,95.

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta terça-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

A MUDANÇA QUE VOCÊ PRECISA NA SUA VIDA

Ligue o ‘F…’ e dê adeus ao seu chefe

Se você ficou preocupado com a Reforma da Previdência ou se está de saco cheio do seu trabalho, talvez se interesse pelo FIRE (Financial Independence, Retire Early).  É um movimento fundado por pessoas comuns, gente como a gente, que desejam atingir independência financeira o mais rápido possível. A meta é aposentar-se até os 40 anos. […]

em davos

‘O grande inimigo do meio ambiente é a pobreza’, afirma Guedes em Davos

Em Davos, ministro disse que o mundo precisa de mais comida e que é preciso usar defensivos para que seja possível produzir mais

Tensão global

Ibovespa abre em queda, em meio à apreensão com vírus na China; dólar tem dia volátil

O medo quanto a um surto de pneumonia provocado pela nova variação do coronavírus que surgiu na China aumenta a aversão ao risco nos mercados, derrubando o Ibovespa e levando o dólar à R$ 4,20

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements