Menu
2019-06-07T18:49:06-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
sem tempo para 'reforminha'

Guedes pode deixar o cargo se não houver apoio à Nova Previdência: ‘se não fizermos a reforma, o Brasil pega fogo’

Em entrevista à revista Veja, Guedes disse que se houver uma mudança radical na proposta ele renunciará ao cargo e que é preciso aprovar uma reforma que garanta uma economia mínima de R$ 800 bilhões

24 de maio de 2019
9:35 - atualizado às 18:49
O ministro da Economia, Paulo Guedes privatizações
Imagem: José Cruz/Agência Brasil

O ministro da economia Paulo Guedes parece confiante em uma aprovação da reforma da Previdência nos próximos 90 dias, mas a ideia de um texto desidratado, com mudanças profundas na proposta original não está nos planos do ministro e pode decidir o seu destino no governo

Em entrevista à revista "Veja", Guedes disse que se houver uma mudança radical na proposta ele pode renunciar ao cargo. O ministro garante que Bolsonaro está completamente empenhado em aprovar a proposta da forma como foi enviada ao Congresso, mas que se sentir que está sozinho na defesa do texto e que a "mídia está a fim só de bagunçar" é hora de sair do governo. “Pego um avião e vou morar lá fora", disse à revista.

"Eu não sou irresponsável. Eu não sou inconsequente. Ah, não aprovou a reforma, vou embora no dia seguinte. Não existe isso. Agora, posso perfeitamente dizer assim: ‘Olha, já fiz o que tinha de ter sido feito. Não estou com vontade de ficar, vou dar uns meses, justamente para não criar problemas, mas não dá para permanecer no cargo’".

Além disso, Guedes também destacou que uma 'reforminha', com economia menor que R$ 800 bilhões (contra o R$1,2 trilhão pretendido pela equipe econômica), não resolveria os problemas da Previdência e só remendaria a situação atual, anunciando um caos que poderia chegar já em 2020.

Paulo Guedes ainda comentou a situação atual da Previdência, que tem um déficit que cresce R$ 40 bilhões ao ano. O cenário assusta os mercados e os investidores a sair do país. "Se não fizermos a reforma, o Brasil pega fogo. A velha Previdência quebrou. Não vamos ter nem dinheiro para pagar aos funcionários. Vai ser o caos no setor público, tanto no governo federal como nos estados e municípios", avisa.

Em um diagnóstico de curto prazo, o ministro da Economia prevê: o Brasil pode enfrentar problemas semelhantes ao de seus vizinho sul-americanos. "Podemos virar uma Argentina, com 30% a 40% de inflação. A médio prazo, antes de o governo acabar, uma Venezuela, com desabastecimento, inflação alta, dólar explodindo, zero investimento, desemprego elevado, atraso de salário, atraso de pagamentos a aposentados e pensionistas.”

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Interrompendo o casamento

Movida reforça pedido do Cade para barrar união entre Unidas e Localiza

De acordo com a companhia, isso geraria uma concorrência desleal no setor, com a nova empresa tendo 65% do mercado brasileiro de aluguel e 29% do mercado de frotas

vai mexer

Após polêmica com demissão de Castello Branco, governo indica nomes para o conselho da Petrobras

Cinco membros do colegiado pediram para não serem reconduzidos após interferência de Bolsonaro no comando da estatal

MERCADOS HOJE

Ibovespa opera em queda firme com piora da pandemia no país; dólar vai a R$ 5,70

Os mercados internacionais têm mais um dia de cautela, acompanhando uma nova alta do retorno dos títulos públicos americanos. No Brasil, o cenário da pandemia preocupa

Exile on Wall Street

Sem flores por hoje

Interrompemos nossa programação para uma verdade necessária: temos pouco a comemorar neste Dia Internacional da Mulher. Confesso que nunca aceitei bem a ideia de homenagem embutida nesta data. Sinto que temos tanto a conquistar e estamos tão atrasadas nessa agenda que, para mim, o 8 de março é menos sobre flores e mais sobre dar […]

ouça de graça

Tela Azul #22: A vida difícil dos PJs, Startups e o Venture Capital no Brasil

Na edição desta semana do Tela Azul, recebemos o Rodrigo Tognini, CEO do Conta Simples, uma startup brasileira que une serviços bancários para PJ, com ferramentas que facilitam a gestão financeiras das empresas.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies