Menu
2019-10-07T18:24:01-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
de olho nas teles

Ações da Oi caem 1% com possível negociação com Telefônica, Tim e Claro

Em setembro passado, agências já havia informado que a Telefônica havia manifestado interesse em comprar especificamente as redes móveis da tele – o que foi negado à época pelas companhias

7 de outubro de 2019
10:54 - atualizado às 18:24
oi orelhão
Imagem: Divulgação Oi

As ações da Oi fecharam em queda no pregão desta segunda-feira (7) após o jornal espanhol Expansion afirmar que a Telefônica negocia um acordo com a Telecom Itália (dona da Tim) e a América Móvil (dona da Claro) para comprar os ativos da tele em recuperação judicial.

Os papéis ordinários da companhia (OIBR3) eram negociados a R$ 0,94, numa queda de 1,05%. Acompanhe nossa cobertura de mercados.

Em setembro passado, agências de notícias informaram que a Telefônica havia manifestado interesse em comprar especificamente as redes móveis da Oi, que abrangem as tecnologias 3G e 4G - e não nas redes fixas, voltadas para banda larga e TV por assinatura.

O presidente da Telefônica Brasil, Christian Gebara, então, negou que a empresa houvesse aberto tratativas oficiais com a Oi. "No mercado de telecomunicações, precisamos entender tudo que está acontecendo e podemos, eventualmente, considerar qualquer empresa. Nesse caso específico, o rumor é infundado. Não há qualquer conversa", disse ao jornal Estadão.

A própria Oi também negou as conversas oficiais com a Telefônica.

Oi de olho no Congresso

Também em setembro, o Senado aprovou o projeto que atualiza o marco legal das telecomunicações no País. O texto beneficia a Oi. A avaliação é que o encaminhamento do novo marco legal tende a desencadear diferentes ondas de investimentos no setor.

À época, em relatório divulgado a clientes, os analistas do BTG disseram que a nova legislação era um gatilho importante para a Oi. "Acreditamos numa economia na ordem de R$ 1 bilhão com despesas regulatórias da companhia".

Outro ponto importante ressaltado pelos analistas é de que o marco regulatório pode aumentar também as chances de fusões e aquisições.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

APRENDENDO COM O PROFESSOR BESSEMBINDER

O clube dos 900%: o que você pode aprender com os maiores casos de geração de riqueza da Bolsa americana

Empresas quebrando são mais frequentes que empresas dominando o mundo em algumas décadas. Mas poucos acertos podem rechear a sua carteira e garantir sua aposentadoria precoce.

Entrevista

‘Desemprego alto e déficit público nos deixam cautelosos’, diz presidente da Whirlpool

CEO da fabricante das marcas Consul e Brastemp diz estar cauteloso para investir em produção e em relação à sustentabilidade da demanda, por conta de desemprego e da situação fiscal

Mercadores da noite

Bolsa, dólar e juros subindo: qual dos três está mentindo?

Quando a Bolsa, o dólar e as taxas de juros estão subindo ao mesmo tempo, um dos três está mentindo – qual deles será e o que fazer?

Infraestrutura

Novo marco legal para ferrovias vai a votação no Senado na próxima semana

Legislação promete organizar regras do setor e permitir novos formatos para a atração de investimentos privados

Telecomunicações

Operadoras cobram transparência do governo na definição da tecnologia 5G

Teles se dizem preocupadas com as “incertezas” relativas ao processo, depois de governo sinalizar banimento da chinesa Huawei

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies