🔴 ESTA CRIPTOMOEDA DISPAROU 4.200% EM 2 DIAS – VEJA SE VALE INVESTIR

Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Vem novidade por aí?

Ações da Natura disparam 10% com sinais de avanço na negociação com a Avon

Uma transação envolvendo o braço da Avon na América do Norte animou o mercado e fez os papéis da Natura liderarem os ganhos do Ibovespa nesta quinta-feira

Victor Aguiar
Victor Aguiar
25 de abril de 2019
15:09 - atualizado às 10:33
Fachada de uma loja da Natura
Ações da Natura chegaram a subir mais de 11% na máxima do dia - Imagem: Divulgação

Notícias envolvendo as operações da Avon no exterior concentraram as atenções do mercado nesta quinta-feira (25) — e, como resultado, as ações ON da Natura dispararam, fechando em alta de 10,05%, a R$ 49,28. Trata-se da velha máxima: onde há fumaça, há fogo.

Caso você não se lembre, a Natura confirmou, no mês passado, que estava discutindo a compra da Avon Products. Na ocasião, o Wall Street Journal afirmou que um dos cenários na mesa envolveria a aquisição tanto das operações globais quanto o braço da Avon na América do Norte, que é uma companhia privada e separada.

Pois bem: durante a madrugada, a Avon Products e o fundo de investimento Cerberus Capital Management acertaram a venda da divisão da empresa na América do Norte para a coreana LG Household & Healthcare, por US$ 125 milhões.

Mas ora essas, a venda desse ativo não representa uma derrota para as pretensões da Natura? Não exatamente.

Eu conversei com um gestor de um fundo paulista nesta manhã, e ele me explicou alguns pormenores envolvendo as negociações. Segundo ele, a venda das operações na América do Norte facilita as negociações entre as partes, já que o grande interesse da Natura seria a Avon na América Latina.

"A Avon Europa deve ser resolvida depois, mas o cenário como um todo melhorou", diz o gestor, que prefere não ser identificado.

Futuro

Logo após a empresa brasileira confirmar as negociações com a Avon, a agência de classificação de risco S&P colocou o rating da companhia em observação para um potencial rebaixamento, citando preocupações quanto aos indicadores de crédito da Natura.

Assim, sem as operações da América do Norte no pacote, a eventual compra da Avon pela Natura envolveria um montante menor, reduzindo os receios quanto ao nível de endividamento da companhia brasileira.

Vale ressaltar que a Natura comprou a rede britânica The Body Shop em 2017, por cerca de 1 bilhão de euros. A eventual compra do braço norte-americano da Avon também era motivo de preocupação por causa de uma possível sobreposição de lojas nos Estados Unidos: ao todo, a Body Shop tem 112 unidades nos EUA.

Procurada pelo Seu Dinheiro, a Natura disse em nota que não iria comentar a transação de hoje. "Como já informado ao mercado, estamos em discussões com a Avon Products Inc., a empresa de capital aberto com operações fora da América do Norte”, diz a empresa, em breve comentário enviado por e-mail.

De qualquer jeito, o mercado mostra otimismo quanto ao futuro da empresa e a possível aquisição da Avon: na máxima do dia, as ações chegaram a subir 11,66%, tocando o patamar de R$ 50,00.

Compartilhe

ATENÇÃO, INVESTIDOR

Dividendos: Banco do Brasil (BBAS3) anuncia R$ 1,1 bilhão em JCP — em proventos antecipados do 2T24

24 de maio de 2024 - 18:52

Para ter direito à remuneração, é necessário possuir ações do BB até o fim do pregão de 23 de junho

TRAGAM A COROA

Tchau, Itaú (ITUB4): Nubank (ROXO34) se torna o banco mais valioso da América Latina pela primeira vez em dois anos

24 de maio de 2024 - 17:24

Atualmente, o banco digital é avaliado em US$ 56,19 bilhões, equivalente a R$ 290,52 bilhões nas cotações atuais

DONA DO CHATGPT

De demissões a polêmicas em Hollywood: por que a gestão de Sam Altman à frente da OpenAI vem sendo alvo de críticas

24 de maio de 2024 - 16:24

Desde que recuperou o trono de CEO em novembro, Sam Altman viu a empresa que fundou adentrar uma nova onda de intrigas — incluindo uma controvérsia com a atriz Scarlett Johansson e acordos altamente restritivos com antigos funcionários

APERTO DE MÃOS

Azul (AZUL4) e Gol (GOLL4) anunciam acordo de cooperação para ‘mesclar’ malhas aéreas em meio a rumores de fusão das empresas

24 de maio de 2024 - 8:34

Entre as novas rotas compartilhadas, os clientes terão à disposição também oportunidades mais convenientes de conexão

UMA BATALHA DE GIGANTES

Mercado Livre quer se tornar maior banco digital do México — mas expansão do Nubank pode atrapalhar os planos

23 de maio de 2024 - 20:04

O banco do cartão roxo liderou a adição de usuários ativos mensais (MAU) no país, de acordo com relatório do Bank of America

UM AUXÍLIO PARA A DANÇA DAS CADEIRAS

Vale (VALE3) contrata consultoria internacional para seleção de novo CEO e dá mais um passo no processo de sucessão do comando

23 de maio de 2024 - 19:22

A escolhida para assessorar o conselho de administração na busca foi a Russell Reynolds, que entregará uma lista de três possíveis nomes para o cargo ao CA

Mais uma espera

Americanas (AMER3) adia novamente a divulgação dos balanços de 2023 e do primeiro trimestre de 2024

23 de maio de 2024 - 19:13

Previsão da empresa era divulgar seus números em 28 de maio, mas investigação de comitê independente ainda não terminou

NOVAS ESTRUTURAS?

Sanepar (SAPR11) estuda criar holding e outras empresas para segregar negócios; entenda

23 de maio de 2024 - 18:46

O levantamento será elaborado pela Fundação Instituto de Administração (FIA), que terá um prazo de 240 dias para concluir os trabalhos

CHUVA DE PROVENTOS?

Petrobras (PETR4) é a segunda empresa que mais pagou dividendos no 1T24 apesar da polêmica com governo; saiba quem foi a campeã

23 de maio de 2024 - 16:15

Entre janeiro e março deste ano, a estatal depositou um total de US$ 2,03 bilhões em remuneração aos acionistas; veja a lista completa

PAPEL FICOU BARATO?

XP quer recomprar até R$ 1 bilhão em ações após papéis despencarem 14% com o balanço do 1T24

23 de maio de 2024 - 13:28

O conselho de administração da companhia aprovou um programa de recompra de ações de papéis classe A no mercado norte-americano

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar