Menu
Julia Wiltgen
O melhor do Seu Dinheiro
Julia Wiltgen
2019-05-03T10:13:43-03:00
Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

Versão brasileira: Magalu

3 de maio de 2019
10:13
O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

Em matéria de entretenimento, tem algumas coisas que o Brasil faz muito bem, como grandes eventos em espaços públicos, novelas e, é claro, dublagem.

As versões brasileiras Herbert Richers, Álamo e de outros tantos estúdios aproximam os brasileiros dos quatro cantos do país de produções cinematográficas e televisivas internacionais, a ponto de muitos dubladores terem se tornado queridinhos do público.

Entre os fãs de animação japonesa, por exemplo, algumas adaptações para o português são tão bem feitas e clássicas que os atores de dublagem de personagens famosos se tornaram ídolos.

No mundo empresarial, também tem um setor em que os players brasileiros mandam muito bem: o varejo. E neste setor em especial, tem uma companhia do barulho que vem aprontando altas “confusões”, chamada Magazine Luiza.

Depois de sair do buraco, se transformar em um case de sucesso, disparar na bolsa e, mais recentemente, comprar a Netshoes a preço de banana, a Magalu vem ostentando o predicado de “Amazon brasileira”.

Mas será que a compra da Netshoes foi uma sacada tão boa assim? E que a “versão brasileira” da Amazon vai se sair melhor que a original? Bem, a Amazon de verdade está vindo com tudo para o Brasil. E essa, nós bem sabemos, é uma turma da pesada!

Hoje em dia, com o acesso fácil às produções legendadas, muita gente passou a ter horror às versões brasileiras e a preferir o áudio original.

O Alexandre Mastrocinque, o Grande, fez uma análise dessa comparação entre Amazon e Magalu à luz da compra da Netshoes e contou qual ação ele mais gosta, se a da versão brasileira ou da original. Vale muito a pena conferir!

Termômetro do mercado de ações

Na próxima segunda-feira, entra em vigor a nova composição do Ibovespa, principal índice de ações da bolsa brasileira. O indicador passará a ter 66 ações, de 63 empresas. Mas você sabe o que isso significa? Sabe quais são as regras para uma empresa fazer parte da carteira? E entende por que a composição do índice muda toda hora? Eu explico tudo isso neste vídeo.

Capa do vídeo sobre por que o Ibovespa muda toda hora

#SegueoLíder

O Itaú divulgou ontem à noite o balanço do 1º trimestre e provou mais uma vez sua liderança no setor. Esqueça os R$ 6,8 bilhões de lucro líquido! O que de fato chama a atenção é a invejável rentabilidade no período, que rompeu a casa dos 23%. Mas o Vinícius Pinheiro mostra que nem tudo são flores para o bancão, como você pode conferir nesta matéria.

Ele voltou?

A Gol pode ter se metido em uma polêmica com os investidores depois de anunciar que voltará a fazer a rota São Paulo-Lima com o Boeing 737 MAX 8 em dezembro deste ano. Se você não está lembrado, esse é o mesmo modelo dos aviões da Boeing que caíram na Etiópia e na Indonésia, e cujos voos estão suspensos desde março. Saiba tudo sobre essa decisão da aérea brasileira e aproveite para ficar de olho nas ações hoje!

Caiu na malha fina?

Ao entregar a sua declaração do imposto de renda, você corre o risco de ser pego no procedimento de análise da Receita Federal, a temida malha fina, caso alguma informação contida na declaração não bata com as informações do banco de dados do Leão. Nesta matéria, a Jasmine Olga explica para você como regularizar sua situação.

A Bula do Mercado: olho no exterior

As discussões sobre a reforma da Previdência ficaram para a semana que vem e a semana chega ao fim com o cenário internacional fazendo a cabeça dos investidores.

Hoje é dia de payroll, o relatório oficial de emprego dos Estados Unidos, e o resultado deve ajudar a calibrar as apostas em relação a um corte de juros norte-americanos, mesmo após o Fed ter afastado a possibilidade na última quarta-feira. É hora de esperar para ver como irá se definir o atual fenômeno de inflação baixa, atividade econômica aquecida, liquidez abundante e melhora constante do mercado de trabalho do país.

Lá fora, os índices futuros das bolsas de Nova York estão em alta, influenciadas também pela temporada de balanços. Feriados deixaram fechadas as bolsas de Xangai e Tóquio. Na Europa, principais bolsas estão à deriva.

Ontem, o Ibovespa fechou o dia em queda de 0,86%, aos 95.527,62 pontos. O dólar à vista subiu 0,98%, a R$ 3,9596. Consulte a Bula do Mercado para saber o que esperar de bolsa e dólar hoje.

Um abraço e ótima sexta-feira!

Agenda

Indicadores
- IBGE divulga dados da produção industrial brasileira em março
- Estados Unidos divulgam dados de emprego em abril
- Markit divulga PMI dos Estados Unidos em abril
- Zona do euro publica dados sobre a inflação no bloco em abril

Mercados
- Bolsas da China e do Japão fechadas por feriado nacional

Balanços 1º trimestre
- No Brasil: Porto Seguro
- Lá fora: HSBC, Société Générale e Fiat Chrysler
- Teleconferências: Itaú, Klabin, Natura e IRB Brasil

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

pandemia

Governo vai comprar vacina desenvolvida na China, diz Mourão

Vice-presidente disse que polêmica em torno da vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan é “briga política” com Doria

DESTAQUE DO DIA

Suzano se descola do Ibovespa e sobe mais de 1% após resultados do 3º trimestre

Analistas destacam que Ebitda superou estimativas e elogiam fluxo de caixa livre e desalavancagem

sob pressão

Inflação e redução do auxílio emergencial já derrubam vendas nos supermercados

Em outubro, a prévia da inflação, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor-15 (IPCA-15) atingiu 0,94%. O resultado é mais que o dobro da inflação registrada em setembro e a maior alta para o mês em 25 anos

efeito pandemia

Setor público tem déficit primário de R$ 64,559 bi em setembro, diz BC

Em função da pandemia, cujos efeitos econômicos se intensificaram em março, o governo federal e os governos regionais passaram a enfrentar um cenário de forte retração das receitas e aumento dos gastos públicos.

AINDA RUIM

Taxa de desemprego atinge 14,4% no trimestre até agosto, a maior desde 2012

País registrou 13,794 milhões de desempregados no período, aumento de 8,5%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies