Menu
2019-04-04T14:10:09-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Câmbio

Estrangeiro compra US$ 8,2 bilhões em dólar futuro

Pregão de sexta-feira foi de forte ajuste de posições, com bancos vendendo quase US$ 12 bilhões. Fundos de investimento reduzem aposta na valorização do real

4 de fevereiro de 2019
10:21 - atualizado às 14:10
dólar cotação
Imagem: Shutterstock

Já tínhamos comentado aqui a acentuada movimentação de comprados, que ganham com a alta do dólar, e vendidos, que lucram com a queda no preço da moeda, no mercado futuro da B3 no último pregão de janeiro. Mas a movimentação na sexta-feira, dia 1º de fevereiro, foi ainda mais intensa.

No mercado de dólar futuro, o estrangeiro remontou a posição comprada que tinha caindo a apenas US$ 365 milhões no fim de janeiro, com a aquisição de US$ 8,167 bilhões em contratos de dólar.

Na ponta oposta, os bancos venderam US$ 11,858 bilhões em contratos, saindo de uma posição comprada de US$ 11 bilhões, para vendida em US$ 855 milhões. Algo que não se observava desde meados de novembro do ano passado.

Com movimentação menos expressiva, mas não menos importante, os fundos de investimento reduziram a posição vendida em US$ 3,5 bilhões, de US$ 12,5 bilhões, para 8,975 bilhões.

A avaliação de ganhadores e perdedores nesse mercado é sempre feita em tese, pois não sabemos a que preço as posições foram montadas e se esses agentes possuem exposição ao dólar no mercado à vista e de balcão.

É o comportamento desses agentes que determina a formação de preço do dólar, que testou a linha de R$ 3,65 por dois pregões seguidos e agora volta a apontar para cima, negociado na casa de R$ 3,68.

Exposição líquida

Além do dólar futuro outra forma de exposição é o cupom cambial (DDI, juro em dólar). Considerando esses contratos, temos que o estrangeiro comprou dólar futuro, mas vendeu cupom cambial (foram US$ 7,6 bilhões).

Assim, a exposição líquida não sofreu grande alteração, abrindo fevereiro comprada em US$ 33,614 bilhões, contra US$ 33 bilhões no fim de janeiro. Essa posição é composta por US$ 25 bilhões em cupom cambial mais US$ 8,532 bilhões em dólar futuro.

Os bancos, agora, têm uma exposição líquida vendida US$ 10 bilhões, vindo de apenas US$ 814 milhões no fechamento de janeiro. São US$ 9,2 bilhões em cupom cambial somados aos US$ 855 milhões em dólar futuro.

A maior redução líquida de posição foi dos fundos, saindo de US$ 34,357 bilhões em 31 de janeiro para US$ 25,559 bilhões no pregão do dia 1º de fevereiro. A posição vendida em cupom cambial foi reduzida em US$ 5,3 bilhões, para US$ 16,6 bilhões. Essa é a menor posição vendida líquida dos fundos desde o começo de dezembro.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Não tem para ninguém

CEO mais bem pago de 2020, Elon Musk recebeu US$ 11 bilhões mesmo sem salário fixo na Tesla

O executivo cumpriu metade das metas de seu pacote de remuneração e garantiu uma fatia bilionária de ações da montadora de carros elétricos

Fim de uma era?

Grupo Globo anuncia o fim da revista Época; publicação passará a circular como encarte de jornal

O site da publicação também será integrado ao do jornal em uma decisão que busca enfrentar a transição do conteúdo físico para o online

Explica direito isso aí...

Procon-SP cobra explicações de Gol, Azul, Latam e mais 7 aéreas sobre cancelamentos, remarcações e reembolsos na pandemia

As empresas têm até o dia 10 de maio para responderem questionamentos sobre sua política de comercialização de passagens no período

Melhorias no ar

Azul divulga projeções e aposta em recuperação total no início de 2022

A companhia aérea foi a única das Américas a aumentar seu caixa em 2020 e aposta em um Ebitda de cerca de R$ 4 bilhões no próximo ano

Podcast Tela Azul

CASH3: Conheça a Méliuz, sua estratégia de cashback e saiba por que esta ação tech está bombando

Em entrevista para o Podcast Tela Azul da Empiricus, Lucas Marques, COO da Méliuz, conta sobre a onda da estratégia de cashback e como ela funciona. É falado também do atual foco da companhia em Growth, e dos planos futuros. Entenda o que é o “jabutiCAC”, jargão que surgiu nesta edição.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies