Menu
2019-04-04T13:46:30-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Voltando para casa

Bolsonaro volta à realidade e decide sobre Previdência de militares

Expectativa é que presidente decida, ainda hoje, que modelo será adotado, enviando texto ao Congresso

20 de março de 2019
8:50 - atualizado às 13:46
Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro - Imagem: Shutterstock

Depois de sorrisos e satisfação com a recepção de Donald Trump, o presidente Jair Bolsonaro volta a Brasília e a realidade se impõe. O presidente deve bater o martelo sobre o modelo de reforma da previdência dos militares. A expectativa é que o texto chegue ao Congresso ainda nesta quarta-feira destravando o andamento da reforma da Previdência dos servidores públicos e civis.

O ponto que gera discussão é uma pretendida reestruturação de carreiras dos militares, que resultaria em gasto inicial de R$ 10 bilhões nos primeiros 10 anos, segundo cálculos preliminares. O secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, afirmou, por outro lado, que a proposta para os militares vai resultar em economia para os cofres públicos "ao longo e ao fim" do período desse período de anos.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, já tinha manifestado sua insatisfação com a eventual reestruturação de carreira, dizendo que a categoria está “querendo entrar nesta festa no finalzinho, quando já está amanhecendo, a música está acabando e não tem mais ninguém para dançar", em referência à falta de espaço fiscal para eventuais reajustes.

A ideia de reestruturar carreiras já tinha surgido como uma forma de tratar a peculiaridades da carreira durante a ativa e não quando os militares vão para a reserva. Vale notar, também, que no caso dos militares não se fala em “previdência”, mas sim em plano de “assistência”.

Nesta quarta-feira, Maia volta a mostrar “decepção” com a articulação política do governo com relação à reforma, segundo nos informa a “Folha de S.Paulo”. O presidente da Câmara é defensor da reforma, mas reclama da falta de "instrumentos" para costurar apoio na Casa.

A notícia pode ser vista como mais um pedido de ajuda tanto a Bolsonaro, como ao ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, que são os detentores desses ditos “instrumentos”, que são cargos e verbas.

Bolsonaro, no entanto, segue no impasse de quanto ceder, para não perder o discurso de que não vai compactuar com a “velha política” de “toma lá, dá cá”. Esse continua sendo um equilíbrio difícil e essencial na formação de uma base de apoio no Congresso.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Bilionário imunizado

Adivinha quem já foi vacinado? Bill Gates compartilha foto e diz como se sente após tomar 1ª dose

Fundador da Microsoft compartilhou foto do momento em que era vacinado e enalteceu o trabalho dos cientistas, voluntários e profissionais da saúde que trabalham no combate à pandemia

Início de cobertura

Após queda de 56%, XP revela o que espera das ações da dona da rede de restaurantes Frango Assado e Pizza Hut no Brasil

Os analistas da corretora iniciaram a cobertura das ações da IMC com recomendação neutra e preço-alvo de R$ 4,00, o que indica um potencial de alta de 8%

Private equity

Ações da gestora brasileira Pátria sobem 17% na estreia na Nasdaq após IPO de R$ 3,2 bilhões

A gestora brasileira estreou com um valor de mercado de mais de R$ 15 bilhões e mira mais crescimento, o que poderá envolver aquisições

Uma nova chance?

O que esperar da nova Lei de Falências, que entra em vigor hoje

A reforma na Lei de Falências deve facilitar a recuperação das empresas que ainda são viáveis e tornar mais célere e eficiente a liquidação daquelas que estão condenadas a desaparecer

Aposta na retomada

Goldman Sachs eleva o preço-alvo de ação de locadora de veículos e recomenda compra

Os analistas elevam o preço-alvo para as ações da Localiza (RENT3) de R$ 69,30 para R$ 73,20 e projetam lucro acima do consenso do mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies