Menu
2019-03-31T09:23:22-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Presidente em viagem

Bolsonaro diz em hebraico que ama Israel

Em cerimônia oficial em Tel Aviv ao lado do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, a quem chamou de irmão, presidente enfatizou que cooperação nas áreas de segurança e defesa interessa muito ao Brasil

31 de março de 2019
9:23
Presidente da República, Jair Bolsonaro
Presidente da República, Jair Bolsonaro - Imagem: Isac Nóbrega/PR/Fotos Públicas

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, destacou em Israel que o Brasil retornou o tratamento equilibrado às questões relacionadas ao Oriente Médio. Em cerimônia oficial em Tel Aviv ao lado do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, a quem chamou de irmão, enfatizou que cooperação nas áreas de segurança e defesa interessam muito ao Brasil.

"Pretendemos aproximar nossos povos, nossos militares, nossos estudantes, nossos cientistas, nossos empresários e nossos turistas", citou, após participar de honras militares, ouvir os hinos nacionais, fazer revista da guarda de honra e cumprimentar as delegações.

Na abertura e no final de seu discurso, que durou seis minutos, o presidente disse em hebraico, "eu amo Israel".

Bolsonaro salientou que se trata de uma visita a Israel em menos de 100 dias de seu governo - ele já esteve na Suíça, nos Estados Unidos e no Chile. Agradeceu a presença de Netanyahu na cerimônia de sua posse, em janeiro, pontuando que se tratou da primeira visita de um chefe de governo israelense ao país. Também voltou a agradecer a ajuda do primeiro-ministro na tragédia de Brumadinho, em Minas Gerais, no primeiro mês do ano. "Isso jamais será esquecido."

Bolsonaro comentou que o governo está firmemente decidido em fortalecer parceria entre Brasil e Israel, mas lembrou que os países se afastaram no passado. "Mas Deus sabe o que faz, e voltamos", disse, acrescentando que as duas nações prezam a democracia e que podem alcançar grandes feitos. No início de sua fala lembrou que seu nome também é Messias e recordou outras visitas que fez ao país, inclusive quando foi batizado no rio Jordão. "Foi uma emoção com compromisso, uma fé verdadeira, que me acompanhará pelo resto da vida", descreveu.

Ele relatou ainda que falou várias vezes durante a campanha que Israel não é tão rico como o Brasil em recursos naturais e "outras coisas". "Mas olha o que eles não têm e o que são. Olhe o que nós temos e o que não somos", comparou. O presidente também disse que dois milagres aconteceram com ele, um é estar vivo, após o esfaqueamento que sofreu, e a outra foi ser sido eleito. "Fui eleito presidente com um clima hostil a minha pessoa, mas eu tinha uma coisa que eles não tinham: o povo ao meu lado."

Após a cerimônia oficial, a comitiva brasileira se desloca para o hotel em Jerusalém. À tarde, Bolsonaro se reúne com Netanyahu. Há previsão de uma declaração conjunta às 19h15 (13h15 de Brasília). Antes disso, deverão ser assinados acordos entre os países.

Fazem parte da comitiva de Bolsonaro os ministros de Minas e Energia, Bento Albuquerque; de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes; de Relações Exteriores, Ernesto Araújo e do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, além do chefe do Estado Maior das Forças Armadas, Brigadeiro Raul Botelho; o secretário de Agricultura e Pesca, Jorge Seif Junior; os senadores Flávio Bolsonaro (PSL-SP), Soraya Thronicke (PSL-MS) e Chico Rodrigues (DEM-RR) e a deputada Bia Kicis (PSL-DF).

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Retirada histórica

Saques líquidos da poupança somam R$ 5,832 bi em fevereiro, revela BC

Este é o maior volume de retiradas para meses de fevereiro desde 2016, quando as saídas somaram R$ 6,638 bilhões.

Justificativa?

Carga tributária é ‘enorme e escorchante’ e Guedes busca solução, diz Bolsonaro

Bolsonaro disse também que “herdou um país com uma dívida enorme”.

Tentando arrumar a casa

Em meio a turbulência no mercado de títulos, Powell diz que Fed não deixará inflação disparar

“Os EUA têm tido inflação baixa por décadas”, frisou.

Insights Assimétricos

Você sabe o que é financial deepening?

Para entender como o termo se aplica ao Brasil, confira o que o Matheus Spiess preparou para você.

não funciona sempre

Após frustração com “sonho grande”, Lemann deixa conselho da Kraft Heinz

Bilionário decide não buscar reeleição na companhia de alimentos, que perdeu metade do valor de mercado desde fundação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies