Menu
2019-04-04T11:51:48-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Reação

O efeito colateral da mudança de embaixada em Israel

Quinto destino das exportações brasileiras, os países árabes ensaiam também sua entrada no financiamento a investimentos em infraestrutura do País

3 de novembro de 2018
17:51 - atualizado às 11:51
Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel
Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel - Imagem: Alexandros Michailidis/Shutterstock

A mudança da embaixada brasileira em Israel de Tel-Aviv para Jerusalém, confirmada pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), pode interromper uma trajetória de crescimento da parceria entre Brasil e países árabes, destaca o jornal O Estado de S. Paulo. A afirmação é do presidente da Câmara de Comércio Árabe-Brasileira, Rubens Hannun.

Quinto destino das exportações brasileiras, os países árabes ensaiam também sua entrada no financiamento a investimentos em infraestrutura do País. Produtores de petróleo, eles concentram 40% dos recursos de todos os fundos soberanos do mundo.

"Existe o risco de uma interrupção, mas ele não está claro", disse Hannun ao jornal. No ano passado, as exportações brasileiras para o conjunto dos países árabes somaram US$ 13,6 bilhões. Neste ano, as vendas estão 15% abaixo do registrado em 2017, nos valores acumulados até junho. Mas a projeção é que o volume de vendas chegue a US$ 20 bilhões em 2022.

O Brasil tem hoje uma posição forte como fornecedor de alimentos para a região. Essa posição foi conquistada, entre outras coisas, por causa da posição equilibrada que o Brasil mantém no conflito entre Israel e a Palestina, segundo Hannun.

A fila anda...

Os países árabes dão pouco espaço a concorrentes de produtos brasileiros que tentam ingressar em seus mercados. Uma vez contrariados, avalia, eles poderão passar a olhar para outros fornecedores, como a carne da Austrália, da Turquia e da Argentina, ou o frango da França.

A transferência da embaixada, que demonstraria o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel, é uma medida polêmica. Os palestinos reivindicam Jerusalém Oriental como capital de seu futuro Estado. Já a comunidade internacional não reconhece a reivindicação israelense de Jerusalém como sua capital indivisível.

Uma união improvável

Na sexta-feira, 2, as autoridades palestinas, frequentemente divididas, se uniram para criticar o anúncio do presidente eleito de mudar o local da embaixada. "Trata-se de uma medida provocadora, que é ilegal diante do direito internacional e que não faz nada mais que desestabilizar a região", disse Hanane Ashrawi, integrante da autoridade palestina, à agência de notícias internacionais AFP.

Em tom mais duro, o grupo Hamas, que está no poder em Gaza, usou as redes sociais para criticar a mudança. "Rejeitamos a decisão do presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro", declarou o porta-voz do Hamas, Sami Abu Zuhri. Para ele, a iniciativa é um "passo hostil ao povo palestino".

Na quinta-feira, dia 1º, o premiê de Israel, Benjamin Netanyahu, celebrou a confirmação da promessa de campanha: "Felicito meu amigo o presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro, pela intenção de deslocar a embaixada brasileira para Jerusalém, um passo histórico, justo e emocionante".

Adiós, Havana?

O presidente eleito pretende enxugar a estrutura do Itamaraty, segundo informam colaboradores da sua campanha. O Estado apurou que o Itamaraty elabora uma lista a ser entregue à equipe de transição. A informação é de que algumas representações no Caribe estão na lista. Em entrevista a Rede Vida, Bolsonaro questionou a necessidade da embaixada em Cuba.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

balanço do dia

Covid-19: casos sobem para 15,5 milhões e mortes, para 432,6 mil

O total de vidas perdidas durante a pandemia subiu para 432.628. Entre ontem e hoje, foram registradas 2.211 novas mortes.

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Mudaram as estações, mas nada mudou na bolsa

Quem olha para o saldo do Ibovespa na semana pode achar que os últimos dias foram um marasmo. O índice, afinal, ficou praticamente estável — uma quase desprezível queda de 0,13%. “Mas eu sei que alguma coisa aconteceu / tá tudo assim, tão diferente”, já dizia a música. E é verdade: nada mudou na bolsa, […]

Fechamento da semana

Inflação americana e minério de ferro vivem ‘dias de luta e dias de glória’, monopolizando a semana; dólar avança e bolsa recua no período

O minério de ferro puxou Vale e siderúrgicas para cima – mas depois derrubou. A inflação americana também assustou, mas conseguiu acalmar o ânimo dos investidores. Confira tudo o que movimentou a semana

Engordando o caixa

Petrobras gera US$ 2,5 bilhões com desinvestimentos em 2021; venda mais recente é para fundo árabe

E a estatal não deve parar por aí, pois o diretor financeiro da empresa já reafirmou a intenção de continuar com o programa de venda de ativos

Em evento do BofA

Presidente do BC revela preocupação com análise de autonomia no STF e planos para PIX internacional

Campos Neto e o ministro da Economia, Paulo Guedes, têm conversado com ministros da Corte sobre os questionamento acerca do tema

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies