🔴 SAVE THE DATE: 22/07 – FERRAMENTA PARA GERAR RENDA COM 1 CLIQUE SERÁ LIBERADA – CONHEÇA

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
Reação

O efeito colateral da mudança de embaixada em Israel

Quinto destino das exportações brasileiras, os países árabes ensaiam também sua entrada no financiamento a investimentos em infraestrutura do País

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
3 de novembro de 2018
17:51 - atualizado às 11:51
Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel
Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel. - Imagem: Alexandros Michailidis/Shutterstock

A mudança da embaixada brasileira em Israel de Tel-Aviv para Jerusalém, confirmada pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), pode interromper uma trajetória de crescimento da parceria entre Brasil e países árabes, destaca o jornal O Estado de S. Paulo. A afirmação é do presidente da Câmara de Comércio Árabe-Brasileira, Rubens Hannun.

Quinto destino das exportações brasileiras, os países árabes ensaiam também sua entrada no financiamento a investimentos em infraestrutura do País. Produtores de petróleo, eles concentram 40% dos recursos de todos os fundos soberanos do mundo.

"Existe o risco de uma interrupção, mas ele não está claro", disse Hannun ao jornal. No ano passado, as exportações brasileiras para o conjunto dos países árabes somaram US$ 13,6 bilhões. Neste ano, as vendas estão 15% abaixo do registrado em 2017, nos valores acumulados até junho. Mas a projeção é que o volume de vendas chegue a US$ 20 bilhões em 2022.

O Brasil tem hoje uma posição forte como fornecedor de alimentos para a região. Essa posição foi conquistada, entre outras coisas, por causa da posição equilibrada que o Brasil mantém no conflito entre Israel e a Palestina, segundo Hannun.

A fila anda...

Os países árabes dão pouco espaço a concorrentes de produtos brasileiros que tentam ingressar em seus mercados. Uma vez contrariados, avalia, eles poderão passar a olhar para outros fornecedores, como a carne da Austrália, da Turquia e da Argentina, ou o frango da França.

A transferência da embaixada, que demonstraria o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel, é uma medida polêmica. Os palestinos reivindicam Jerusalém Oriental como capital de seu futuro Estado. Já a comunidade internacional não reconhece a reivindicação israelense de Jerusalém como sua capital indivisível.

Uma união improvável

Na sexta-feira, 2, as autoridades palestinas, frequentemente divididas, se uniram para criticar o anúncio do presidente eleito de mudar o local da embaixada. "Trata-se de uma medida provocadora, que é ilegal diante do direito internacional e que não faz nada mais que desestabilizar a região", disse Hanane Ashrawi, integrante da autoridade palestina, à agência de notícias internacionais AFP.

Em tom mais duro, o grupo Hamas, que está no poder em Gaza, usou as redes sociais para criticar a mudança. "Rejeitamos a decisão do presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro", declarou o porta-voz do Hamas, Sami Abu Zuhri. Para ele, a iniciativa é um "passo hostil ao povo palestino".

Na quinta-feira, dia 1º, o premiê de Israel, Benjamin Netanyahu, celebrou a confirmação da promessa de campanha: "Felicito meu amigo o presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro, pela intenção de deslocar a embaixada brasileira para Jerusalém, um passo histórico, justo e emocionante".

Adiós, Havana?

O presidente eleito pretende enxugar a estrutura do Itamaraty, segundo informam colaboradores da sua campanha. O Estado apurou que o Itamaraty elabora uma lista a ser entregue à equipe de transição. A informação é de que algumas representações no Caribe estão na lista. Em entrevista a Rede Vida, Bolsonaro questionou a necessidade da embaixada em Cuba.

*Com Estadão Conteúdo

Compartilhe

Fortalecendo a parceria

Governo brasileiro inaugura escritório comercial em Jerusalém

16 de dezembro de 2019 - 7:49

De acordo com a Apex, um dos pontos que será trabalhado pelo escritório em Jerusalém é o fomento às novas parcerias tecnológicas e a atração de centros de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) para o Brasil

Hora da articulação política

Bolsonaro deixa Israel e fala em “jogar pesado” na reforma da Previdência

3 de abril de 2019 - 9:10

Em Israel, o presidente demonstrou preocupação com a possibilidade de as alterações propostas pelos deputados acabarem desidratando o projeto original

Bom negócio?

Petrobras mudará política atual se investir em Israel

2 de abril de 2019 - 8:55

Parceria com Israel só faria sentido se fizesse parte de um acordo mais amplo entre os países, envolvendo troca de conhecimentos de tecnologias

Cooperação entre os dois países

Em rede social, Bolsonaro diz que firmou seis acordos importantes com governo de Israel

1 de abril de 2019 - 10:50

Bolsonaro destacou que, no quesito segurança pública, foi firmada uma parceria de prevenção e combate ao crime organizado, mas não deu detalhes

Novos negócios

Petrobras vai participar de leilão de petróleo e gás em Israel

1 de abril de 2019 - 9:32

A expectativa é que o governo israelense faça o leilão de 19 novos blocos offshore e obtenha maior competição do que na última rodada (em que houve apenas propostas de duas companhias). As informações são da Reuters

Viagem de Bolsonaro

Petrobras será principal assunto brasileiro em reunião ampliada em Jerusalém

31 de março de 2019 - 13:04

Intenção é de deixar o ambiente de negócios mais atrativo para petroleiras internacionais. Em compensação, Petrobras poderá participar da exploração de gás na costa israelense

Presidente em viagem

Bolsonaro diz em hebraico que ama Israel

31 de março de 2019 - 9:23

Em cerimônia oficial em Tel Aviv ao lado do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, a quem chamou de irmão, presidente enfatizou que cooperação nas áreas de segurança e defesa interessa muito ao Brasil

Guerra comercial

Bolsonaro não tem culpa. BRF diz que restrição a frango brasileiro pela Arábia Saudita não foi política

30 de janeiro de 2019 - 12:04

Pedro Parente, presidente da produtora brasileira de alimentos, atribuiu a decisão do governo saudita a uma política para controlar a oferta de frangos no país

Recado dado

Mudança de embaixada brasileira pode resultar em boicote árabe, diz presidente da União das Câmaras Árabes

30 de janeiro de 2019 - 8:44

Representante das indústrias e de empresários da Liga Árabe, Hanafi veio ao Brasil depois de, na semana passada, a Arábia Saudita ter vetado a importação de frango de cinco frigoríficos brasileiros

PRESIDENTE

Bolsonaro diz que cobrará justiça e oferece tecnologia de Israel a Brumadinho

26 de janeiro de 2019 - 14:11

O presidente afirmou que o governo fará o que estiver ao alcance para atender as vítimas, minimizar danos, apurar os fatos e prevenir novas tragédias

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar