Menu
2019-10-14T14:15:48-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Seu dinheiro na sua noite

No meio do cabo de guerra

17 de junho de 2019
21:51 - atualizado às 14:15
O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

Caro leitor,

Tem dias que os mercados oscilam para lá e para cá, presos em meio ao cabo de guerra dos acontecimentos. Foi o que aconteceu nesta segunda-feira (17), em que o exterior estava tranquilo, mas aqui dentro o mercado se mostrou sensível (até demais) ao noticiário político - que, para variar, anda bem indigesto.

Lá fora, as bolsas mantiveram o tom otimista com a perspectiva de sinalização de um corte de juros na próxima reunião do Federal Reserve, o banco central americano, que ocorre na próxima quarta.

Mas, por aqui, pegou mal a forma como ocorreu a demissão de Joaquim Levy da presidência do BNDES, e um mal-entendido envolvendo uma fala do ministro da Casa Civil Onyx Lorenzoni acabou pesando para o lado do pessimismo, que venceu o cabo de guerra dos mercados. Mal-entendido este, aliás, um tanto surpreendente. O resultado foi uma queda no Ibovespa. O Victor Aguiar traz para você todos os detalhes do pregão de hoje.

Gigante em apuros

E aconteceu. A Odebrecht anunciou, no início da noite desta segunda-feira, o seu pedido de recuperação judicial, que não inclui, entretanto, a Braskem e outros negócios. O grupo enfrenta uma crise desde que foi alvo de investigações na Operação Lava-Jato. Com dívida estimada em R$ 51 bilhões, a holding alegou que não teve alternativa “frente ao vencimento de diversas dívidas, da ocorrência de fatos imprevisíveis e dos recentes ataques aos ativos das empresas.” Leia os detalhes sobre o comunicado que o grupo enviou ao mercado.

Um novo nome para o BNDES

Também no início desta noite, o Ministério da Economia anunciou o novo presidente do BNDES, que ocupará o lugar que era de Joaquim Levy: Gustavo Montezano, que trabalhava como secretário-adjunto de Salim Mattar na Secretaria de Desestatização. A indicação foi encaminhada para deliberação do Conselho de Administração do banco de desenvolvimento. Leia mais sobre o perfil do indicado na matéria do Edu Campos.

#CortaOuNãoCorta?

Não é só em relação ao juros americanos que está rolando uma expectativa de sinalização de corte. Os investidores brasileiros também andam animados com a possibilidade de redução da Selic para uma nova mínima histórica. Mas o rumo dos juros básicos brasileiros tem dividido a opinião daqueles que já sentaram nas cadeiras das salas do 8º e do 21º andares do prédio do Banco Central em Brasília, onde são tomadas as principais decisões da política monetária do país. Veja o que pensam os ex-diretores do BC sobre os próximos passos da Selic.

Onda roxa na América Latina

México, Argentina… Qual será o próximo destino? O Nubank ganhou reforço para financiar a sua expansão na América Latina. A fintech do cartão roxinho acaba de levantar nada menos que R$ 375 milhões em uma captação pública inédita, desta vez via Letras Financeiras, um tipo de título de dívida. Saiba todos os detalhes sobre a operação nesta matéria.

Um upgrade para o seu cofrinho

Se você acompanha o Seu Dinheiro , sabe que a concorrência do Nubank não está parada. A Neon Pagamentos está implantando gradualmente uma novidade que pode ser bastante interessante para quem está dando os primeiros passos no mundo dos investimentos, mas ainda não tem disciplina para poupar: o “arredondador de centavos”. Em vez de pagar valores quebrados nas compras do cartão, o cliente arredonda para cima, e a diferença é aplicada em CDB. Outra opção é programar os aportes, e a Neon os debita automaticamente da conta. Segundo a fintech, seria uma espécie de upgrade dos cofrinhos de poupança, mas com rentabilidade maior. Ficou interessado? Dá uma olhada nesta matéria.

De volta para o futuro

Quem investe em bitcoin vinha comendo capim até o início deste ano, mas nos últimos meses a criptomoeda viu uma valorização formidável, acumulando alta de 150% em 2019. Desde sexta-feira o avanço foi tanto que o bitcoin finalmente retornou a um patamar de preço que não era visto desde maio do ano passado. A Jasmine Olga dá pistas do motivo dessa alta recente nesta matéria.

Uma ótima noite para você!

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

LIÇÕES DO PAI RICO, PAI POBRE

Você está cometendo esses erros nos seus investimentos?

Milhões de pessoas perderam trilhões de dólares porque violaram as leis da natureza. Uma das principais leis ou princípios que elas violaram é a Lei de Newton: para cada ação, há uma reação igual em direção oposta

Alguém anotou a placa?

Coronavírus derrubou quase tudo em fevereiro; só o dólar e uma parte da renda fixa se salvaram

Entre mortos e feridos, salvaram-se poucos; dólar disparou, bolsa desabou, e até alguns títulos de renda fixa tiveram desempenho negativo no mês.

Dinheiro no bolso

Banco do Brasil aprova pagamento de R$ 517,4 milhões em juros sobre capital próprio

Total a ser pago, relativo ao primeiro trimestre de 2020, equivale a R$ 0,1814 por ação

Seu Dinheiro na sua noite

O que nós fizemos depois da queda da bolsa

Eu sei que assistir de braços cruzados à forte queda das ações em meio à completa falta de clareza sobre os impactos do coronavírus nos investimentos é difícil. Mas foi exatamente o que nós aqui do Seu Dinheiro fizemos. Bem, não ficamos exatamente de braços cruzados. Acompanhamos de perto todos os desdobramentos deste momento delicado […]

Perdas generalizadas

Coronavírus derruba o mercado e faz o Ibovespa cair 8,43% em fevereiro, o pior mês desde maio de 2018

O coronavírus se espalhou pelo mundo e trouxe uma enorme onda de aversão ao risco às bolsas. Como resultado, o Ibovespa desabou em fevereiro e o dólar à vista renovou as máximas, flertando com o nível de R$ 4,50

Pensando nas taxas

Goldman Sachs prevê 3 cortes de juros pelo Fed até junho com coronavírus

Primeira redução seria de 0,25 ponto já na reunião do próximo do comitê, marcada para os dias 17 e 18 de março

Polêmica em Brasília

Presidente do Senado convoca sessão para votar vetos do Orçamento impositivo

Projeto obriga o governo a pagar todas as emendas parlamentares neste ano

BC dos EUA

FED: fundamentos da economia continuam sólidos, mas coronavírus representa risco

Declaração foi dada pelo presidente do FED, Jerome Powell, em comunicado divulgado nesta sexta-feira

REAL DESVALORIZADO

Real está no topo da lista das moedas de emergentes com maior queda desde janeiro

Segundo o levantamento, o real está atrás até mesmo de moedas como o Rand Sul-africano (ZAR) e o peso colombiano (COP). Mas o movimento de depreciação de moedas emergentes em relação ao dólar não é único no Brasil

Ouça o que bombou na semana

Podcast Touros e Ursos: Como navegar as águas turbulentas do mercado?

O surto de coronavírus pegou os mercados em cheio, provocando enormes perdas ao Ibovespa e fazendo o dólar disparar rumo a novas máximas. Nesse cenário, nossos repórteres discutem como se comportar em meio ao tsunami de notícias negativas e proteger seus investimentos. Confira os destaques da semana: O coronavírus chegou com tudo aos mercados Dólar […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements