Menu
2019-04-20T15:07:43-03:00
Ana Paula Ragazzi
Ana Paula Ragazzi
MAIS UMA DA GAFISA

Gafisa é acusada de tentar receber pela 2ª vez créditos que vendeu como CRI

Polo Capital diz que comprou CRIs da Gafisa, mas empresa mandou boleto para o cliente com o número da sua conta bancária. Prática prejudica investidor que comprou CRIs com recebíveis da incorporadora.

6 de fevereiro de 2019
12:59 - atualizado às 15:07
Gafisa
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Em mais um sinal de que passa por um momento extremamente delicado, a Gafisa está, agora, sendo acusada de querer receber novamente por créditos imobiliários que já havia securitizado, ou seja, transferido para outro credor.

Quem denunciou essa “nova prática” em fato relevante ao mercado foi a Polo Capital Securitizadora,  que detém créditos de 20 séries da primeira emissão de certificados de recebíveis imobiliários (CRIs) da Gafisa.

Desde outubro do ano passado a Gafisa é comandada pela gestora de recursos GWI, do investidor coreano Mu Hak You. O Seu Dinheiro publicou uma série de reportagens que mostram que o novo comando da empresa toma decisões questionáveis para o futuro da companhia e que podem prejudicar clientes e acionistas minoritários.

Nas operações de CRIs, as construtoras aglutinam vários recebíveis imobiliários, como aluguéis e prestações de imóveis corporativos ou residenciais que têm a receber, num título novo, emitido por uma securitizadora e vendido a investidores no mercado.

Ao fazer essa operação, a Gafisa recebeu um valor antecipado pelos créditos, com desconto; e os repassou, na íntegra, para a Polo. O que a Polo identificou, em janeiro passado, é que a Gafisa passou a enviar boletos de pagamentos das prestações ou alugueis aos seus clientes pedindo que eles depositassem os recursos numa conta da própria Gafisa, em vez de direcioná-los para uma conta da Polo. Ou seja, a Gafisa está querendo receber novamente pelos créditos que já repassou para a Polo, atitude que lesa quem investiu nesses CRIs.

“A Gafisa, em descumprimento das suas obrigações de gestão e cobrança do créditos prevista nos contratos de cessão firmados entre as partes passou, a partir de janeiro de 2019, de forma unilateral, a emitir boletos contendo dados bancários da própria Gafisa em notória violação à cessão dos créditos correspondentes”, diz o comunicado da Polo.

A securitizadora pede aos clientes que somente paguem boletos cujos beneficiário seja a Polo, jamais a Gafisa, e informa que está tomando as medidas cabíveis para solucionar o assunto.

Cheira mal

Quem toma uma atitude como essa, que pode ser enquadrada como fraudulenta, afirmam especialistas do setor, é somente uma empresa que está em sérias dificuldades financeiras, perto de ficar sem recursos para tocar o dia a dia de suas operações.

“Fica claro que a empresa precisa de dinheiro agora e está fazendo o que for preciso para manter a bicicleta pedalando”, resumiu um analista.

A gestão GWI adotou o hábito de divulgar cartas aos acionistas detalhando suas medidas na empresa. Na última delas, de 1 de fevereiro, a GWI afirma que continua buscando alternativas de funding para o negócio. Entre as opções que cita no documento estão: "securitização da carteira de recebíveis, monetização de ativos, avaliação de parcerias e estruturação de fundo imobiliários”. Com atitudes como a denunciada pela Polo, vai ficar cada vez mais difícil para a Gafisa estruturar produtos financeiros no mercado para viabilizar suas atividades.

Desde que assumiu a empresa, a GWI vem tomando medidas incompreensíveis. Apesar das dificuldades de caixa da Gafisa, assim como de outras empresas do setor no Brasil, optou por tirar recursos de lá para fazer uma recompra de ações que serviu para sustentar o preço dos papéis. Demitiu toda a diretoria e colocou executivos da gestora para assumir a empresa e tem tomado decisões que parecem cada vez mais minar o negócio, como a suspensão de pagamentos a fornecedores e até mesmo do aluguel do espaço ocupado pela sua sede. Recentemente, depois de cancelar ações recompradas, a GWI ficou na berlinda para ter de fazer uma oferta de ações por toda a companhia, situação ainda indefinida.

Em comunicado, a Gafisa disse que "em face do noticiado pelo Grupo Polo, esclarece que está tomando as medidas cabíveis sobre o caso".

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Enfim uma oportunidade

Berkshire Hathaway, de Warren Buffett, faz primeira aquisição desde a explosão do coronavírus

Empresa adquire ativos de gás de companhia de energia americana por US$ 4 bilhões, além de assumir parte da sua dívida; desde o colapso dos mercados em março, a Berkshire apenas vendeu ativos, e vinha montada em caixa, no aguardo de boas oportunidades de compra

Um dos bilionários mais velhos

Aos 99 anos, Aloysio de Andrade Faria, o ‘banqueiro invisível’ ainda dá as cartas

Criador do Banco Real, Aloysio de Andrade Faria continua à frente de um império que inclui o banco Alfa e mais uma dezena de empresas.

Entrevista

O agronegócio não precisa das terras da Amazônia para se expandir, diz ministra da Agricultura

Em entrevista ao Estadão, Tereza Cristina diz ser “defensora intransigente de zerar o desmatamento ilegal”; sob escrutínio internacional, agronegócio corre risco de perder investimentos por questões ambientais

Nas redes sociais

Renato Feder recusa convite para ser novo ministro da Educação

Segundo o Estadão, Bolsonaro foi pressionado pela ala ideológica do governo e por militares para não colocar Feder no comando do MEC

Novo candidato?

Rapper Kanye West diz que vai concorrer à presidência dos EUA – e já tem o apoio de Elon Musk

Conhecido apoiador do presidente Donald Trump, o rapper tuitou que concorreria à presidência, e Musk respondeu

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements