🔴 EVENTO GRATUITO: COMPRAR OU VENDER VALE3? INSCREVA-SE

Ana Paula Ragazzi
MAIS UMA DA GAFISA

Gafisa é acusada de tentar receber pela 2ª vez créditos que vendeu como CRI

Polo Capital diz que comprou CRIs da Gafisa, mas empresa mandou boleto para o cliente com o número da sua conta bancária. Prática prejudica investidor que comprou CRIs com recebíveis da incorporadora.

Ana Paula Ragazzi
6 de fevereiro de 2019
12:59 - atualizado às 15:07
Montagem com logotipo da Gafisa em formato de interrogação
Montagem com logotipo da Gafisa - Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Em mais um sinal de que passa por um momento extremamente delicado, a Gafisa está, agora, sendo acusada de querer receber novamente por créditos imobiliários que já havia securitizado, ou seja, transferido para outro credor.

Quem denunciou essa “nova prática” em fato relevante ao mercado foi a Polo Capital Securitizadora,  que detém créditos de 20 séries da primeira emissão de certificados de recebíveis imobiliários (CRIs) da Gafisa.

Desde outubro do ano passado a Gafisa é comandada pela gestora de recursos GWI, do investidor coreano Mu Hak You. O Seu Dinheiro publicou uma série de reportagens que mostram que o novo comando da empresa toma decisões questionáveis para o futuro da companhia e que podem prejudicar clientes e acionistas minoritários.

Nas operações de CRIs, as construtoras aglutinam vários recebíveis imobiliários, como aluguéis e prestações de imóveis corporativos ou residenciais que têm a receber, num título novo, emitido por uma securitizadora e vendido a investidores no mercado.

Ao fazer essa operação, a Gafisa recebeu um valor antecipado pelos créditos, com desconto; e os repassou, na íntegra, para a Polo. O que a Polo identificou, em janeiro passado, é que a Gafisa passou a enviar boletos de pagamentos das prestações ou alugueis aos seus clientes pedindo que eles depositassem os recursos numa conta da própria Gafisa, em vez de direcioná-los para uma conta da Polo. Ou seja, a Gafisa está querendo receber novamente pelos créditos que já repassou para a Polo, atitude que lesa quem investiu nesses CRIs.

“A Gafisa, em descumprimento das suas obrigações de gestão e cobrança do créditos prevista nos contratos de cessão firmados entre as partes passou, a partir de janeiro de 2019, de forma unilateral, a emitir boletos contendo dados bancários da própria Gafisa em notória violação à cessão dos créditos correspondentes”, diz o comunicado da Polo.

A securitizadora pede aos clientes que somente paguem boletos cujos beneficiário seja a Polo, jamais a Gafisa, e informa que está tomando as medidas cabíveis para solucionar o assunto.

Cheira mal

Quem toma uma atitude como essa, que pode ser enquadrada como fraudulenta, afirmam especialistas do setor, é somente uma empresa que está em sérias dificuldades financeiras, perto de ficar sem recursos para tocar o dia a dia de suas operações.

“Fica claro que a empresa precisa de dinheiro agora e está fazendo o que for preciso para manter a bicicleta pedalando”, resumiu um analista.

A gestão GWI adotou o hábito de divulgar cartas aos acionistas detalhando suas medidas na empresa. Na última delas, de 1 de fevereiro, a GWI afirma que continua buscando alternativas de funding para o negócio. Entre as opções que cita no documento estão: "securitização da carteira de recebíveis, monetização de ativos, avaliação de parcerias e estruturação de fundo imobiliários”. Com atitudes como a denunciada pela Polo, vai ficar cada vez mais difícil para a Gafisa estruturar produtos financeiros no mercado para viabilizar suas atividades.

Desde que assumiu a empresa, a GWI vem tomando medidas incompreensíveis. Apesar das dificuldades de caixa da Gafisa, assim como de outras empresas do setor no Brasil, optou por tirar recursos de lá para fazer uma recompra de ações que serviu para sustentar o preço dos papéis. Demitiu toda a diretoria e colocou executivos da gestora para assumir a empresa e tem tomado decisões que parecem cada vez mais minar o negócio, como a suspensão de pagamentos a fornecedores e até mesmo do aluguel do espaço ocupado pela sua sede. Recentemente, depois de cancelar ações recompradas, a GWI ficou na berlinda para ter de fazer uma oferta de ações por toda a companhia, situação ainda indefinida.

Em comunicado, a Gafisa disse que "em face do noticiado pelo Grupo Polo, esclarece que está tomando as medidas cabíveis sobre o caso".

Compartilhe

Engordando os proventos

Caixa Seguridade (CXSE3) pode pagar mais R$ 230 milhões em dividendos após venda de subsidiárias, diz BofA

14 de setembro de 2022 - 13:22

Analistas acreditam que recursos advindos do desinvestimento serão destinados aos acionistas; companhia tem pelo menos mais duas vendas de participações à vista

OPA a preço atrativo

Gradiente (IGBR3) chega a disparar 47%, mas os acionistas têm um dilema: fechar o capital ou crer na vitória contra a Apple?

12 de setembro de 2022 - 13:09

O controlador da IGB/Gradiente (IGBR3) quer fazer uma OPA para fechar o capital da empresa. Entenda o que está em jogo na operação

novo rei?

O Mubadala quer mesmo ser o novo rei do Burger King; fundo surpreende mercado e aumenta oferta pela Zamp (BKBR3)

12 de setembro de 2022 - 11:12

Valor oferecido pelo fundo aumentou de R$ 7,55 para R$ 8,31 por ação da Zamp (BKBR3) — mercado não acreditava em oferta maior

Exclusivo Seu Dinheiro

Magalu (MGLU3) cotação: ação está no fundo do poço ou ainda é possível cair mais? 5 pontos definem o futuro da ação

10 de setembro de 2022 - 10:00

Papel já alcançou máxima de R$ 27 há cerca de dois anos, mas hoje é negociado perto dos R$ 4. Hoje, existem apenas 5 fatores que você deve olhar para ver se a ação está em ponto de compra ou venda

NOVO ACIONISTA

Com olhos no mercado de saúde animal, Mitsui paga R$ 344 milhões por fatias do BNDES e Opportunity na Ourofino (OFSA3)

9 de setembro de 2022 - 11:01

Após a conclusão, participação da companhia japonesa na Ourofino (OFSA3) será de 29,4%

Estreia na bolsa

Quer ter um Porsche novinho? Pois então aperte os cintos: a Volkswagen quer fazer o IPO da montadora de carros esportivos

6 de setembro de 2022 - 11:38

Abertura de capital da Porsche deve acontecer entre o fim de setembro e início de outubro; alguns investidores já demonstraram interesse no ativo

Bateu o mercado

BTG Pactual tem a melhor carteira recomendada de ações em agosto e foi a única entre as grandes corretoras a bater o Ibovespa no mês

5 de setembro de 2022 - 15:00

Indicações da corretora do banco tiveram alta de 7,20%, superando o avanço de 6,16% do Ibovespa; todas as demais carteiras do ranking tiveram retorno positivo, porém abaixo do índice

PEQUENAS NOTÁVEIS

Small caps: 3R (RRRP), Locaweb (LWSA3), Vamos (VAMO3) e Burger King (BKBR3) — as opções de investimento do BTG para setembro

1 de setembro de 2022 - 13:50

Banco fez três alterações em sua carteira de small caps em relação ao portfólio de agosto; veja quais são as 10 escolhidas para o mês

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

Passando o chapéu: IRB (IRBR3) acerta a venda da própria sede em meio a medidas para se reenquadrar

30 de agosto de 2022 - 11:14

Às vésperas de conhecer o resultado de uma oferta primária por meio da qual pretende levantar R$ 1,2 bilhão, IRB se desfaz de prédio histórico

Exclusivo Seu Dinheiro

Chega de ‘só Petrobras’ (PETR4): fim do monopólio do gás natural beneficia ação que pode subir mais de 50% com a compra de ativos da estatal

30 de agosto de 2022 - 9:00

Conheça a ação que, segundo analista e colunista do Seu Dinheiro, representa uma empresa com histórico de eficiência e futuro promissor; foram 1200% de alta na bolsa em quase 20 anos – e tudo indica que esse é só o começo de um futuro triunfal

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar