Menu
2019-12-20T18:57:52-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Rali de fim de ano

O Ibovespa teve mais uma semana positiva e já acumula ganhos de mais de 6% em dezembro

O Ibovespa fechou o pregão desta sexta-feira em leve queda de 0,01%, sustentando-se acima dos 115 mil pontos.O dólar à vista teve um dia de maior pressão e subiu 0,80%

20 de dezembro de 2019
18:57
Selo Mercados FECHAMENTO Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O Ibovespa não cravou um novo recorde de fechamento nesta sexta-feira (20), interrompendo a sequência vista nas últimas três sessões. Foi por pouco: o índice terminou o pregão de hoje em leve baixa de 0,01%, aos 115.121,08 pontos.

Alguns até podem se mostrar decepcionados com o freio na busca incansável do Ibovespa pelas máximas. Mas a verdade é que não dá para reclamar dos retornos da bolsa brasileira: somente nesta semana, o índice acumulou ganhos de 2,27%; em dezembro, a alta já chega a 6,36%.

Para entender os fundamentos desse bull market, é preciso olhar para o mercado acionário como um filme, e não como uma fotografia. No dia a dia, fatores pontuais podem dar um viés de otimismo ou pessimismo às sessões. Mas o enredo como um todo é bastante favorável à bolsa.

Nos últimos dias, eu já escrevi diversas vezes que o mês de dezembro trouxe consigo uma enorme queda na aversão ao risco por parte dos investidores — alguns poderiam chamar esse movimento de um "milagre de Natal".

Afinal, tudo ocorreu em sincronia: no Brasil, a economia deu sinais de recuperação; no Reino Unido, a novela do Brexit parece próxima de seus capítulos finais; e, nos Estados Unidos, os governos americano e chinês apertaram as mãos e fecharam a primeira fase do tão aguardado acordo comercial.

Com um pano de fundo como esses, é difícil encontrar algum motivo para ficar pessimista. Assim, nada mais natural que esse salto no mercado acionário.

Lá fora, a situação das bolsas é semelhante à do Ibovespa: nesta sexta-feira (20), o Dow Jones subiu 0,28%, o S&P 500 avançou 0,49% e o Nasdaq teve ganho de 0,42% — os três índices atingiram novos recordes de fechamento.

O mercado de câmbio também passa por dias tranquilos: o dólar à vista até sofreu com alguma pressão hoje, encerrando em alta de 0,80%, a R$ 4,0947 — nada que apagasse o alívio visto no restante da semana, já que, desde segunda-feira, a moeda americana acumulou baixa de 0,31%.

Esse tom mais cauteloso visto nos mercados domésticos se deve ao noticiário local, especialmente à pressão no front inflacionário — por mais que a queda de 0,01% do Ibovespa seja irrisória, ela contrasta com o tom positivo visto nas bolsas de Nova York.

E, no exterior, sinais de solidez da economia dos EUA contribuíram para dar ânimo ao dólar em escala global, facilitando o movimento de correção no mercado de câmbio brasileiro.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Preços em alta

Em destaque nesta sexta-feira, apareceu a alta de 1,05% na inflação medida pelo IPCA-15 em dezembro — no mês passado, o indicador subiu 0,14%. Trata-se da maior elevação mensal desde junho de 2018.

Assim como já tinha sido verificado no IPCA de novembro, o setor de alimentos e bebidas foi o grande responsável pela aceleração na inflação, especialmente por causa da disparada nos preços das carnes — o valor das proteínas animais saltou 17,7% em dezembro.

Com a inflação ganhando força, diminuem as apostas num possível corte da Selic no início de 2020: o Banco Central (BC) até deixou a porta aberta para mais uma baixa de 0,25 ponto na taxa básica de juros no ano que vem, mas que estaria atento aos dados econômicos, sobretudo o comportamento dos preços.

Considerando as pressões inflacionárias, o mercado promoveu ajustes positivos nas curvas de juros durante a manhã, precificando a menor chance de cortes na Selic. Mas, no início de tarde, ocorreu o movimento oposto: os DIs devolveram a alta do início do dia, numa correção após as fortes altas dos últimos dias.

Veja como ficaram as curvas mais líquidas nesta sexta-feira:

  • Janeiro/2021: de 4,66% para 4,63%;
  • Janeiro/2023: de 6,06% para 5,97%;
  • Janeiro/2025: de 6,72% para 6,64%;
  • Janeiro/2027: de 7,06% para 6,99%.

Tranquilidade nos EUA

Lá fora, os agentes financeiros mostraram-se bastante tranquilos em relação ao estado da economia americana, o que deu suporte a mais uma rodada de ganhos nas bolsas do país.

Foi divulgada nesta manhã a terceira e última leitura do PIB dos EUA no terceiro trimestre, mostrando um crescimento de 2,1% da economia do país no período — um resultado em linha com as expectativas do mercado.

A solidez do PIB dos Estados Unidos fortaleceu o dólar no mundo todo: o índice DXY, que mede o desempenho da moeda em relação a uma cesta com as principais divisas do mundo, subiu 0,33% nesta sexta-feira.

Tendência semelhante foi verificada entre as moedas de países emergentes: o dólar se valorizou em comparação com o peso mexicano, o rublo russo, o peso colombiano, o rand sul-africano e o peso chileno, entre outras — e o real seguiu o comportamento de seus pares.

Siderurgia em alta

O setor de siderurgia e mineração despontou entre os destaques positivos do Ibovespa. Gerdau PN (GGBR4) avançou 4,82%, Vale ON (VALE3) subiu 1,46% e CSN ON (CSNA3) teve ganho de 0,58%.

Todo esse bom humor se deve aos dados reportados ontem pelo Instituto Aço Brasil (IABr), indicando tendencias mais saudáveis para o mercado. Em novembro, as vendas internas de aço bruto avançaram 0,4% na base anual, chegando a 1,6 milhão de toneladas.

Pode parecer pouco, mas, conforme destaca o BTG Pactual, a venda de aços longos no período foi bastante encorajadora, com um crescimento de 12% em um ano — um resultado que superou as expectativas do banco.

"Essa aceleração mostra que a recuperação que o setor aguardava começou oficialmente, sendo impulsionada em grande parte pela construção civil", escrevem os analistas Leonardo Correa e Caio Greiner. Por outro lado, as vendas de aços planos caíram 17% na mesma base de comparação.

Considerando a perspectiva de recuperação para o setor, o BTG diz que as ações da Gerdau são especialmente atrativas no atual nível de preço, atribuindo recomendação de compra aos papéis — os ativos da CSN e da Usiminas possuem classificação neutra.

CCR nos holofotes

ccrccrO noticiário corporativo referente à CCR está particularmente agitado: na noite passada, a operadora de rodovias comunicou ao mercado a redução de 5,26% na tarifa de pedágio da NovaDutra, conforme determinado pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

O noticiário corporativo referente à CCR está particularmente agitado: na noite passada, a operadora de rodovias comunicou ao mercado a redução de 5,26% na tarifa de pedágio da NovaDutra, conforme determinado pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

O saldo disso tudo é uma reação ligeiramente negativa do mercado: as ações ON da CCR (CCRO3) recuaram 0,84% hoje.

Enquanto isso, fora do índice...

...destaque para as ações ON da Tupy (TUPY3), que dispararam 12,68% nesta sexta-feira — a empresa comprou o negócio de componentes de ferro fundido da Teksid, subsidiária da Fiat Chrysler Automóveis, por 210 milhões de euros — o equivalente a R$ 948 milhões.

Top 5

Confira os cinco papéis de melhor desempenho do Ibovespa nesta sexta-feira:

  • Gerdau PN (GGBR4): +4,82%
  • Tim ON (TIMP3): +3,95%
  • Metalúrgica Gerdau PN (GOAU4): +2,64%
  • Embraer ON (EMBR3): +1,87%
  • IRB ON (IRBR3): +1,83%

Veja também as maiores quedas do índice:

  • MRV ON (MRVE3): -3,59%
  • Yduqs ON (YDUQ3): -3,18%
  • Cogna ON (COGN3): -2,85%
  • Marfrig ON (MRFG3): -2,37%
  • CVC ON (CVCB3): -2,24%

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

OUÇA O QUE BOMBOU NA SEMANA

Podcast Touros e Ursos: Já pensou em conquistar sua independência financeira?

Repórteres do Seu Dinheiro trazem em podcast semanal um panorama sobre tudo o que movimentou os seus investimentos nesta semana

de olho na inflação

BC está confortável com inflação após choque de proteína, diz Campos Neto

“Há um gap de política monetária que a gente tenta comunicar. É importante, porque parte do que foi feito não está totalmente dissipado”, afirmou em seguida

MAIS ESCLARECIMENTOS

BNDES atual pôs R$ 15 milhões a mais em auditoria

O reajuste de 25% aconteceu por meio de um aditivo contratual, publicado no dia 25 de outubro de 2019, e aumentou de US$ 14 milhões para US$ 17,5 milhões o contrato da Cleary Gottlieb Steen & Hamilton, escritório contratado para realizar os serviços de auditoria

CONFIRMADA

Oi confirma venda de participação na angolana Unitel por R$ 1 bilhão

O montante corresponde a venda de 25% da participação que detém na angolana e engloba também os dividendos que a Oi tem o direito de receber, mas que estavam retidos até então

negativas

Bolsonaro nega a ideia de ‘imposto do pecado’

Presidente também descartou a chance de desmembrar o Ministério da Justiça e Segurança Pública em duas pastas

Na bolsa

Itaú reduz participação na Qualicorp para menos de 5%

O banco passou a deter 4,95% do capital da administradora de planos de saúde coletivos após a venda das ações, que acumulam alta de mais de 200% em 12 meses

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta sexta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

dados do caged

Brasil cria 644 mil empregos formais em 2019; melhor em resultado em seis anos

Resultado de dezembro, negativo em 327 mil vagas, foi dentro do esperado pelo mercado

mercados agora

Ibovespa cede à realização de lucros e cai, pressionado pela tensão externa; dólar sobe a R$ 4,18

Depois de cravar um novo recorde na sessão passada, o Ibovespa opera em queda nesta sexta-feira, com os investidores optando por embolsar parte dos lucros recentes. Notícias referentes à disseminação do coronavírus nos EUA também trazem cautela ao mercado

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

14 notícias para você começar o dia bem informado

O Ibovespa está embalado em um bull market. O índice segue a toada de 2019 e vem batendo novos recordes este ano. Mas vale lembrar que a bolsa tem mais de 300 empresas e que dá para ganhar bem mais (ou bem menos) que o Ibovespa. A Julia Wiltgen mostra em reportagem de hoje quais os […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements