Menu
2019-12-20T18:57:52-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Rali de fim de ano

O Ibovespa teve mais uma semana positiva e já acumula ganhos de mais de 6% em dezembro

O Ibovespa fechou o pregão desta sexta-feira em leve queda de 0,01%, sustentando-se acima dos 115 mil pontos.O dólar à vista teve um dia de maior pressão e subiu 0,80%

20 de dezembro de 2019
18:57
Selo Mercados FECHAMENTO Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O Ibovespa não cravou um novo recorde de fechamento nesta sexta-feira (20), interrompendo a sequência vista nas últimas três sessões. Foi por pouco: o índice terminou o pregão de hoje em leve baixa de 0,01%, aos 115.121,08 pontos.

Alguns até podem se mostrar decepcionados com o freio na busca incansável do Ibovespa pelas máximas. Mas a verdade é que não dá para reclamar dos retornos da bolsa brasileira: somente nesta semana, o índice acumulou ganhos de 2,27%; em dezembro, a alta já chega a 6,36%.

Para entender os fundamentos desse bull market, é preciso olhar para o mercado acionário como um filme, e não como uma fotografia. No dia a dia, fatores pontuais podem dar um viés de otimismo ou pessimismo às sessões. Mas o enredo como um todo é bastante favorável à bolsa.

Nos últimos dias, eu já escrevi diversas vezes que o mês de dezembro trouxe consigo uma enorme queda na aversão ao risco por parte dos investidores — alguns poderiam chamar esse movimento de um "milagre de Natal".

Afinal, tudo ocorreu em sincronia: no Brasil, a economia deu sinais de recuperação; no Reino Unido, a novela do Brexit parece próxima de seus capítulos finais; e, nos Estados Unidos, os governos americano e chinês apertaram as mãos e fecharam a primeira fase do tão aguardado acordo comercial.

Com um pano de fundo como esses, é difícil encontrar algum motivo para ficar pessimista. Assim, nada mais natural que esse salto no mercado acionário.

Lá fora, a situação das bolsas é semelhante à do Ibovespa: nesta sexta-feira (20), o Dow Jones subiu 0,28%, o S&P 500 avançou 0,49% e o Nasdaq teve ganho de 0,42% — os três índices atingiram novos recordes de fechamento.

O mercado de câmbio também passa por dias tranquilos: o dólar à vista até sofreu com alguma pressão hoje, encerrando em alta de 0,80%, a R$ 4,0947 — nada que apagasse o alívio visto no restante da semana, já que, desde segunda-feira, a moeda americana acumulou baixa de 0,31%.

Esse tom mais cauteloso visto nos mercados domésticos se deve ao noticiário local, especialmente à pressão no front inflacionário — por mais que a queda de 0,01% do Ibovespa seja irrisória, ela contrasta com o tom positivo visto nas bolsas de Nova York.

E, no exterior, sinais de solidez da economia dos EUA contribuíram para dar ânimo ao dólar em escala global, facilitando o movimento de correção no mercado de câmbio brasileiro.

Preços em alta

Em destaque nesta sexta-feira, apareceu a alta de 1,05% na inflação medida pelo IPCA-15 em dezembro — no mês passado, o indicador subiu 0,14%. Trata-se da maior elevação mensal desde junho de 2018.

Assim como já tinha sido verificado no IPCA de novembro, o setor de alimentos e bebidas foi o grande responsável pela aceleração na inflação, especialmente por causa da disparada nos preços das carnes — o valor das proteínas animais saltou 17,7% em dezembro.

Com a inflação ganhando força, diminuem as apostas num possível corte da Selic no início de 2020: o Banco Central (BC) até deixou a porta aberta para mais uma baixa de 0,25 ponto na taxa básica de juros no ano que vem, mas que estaria atento aos dados econômicos, sobretudo o comportamento dos preços.

Considerando as pressões inflacionárias, o mercado promoveu ajustes positivos nas curvas de juros durante a manhã, precificando a menor chance de cortes na Selic. Mas, no início de tarde, ocorreu o movimento oposto: os DIs devolveram a alta do início do dia, numa correção após as fortes altas dos últimos dias.

Veja como ficaram as curvas mais líquidas nesta sexta-feira:

  • Janeiro/2021: de 4,66% para 4,63%;
  • Janeiro/2023: de 6,06% para 5,97%;
  • Janeiro/2025: de 6,72% para 6,64%;
  • Janeiro/2027: de 7,06% para 6,99%.

Tranquilidade nos EUA

Lá fora, os agentes financeiros mostraram-se bastante tranquilos em relação ao estado da economia americana, o que deu suporte a mais uma rodada de ganhos nas bolsas do país.

Foi divulgada nesta manhã a terceira e última leitura do PIB dos EUA no terceiro trimestre, mostrando um crescimento de 2,1% da economia do país no período — um resultado em linha com as expectativas do mercado.

A solidez do PIB dos Estados Unidos fortaleceu o dólar no mundo todo: o índice DXY, que mede o desempenho da moeda em relação a uma cesta com as principais divisas do mundo, subiu 0,33% nesta sexta-feira.

Tendência semelhante foi verificada entre as moedas de países emergentes: o dólar se valorizou em comparação com o peso mexicano, o rublo russo, o peso colombiano, o rand sul-africano e o peso chileno, entre outras — e o real seguiu o comportamento de seus pares.

Siderurgia em alta

O setor de siderurgia e mineração despontou entre os destaques positivos do Ibovespa. Gerdau PN (GGBR4) avançou 4,82%, Vale ON (VALE3) subiu 1,46% e CSN ON (CSNA3) teve ganho de 0,58%.

Todo esse bom humor se deve aos dados reportados ontem pelo Instituto Aço Brasil (IABr), indicando tendencias mais saudáveis para o mercado. Em novembro, as vendas internas de aço bruto avançaram 0,4% na base anual, chegando a 1,6 milhão de toneladas.

Pode parecer pouco, mas, conforme destaca o BTG Pactual, a venda de aços longos no período foi bastante encorajadora, com um crescimento de 12% em um ano — um resultado que superou as expectativas do banco.

"Essa aceleração mostra que a recuperação que o setor aguardava começou oficialmente, sendo impulsionada em grande parte pela construção civil", escrevem os analistas Leonardo Correa e Caio Greiner. Por outro lado, as vendas de aços planos caíram 17% na mesma base de comparação.

Considerando a perspectiva de recuperação para o setor, o BTG diz que as ações da Gerdau são especialmente atrativas no atual nível de preço, atribuindo recomendação de compra aos papéis — os ativos da CSN e da Usiminas possuem classificação neutra.

CCR nos holofotes

ccrccrO noticiário corporativo referente à CCR está particularmente agitado: na noite passada, a operadora de rodovias comunicou ao mercado a redução de 5,26% na tarifa de pedágio da NovaDutra, conforme determinado pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

O noticiário corporativo referente à CCR está particularmente agitado: na noite passada, a operadora de rodovias comunicou ao mercado a redução de 5,26% na tarifa de pedágio da NovaDutra, conforme determinado pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

O saldo disso tudo é uma reação ligeiramente negativa do mercado: as ações ON da CCR (CCRO3) recuaram 0,84% hoje.

Enquanto isso, fora do índice...

...destaque para as ações ON da Tupy (TUPY3), que dispararam 12,68% nesta sexta-feira — a empresa comprou o negócio de componentes de ferro fundido da Teksid, subsidiária da Fiat Chrysler Automóveis, por 210 milhões de euros — o equivalente a R$ 948 milhões.

Top 5

Confira os cinco papéis de melhor desempenho do Ibovespa nesta sexta-feira:

  • Gerdau PN (GGBR4): +4,82%
  • Tim ON (TIMP3): +3,95%
  • Metalúrgica Gerdau PN (GOAU4): +2,64%
  • Embraer ON (EMBR3): +1,87%
  • IRB ON (IRBR3): +1,83%

Veja também as maiores quedas do índice:

  • MRV ON (MRVE3): -3,59%
  • Yduqs ON (YDUQ3): -3,18%
  • Cogna ON (COGN3): -2,85%
  • Marfrig ON (MRFG3): -2,37%
  • CVC ON (CVCB3): -2,24%

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

em Minas Gerais

Notre Dame Intermédica compra Grupo Serpram por R$ 170 milhões

Aquisição marca avanço da empresa em Minas Gerais; mais cedo, companhia anunciou compra de outra empresa, no Sul do País

forte expansão

Unidas reporta lucro líquido de R$ 124 milhões, alta de 44,4% e melhor da história

Empresa registrou uma forte retomada no segmento de Terceirização de Frotas, que apresentou recordes de contratação

desinvestimentos

Compass apresenta proposta para adquirir participação da Petrobras na Gaspetro

Empresa, que chegou a desistir de abrir capital, não revelou valor pela fatia; processo é mais um desinvestimento da Petrobras, que desembarca de vez da companhia

Dinheiro na conta

Santander pagará R$ 1 bilhão em juros sobre capital próprio

O valor líquido por ação será de R$ 0,10859906709 por ON, com retenção de IR na fonte.

PLANOS

Agora parte do BTG, Necton vai em busca de pequenos investidores

Corretora pretende lançar iniciativas e produtos para a base dos investidores, para quem tem entre R$ 10 mil e R$ 15 mil aportados no mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies