Menu
2019-10-14T14:33:42-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Naufrágio

Com o exterior pesado, o barco do Ibovespa afundou para abaixo dos 100 mil pontos

A guerra comercial seguiu pressionando os mercados acionários globais, e esse clima de preocupação derrubou o Ibovespa para abaixo dos três dígitos

3 de setembro de 2019
10:32 - atualizado às 14:33
Barco afundando
A embarcação do Ibovespa não conseguiu navegar com o peso dos mercados americanos - Imagem: Shutterstock

O barco do Ibovespa até tentou zarpar em direção ao mar azul nesta terça-feira (3). No início do dia, o principal índice da bolsa brasileira ignorava o tom negativo visto no exterior e chegou a subir 0,79% na máxima, voltando a navegar nos mares dos 101 mil pontos. Mas, ainda durante a manhã, o motor da embarcação começou a falhar.

Essas falhas logo se converteram em perda de velocidade por parte do navio da bolsa brasileira. E o diagnóstico dos mecânicos do barco não era nada animador: o problema vinha de fora. Novamente, era a guerra comercial entre Estados Unidos e China a responsável pela perda do rendimento.

Em pouco tempo, o Ibovespa parou e voltou à estabilidade. Mas não ficou por aí: ao longo da tarde, a embarcação começou a sofrer com vazamentos, naufragando lentamente — e acabou afundando para abaixo do nível dos 100 mil pontos, reconquistado na última quinta-feira (29).

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Ao fim do dia, o Ibovespa terminou em baixa de 0,94%, aos 99.680,83 pontos. O índice brasileiro, assim, teve desempenho em linha com o das bolsas americanas: o Dow Jones recuou 1,08%, o S&P 500 teve baixa de 0,69% e o Nasdaq terminou em queda de 1,11%.

Essa precaução generalizada possui estreita relação com os desdobramentos da guerra comercial. Ainda há ampla incerteza quanto à realização de uma nova rodada de negociações entre as partes — há a previsão de um encontro entre os dois governos neste mês, mas uma possível data ainda não foi definida.

E as recentes declarações do presidente americano, Donald Trump, também não ajudaram a amenizar o clima. Via Twitter, o republicano disse que o diálogo com os chineses está indo "muito bem", mas também afirmou que, se for reeleito, as negociações com Pequim serão "muito mais duras".

E, considerando que tanto Washington quanto pequim colocaram em prática mais um pacote de tarifas de importação no dia 1º, o mercado teme que o clima entre as duas potências não seja o mais amigável possível — o que eleva a percepção de que as conversas podem não ter um desenvolvimento particularmente tranquilo.

Segundo Luis Sales, analista da Guide Investimentos, o panorama nebuloso da guerra comercial, somado aos dados mais fracos de atividade nos EUA — o índice de atividade industrial do país caiu de 51,2 em julho para 49,1 em agosto, entrando em terreno de contração — contribui para trazer esse clima negativo aos mercados globais.

Ondas fortes

Sales pondera que, no início do pregão, o mercado recebeu bem as declarações de Alfredo Setubal, presidente da Itaúsa — a holding que controla o Itaú Unibanco. Num evento promovido pelo próprio grupo, o executivo disse que a companhia segue com bastante apetite para compras e avalia investimentos em 15 novos negócios.

"O Setubal é uma pessoa bastante influente, se ele avalia investir, é um sinal de que há boas oportunidades por aí", disse o analista da Guide. "Mas, com o exterior pesado, o Ibovespa não conseguiu aguentar".

O tom negativo do mercado de commodities também influenciou a bolsa brasileira. No exterior, o petróleo Brent (-0,68%) e o WTI (-2,10%) fecharam em baixa; o minério de ferro, por sua vez, encerrou em queda de 1,59% no porto chinês de Qingdao, cotação que serve como referência para o mercado.

Nesse cenário, Vale ON (VALE3) caiu 1,06%, CSN ON (CSNA3) recuou 2,93%, Gerdau PN (GGBR4) teve baixa de 0,63% e Usiminas PNA (USIM5) desvalorizou 1,02%.

Águas calmas no dólar...

Já o dólar à vista teve uma sessão mais tranquila: a moeda americana terminou em leve baixa de 0,09%, a R$ 4,1790, distanciando-se ligeiramente do patamar de R$ 4,20 — na mínima, contudo, tocou os R$ 4,1522 (-0,73%)

Mais cedo, o Banco Central (BC) vendeu a totalidade do lote de US$ 580 milhões no leilão à vista de dólares — a autoridade monetária realizará operações como essa diariamente, até 27 de setembro, em conjunto com um leilão de swap cambial reverso, no mesmo montante.

No exterior, as moedas de países emergentes não apresentaram tendência única em relação ao dólar: divisas como o peso mexicano e o rand sul-africano ganharam terreno em relação ao dólar e fizeram companhia ao real, enquanto moedas como o peso chileno e o rublo russo perderam força.

...e nos juros

Em meio à calmaria vista no dólar à vista, a curva de juros fechou em baixa: na ponta curta, os DIs para janeiro de 2021 caíram de 5,57% para 5,50%; na longa, as curvas com vencimento em janeiro de 2023 recuaram de 6,66% para 6,56%, e as para janeiro de 2025 foram de 7,18% para 7,09%.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Rompimento da barragem

Um ano após Brumadinho, alta cúpula da Vale tenta se defender de acusações

Foi dentro de um jato particular da Vale, durante a viagem de volta ao Brasil, depois de participar do Fórum Econômico de Davos, na Suíça, que Fabio Schvartsman, então presidente da mineradora, recebeu a notícia do rompimento da barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG). Um ano após a tragédia de 25 de janeiro, […]

Fórum Econômico Mundial

Guedes, Doria e Huck sobem a montanha mágica de Davos — mas com intenções distintas

O ministro da Economia, Paulo Guedes; o governador de São Paulo, João Doria; e o apresentador de TV Luciano Huck brigam pelo protagonismo na edição deste ano do Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça

Seu mentor de investimentos

Estamos diante de um novo ciclo de alta das commodities?

No passado, dois bull markets de commodities deram enorme força à economia do Brasil. E, para o Ivan Sant’Anna, um novo ciclo de alta desses produtos está se desenhando no horizonte — o que abre enormes possibilidades de investimento

Parceiros

Brasil fecha acordo de cooperação técnica com a Alemanha na agricultura

A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, assinou um acordo de cooperação com a Alemanha para o desenvolvimento do setor — a parceria durará, ao menos, três anos

APOSENTE-SE AOS 40 OU O QUANTO ANTES

3 Erros que vão ATRASAR sua aposentadoria

Aproveitando o clima de começo de ano, em que listas e regras para alcançar objetivos se proliferam mais rápido que o mosquito da dengue, decidi dar a minha contribuição numa lista diferente.

Enxugando

Bancos públicos devem acelerar vendas de ativos em 2020

Juntos, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e BNDES devem vender, só no primeiro semestre de 2020, mais de R$ 60 bilhões em ativos

Obras a todo vapor

A economia brasileira segue patinando, mas o setor de construção dá sinais de força

O segmento de construção continua aquecido, com a retomada nos lançamentos e um crescimento no volume de vendas. E as prévias operacionais da Helbor, Direcional e MRV dão suporte ao otimismo do mercado

Aval do presidente

Bolsonaro aprova fundo eleitoral de R$ 2 bilhões em orçamento para 2020

O presidente Jair Bolsonaro aprovou a inclusão do fundo eleitoral no Orçamento do governo de 2020 — um mecanismo que prevê gastos de R$ 2 bilhões para as campanhas das eleições municipais

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

MAIS LIDAS: Bolha? Que bolha?

A matéria que discute uma suposta bolha nos fundos imobiliários foi a mais lida desta semana. Oi, aposentadoria e bolsa também estiveram entre os assuntos de destaque

Em busca de investidores

Guedes vai a Davos para ‘vender’ o Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, será a principal autoridade brasileira no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements