Menu
2019-07-23T17:20:58-03:00
Larissa Santos
Proibido para maiores de 40 anos

Google pagará US$ 11 milhões por discriminação de idade

A gigante de tecnologia concordou em pagar o valor de US$ 11 milhões para 227 pessoas que se sentiram vítimas de preconceito pela empresa

23 de julho de 2019
17:12 - atualizado às 17:20
Sede do Google
Google: - Imagem: Shutterstock

Trabalhar no Google, ou até mesmo fazer uma entrevista de emprego na empresa, pode não ser tão legal quanto parece. Pelo menos, se você não for um millennial. A empresa aceitou pagar o total de US$ 11 milhões  (cerca de R$ 41,4 milhões) em uma ação coletiva movida por 227 pessoas que a acusavam de discriminação por idade. No caso, com profissionais de mais de 40 anos.

O juiz responsável pelo caso ainda precisa aprovar o acordo final, que foi entregue na última sexta-feira (19).

Cheryl Fillekes é a autora principal do processo. A engenheira de software conta que fez entrevistas em quatro ocasiões entre 2007 e 2014, a primeira com 47 anos, e nunca foi contratada.

Em uma das ocasiões, pediram que reenviasse seu currículo com a data de formatura para que os entrevistadores pudessem ver sua idade. O Google, porém, alegou não ter contratado Cheryl por falta de "adequação à cultura" e inaptidão técnica para a vaga.

A ação movida pela engenheira em 2015 ganhou adeptos. A indenização, que pode ter um ponto final ainda este ano, se dividirá entre os 227 envolvidos, que receberão o total de US$ 35 mil cada. Cheryl, por ser a principal, receberá um adicional de US$ 10 mil.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

O histórico do Google

O caso de Cheryl Fillekes não é o primeiro a orbitar em torno do Google. Em 2010, a empresa fechou um acordo com Brian Reid, ex-funcionário que a processou após atuar como diretor de operações e diretor de engenharia no começo da década passada. Contratado em 2002, na época com 52 anos, o cientista da computação era tido como uma celebridade no Vale do Silício.

Após dois anos na empresa, ele teria sido transferido para liderar um novo programa de engenheiros, mas não recebeu nem funcionários, nem orçamento para continuar o projeto. Ele deixou o Google em 2004, substituído por dois engenheiros 15 e 20 anos mais novos que o cientista.

Segundo documentos da corte, Reid tinha uma excelente avaliação em quesitos técnicos, mas foi penalizado por não se "encaixar" na cultura da empresa. Mais do que isso, colegas de trabalho teriam dito que suas opiniões eram "obsoletas" e o chamavam de "homem velho", "vagaroso" e "letárgico". O valor do acordo nunca foi divulgado.

Outro caso que foi à Justiça em 2015 é o de Robert Heath. Assim como Cheryl, o caso de discriminação por idade teria acontecido na própria entrevista. Na ocasião, ele teria sido chamado de "grande candidato" pelo recrutador. Contudo, identificou uma espécie de sistema de códigos que classificava os candidatos de acordo com a "idade ideal".

A "adequação cultural" do Google

Desde 2014, o Google trabalha em um projeto para diversificar seus colaboradores, abrindo mais espaço para mulheres, LGBTs e outras minorias. Mais do que uma bandeira da empresa, a diversidade é responsável por um ambiente mais inovador, o que é fundamental para que a gigante se mantenha na ponta. Nesta reportagem, você pode conferir alguns dos segredos do Google para atrair e reter talentos em suas sedes.

Até 2019, porém, esse relatório não contemplava a diversidade etária.

Em entrevista à Bloomberg, o advogado de Cheryl defendeu que a "discriminação por idade precisa ser tratada na indústria de tecnologia". Talvez a resolução do caso da engenheira seja um primeiro passo. Além de pagar a indenização, o Google se comprometeu a treinar seus funcionários e recrutadores para evitar qualquer tipo de viés relativo à idade. A empresa também disse que vai investigar eventuais casos dentro da companhia.

 

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

DE OLHO NA TECNOLOGIA

Toyota investe US$ 394 milhões em companhia de táxi aéreo elétrico, Joby Aviation

Parecida a um drone, a aeronave tem capacidade para quatro passageiros mais o piloto, possui seis hélices, um alcance de 150 milhas (aproximadamente 240 km) e pode voar até 200 milhas por hora (cerca de 320 km/h)

POLÍTICA

Em Davos, Doria se ‘afasta’ de Bolsonaro

Nesses 12 meses de intervalo, o clima entre os dois não apenas esfriou como houve troca de farpas tendo como pano de fundo o cenário político de 2022

EMPREGO

Em 1º ano, Bolsonaro gera mais vagas que Temer, mas fica atrás de Lula e Dilma

Com a economia ganhando tração a partir do segundo semestre do ano passado, o Caged registrou saldo positivo de 644.079 vagas com carteira assinada em 2019

COLUNA DO PAI RICO PAI POBRE

Ter um emprego versus empreender

Veja como avaliar se é melhor ter um próprio negócio, ser autônomo ou arrumar um emprego.

EMPREGOS

Para gerar 1 milhão de empregos, economia tem de crescer 3%, diz secretário

O secretário de Trabalho do Ministério da Economia, Bruno Dalcolmo, evitou nesta sexta-feira, 24, fazer uma previsão oficial para a geração de empregos com carteira assinada em 2020, mas disse acreditar em até 1 milhão de novos postos de trabalho neste ano, caso o Produto Interno Bruto (PIB) tenha uma alta próxima de 3% até […]

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

O que será que será da Selic?

A taxa básica de juros (Selic) vai continuar em queda? Quando fiz essa pergunta recentemente a um gestor de fundos, ele me devolveu com outra pergunta: – Você quer que eu responda o que o Banco Central deveria fazer ou o que ele vai fazer? Pode parecer uma diferença sutil, mas o mercado encontra-se atualmente […]

Dólar teve alta

Tensão com o coronavírus freia os mercados e faz o Ibovespa ficar no zero a zero na semana

O coronavírus trouxe cautela aos mercados, mas não desencadeou uma onda de pessimismo. Como resultado, o Ibovespa ficou praticamente zerado na semana — a nova doença neutralizou o otimismo estrutural visto na bolsa nos últimos dias

OUÇA O QUE BOMBOU NA SEMANA

Podcast Touros e Ursos: Já pensou em conquistar sua independência financeira?

Repórteres do Seu Dinheiro trazem em podcast semanal um panorama sobre tudo o que movimentou os seus investimentos nesta semana

de olho na inflação

BC está confortável com inflação após choque de proteína, diz Campos Neto

“Há um gap de política monetária que a gente tenta comunicar. É importante, porque parte do que foi feito não está totalmente dissipado”, afirmou em seguida

MAIS ESCLARECIMENTOS

BNDES atual pôs R$ 15 milhões a mais em auditoria

O reajuste de 25% aconteceu por meio de um aditivo contratual, publicado no dia 25 de outubro de 2019, e aumentou de US$ 14 milhões para US$ 17,5 milhões o contrato da Cleary Gottlieb Steen & Hamilton, escritório contratado para realizar os serviços de auditoria

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements