Menu
2019-04-02T15:43:43-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Em tempos de juro baixo

Fundos de pensão terão de aumentar em quatro vezes investimento em ativos de maior risco

Afirmação é de Jorge Simino, diretor de investimentos da Funcesp, fundação dos funcionários da Cesp, que administra R$ 26,5 bilhões em recursos

2 de abril de 2019
15:43
Ilustração sobre planejamento de aposentadoria
Com juro baixo, fundações terão de correr mais riscos para cumprirem meta atuarial - Imagem: Pomb/Seu Dinheiro

No admirável mundo novo dos juros baixos no Brasil, os fundos de pensão terão de aumentar em até quatro vezes a parcela de investimentos com maior risco para se manterem dentro das metas atuariais. A afirmação é de Jorge Simino, diretor de investimentos da Funcesp.

Com os títulos públicos pagando hoje ao redor de 4% ao ano além da inflação, os fundos precisarão deter até 20% do patrimônio em uma cesta de ativos como ações, títulos privados e aplicações no exterior.

Com R$ 26,5 bilhões em patrimônio administrado, a fundação dos funcionários da ex-estatal de energia Cesp possui hoje por volta de 15% alocado em ações, mas já chegou a ter 18%.

"Como o ano já demonstrou que deve ser uma montanha russa, não se justifica ter 20% em renda variável", disse Simino, que participa de evento promovido pelo Bradesco BBI, em São Paulo, e em uma referência às incertezas sobre o andamento da reforma da Previdência.

Poucas ações

O aumento da participação dos fundos de pensão em ativos de risco esbarra em outros problemas, como o tamanho do mercado brasileiro.

"Existem 110 papéis pra comprar hoje", afirmou, em uma referência à quantidade de empresas listadas na B3 que possuem liquidez.

Nesse cenário, será inevitável para as fundações investir uma parcela dos recursos no exterior, segundo Simino. As regras permitem aos fundos de pensão aplicarem no exterior há uma década, mas só recentemente alguns entraves que dificultavam a alocação.

Nesse meio tempo, os fundos perderam o maior ciclo de alta dos mercados internacionais. "É como se tivéssemos chegado em uma festa às 4h30 da manhã", diz o diretor da Funcesp.

Risco concentrado

Com R$ 67 bilhões em ativos, a Funcef, fundo de pensão dos funcionários da Caixa Econômica Federal, já tem na carteira uma alocação maior em ativos de risco.

O problema da fundação é outro, segundo Paulo Werneck, diretor de investimentos da Funcef. "Temos 12,5% do patrimônio alocado em uma única empresa de mineração", afirmou, em referência à Vale.

Werneck criticou o uso político dos recursos e disse que a função dos administradores dos fundo de pensão não é sentar no conselho de empresas ou fazer investimentos diretos, e sim selecionar gestores profissionais que façam esse trabalho.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Interrompendo o casamento

Movida reforça pedido do Cade para barrar união entre Unidas e Localiza

De acordo com a companhia, isso geraria uma concorrência desleal no setor, com a nova empresa tendo 65% do mercado brasileiro de aluguel e 29% do mercado de frotas

vai mexer

Após polêmica com demissão de Castello Branco, governo indica nomes para o conselho da Petrobras

Cinco membros do colegiado pediram para não serem reconduzidos após interferência de Bolsonaro no comando da estatal

MERCADOS HOJE

Ibovespa opera em queda firme com piora da pandemia no país; dólar vai a R$ 5,72

Os mercados internacionais têm mais um dia de cautela, acompanhando uma nova alta do retorno dos títulos públicos americanos. No Brasil, o cenário da pandemia preocupa

Exile on Wall Street

Sem flores por hoje

Interrompemos nossa programação para uma verdade necessária: temos pouco a comemorar neste Dia Internacional da Mulher. Confesso que nunca aceitei bem a ideia de homenagem embutida nesta data. Sinto que temos tanto a conquistar e estamos tão atrasadas nessa agenda que, para mim, o 8 de março é menos sobre flores e mais sobre dar […]

ouça de graça

Tela Azul #22: A vida difícil dos PJs, Startups e o Venture Capital no Brasil

Na edição desta semana do Tela Azul, recebemos o Rodrigo Tognini, CEO do Conta Simples, uma startup brasileira que une serviços bancários para PJ, com ferramentas que facilitam a gestão financeiras das empresas.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies