🔴 HERANÇA EM VIDA? NOVO EPISÓDIO DE A DINHEIRISTA! VEJA AQUI

Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Fintech

Fundo do BNDES investe em ‘bolsa’ de cotas de consórcio

Com sede na Bahia, o Bom Consórcio funciona como uma plataforma de compra e venda de cotas de pessoas que desistiram ou deixaram de pagar as prestações

Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
24 de março de 2019
3:44 - atualizado às 3:43
Casa consórcio imóvel
Imagem: Shutterstock

É preciso deixar claro desde a primeira linha: consórcio não é investimento. Mas pode ser uma alternativa interessante para quem deseja adquirir um bem a prazo que pode ser mais barata do que o financiamento tradicional.

Trata-se de um mercado que, só no ano passado, movimentou R$ 106 bilhões, uma alta de 4,6% em relação a 2017. Existem hoje consórcios para quase tudo, incluindo carros, imóveis, viagens e até cirurgias.

Mas eu me lembro de um problema recorrente nos tempos em que eu trabalhava no atendimento ao consumidor no Procon, antes de virar jornalista. Todos os dias chegavam pessoas que foram excluídas dos grupos de consórcio por inadimplência e buscavam recuperar os valores.

O problema é que, nesse caso, a regra estipula que a devolução das parcelas só acontece no fim do grupo, depois que todos os participantes foram contemplados.

Uma empresa de tecnologia financeira (fintech) da Bahia se propõe a resolver esse gargalo. O Bom Consórcio se propõe a ser uma espécie de “bolsa” de consórcio, unindo na plataforma vendedores e compradores de cotas de administradoras parceiras.

Dinheiro novo

A empresa acaba de receber um investimento do Criatec 2, fundo capitaneado pelo BNDES que investe em startups nacionais de tecnologia. O investimento pode chegar a R$ 10 milhões e o fundo terá uma participação minoritária no capital do Bom Consórcio, que além dos sócios fundadores tem o Grupo Gaia como sócio.

Com o dinheiro novo, o plano é ampliar a atuação. Desde 2017, quando começou a operar, a empresa realizou 11 mil negócios e tem outros 45 mil em andamento. O volume de transações realizadas até o momento soma R$ 60 milhões, segundo me contou Jorge Freire, sócio e presidente do Bom Consórcio.

Atualmente, a empresa tem acordos com a BB Consórcios, do Banco do Brasil, Caixa Consórcios e Bancorbrás, e está em negociações para incluir mais duas administradoras na plataforma.

Embora não seja a única a oferecer esse serviço, a companhia espera resolver dois dos principais problemas envolvendo a negociação de cotas: as fraudes e as taxas de desconto muitas vezes extorsivas de quem se dispõe a antecipar os recursos para o participante.

"Procuramos oferecer uma taxa que faça sentido para quem vai comprar, mas que também seja justa para o vendedor", afirma Freire.

Ele diz que a referência da taxa de desconto a adotada pelo Bom Consórcio é a usada pelo Banco do Brasil nas linhas de antecipação da restituição do imposto de renda.

Quem adquire as cotas não é o Bom Consórcio, mas investidores como bancos e fundos de crédito, que pagam pelo serviço. Além de fazer a intermediação dos negócios, a empresa acompanha todo o ciclo da transferência da cota para o comprador e do dinheiro para o vendedor, em um processo 100% digital.

Por enquanto, a empresa trabalha apenas com cotas que foram canceladas por inadimplência. O próximo passo é fazer oferecer no site (www.bomconsorcio.com.br) a compra e venda de contratos que continuam ativos.

Compartilhe

NOVIDADE NA PRAÇA

BNDES vai comprar R$ 8,7 milhões em créditos de carbono; conheça os detalhes deste mercado

26 de maio de 2022 - 16:00

A ideia do BNDES é realizar novas chamadas, investindo de R$ 100 a R$ 300 milhões na compra de créditos de carbono nos próximos dois anos

Resultado

Oi (OIBR3) reverte lucro e tem prejuízo de R$ 1,669 bilhão no 4T21; veja os destaques do balanço

5 de maio de 2022 - 8:39

No negócio de fibra, um dos focos da “nova Oi”, a empresa chegou a 3,4 milhões de casas conectadas, com uma receita anual de R$ 2,9 bilhões

NÃO PERDEU TEMPO

Oi (OIBR3) usa dinheiro de venda a rivais para quitar dívida bilionária com o BNDES; valor foi o maior já recuperado na história do banco

20 de abril de 2022 - 19:32

A operadora desembolsou R$ 4,6 bilhões para liquidar dívidas de contratos celebrados em 2009 e 2012

DESINVESTIMENTO

BNDES segue plano estratégico e vende mais 50 milhões de ações da JBS (JBSS3) nesta quarta-feira (16); papéis recuam mais de 3%

16 de fevereiro de 2022 - 11:04

O primeiro block trade do BNDES foi feito em dezembro, com a venda de 70 milhões de ações. Após a finalização da operação, o BNDES ainda deterá 19,5% do capital da JBS

LA GARANTIA SOY YO

BNDES vai emprestar R$ 200 milhões para concessão rodoviária, garantia será o próprio projeto; entenda

27 de janeiro de 2022 - 16:11

Embora o valor seja pequeno para os padrões do banco de fomento, é mais um passo para diversificar os instrumentos de crédito à infraestrutura, já que o empréstimo foi estruturado com um “project finance non recourse”

BLOCK TRADE CONCLUÍDO

A crônica de uma saída anunciada: BNDES vende 12% de sua participação na JBS (JBSS3) e inicia desinvestimento

16 de dezembro de 2021 - 8:54

Operação de block trade ocorreu na manhã de hoje e movimentou R$ 2,66 bilhões

Entrevista exclusiva

‘Não é função de um banco público ficar carregando R$ 120 bilhões em ações’, diz presidente do BNDES

11 de novembro de 2021 - 14:36

Gustavo Montezano afirmou que banco seguirá vendendo participações em empresas, hoje estimadas em R$ 70 bilhões, e redirecionará recursos para financiar projetos de infraestrutura e de apoio a micro e pequenas empresas

CRÉDITO NO AR

BNDES abre linha de mais de US$ 500 milhões para financiar exportação de 24 jatos da Embraer

7 de outubro de 2021 - 9:10

A entrega dos jatos à SkyWest Airlines começou em agosto do ano passado e deve se estender até abril do ano que vem

SEM LOTE SECUNDÁRIO

AES Brasil (AESB3) levanta R$ 1,1 bilhão em oferta restrita de ações

29 de setembro de 2021 - 6:14

Oferta poderia ter ultrapassado a marca de R$ 1,5 bi, mas lote secundário acabou retirado a pedido do BNDESPar

PARADA OBRIGATÓRIA

BNDES vira ‘sócio’ da Mesbla e de outras empresas que não existem mais

28 de agosto de 2021 - 8:25

O BNDES ressaltou que as ações de firmas “em processos de recuperação ou falência ou outras situações inoperantes” foram “incorporadas” ao balanço da BNDESPar, a empresa de participações do banco, “sem nenhum custo para sua aquisição”

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar