Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-08-02T16:33:39-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Teremos um ganhador?

Trump joga poker e a mesa é a economia mundial

Presidente americano, Donald Trump, força a mão para cima do presidente do Fed, Jerome Powell, ao elevar tarifas sobre produtos chineses

2 de agosto de 2019
11:35 - atualizado às 16:33
Montagem do Donald Trump e Jerome Powell jogando Poker
Presidente dos EUA, Donald Trump, e presidente do Fed, Jerome Powell - Imagem: Montagem Andrei Morais / Federal Reserve / Shutterstock

Durante um tempo jogar poker virou hobby de gentes do mercado e de fora dele. Todos tínhamos uma mesa de amigos para jogar e surgiram cafuas especializadas. Eu já não jogo mais, mas a mesa de poker pareceu-me uma boa forma de encarar as jogadas desta semana envolvendo o presidente americano Donald Trump, o presidente do Federal Reserve (Fed), banco central americano, Jerome Powell, e a China. O pote ou a mesa é a economia mundial.

Se o amigo não gosta de poker, pode pensar no truco ou mesmo no jogo da galinha (play chicken), aquele no qual o perdedor é quem “pisca” primeiro. Também podemos lembrar do refinado xadrez, e cheguei a ver um comentário nas redes de que Trump joga um xadrez em quatro dimensões... Há método na loucura.

Enfim, o ponto é que o Trump vinha falando, criticando o Fed, pedindo estímulo, dando caneladas em Powell, enquanto aguardava a jogada do Fed na quarta-feira. Powell jogou as fichas na mesa e disse algo como: “esse 0,25 ponto de corte é o que tenho para mostrar. Preciso guardar fichas para quando as coisas ficarem realmente feias. Além disso, as caneladas não me intimidam, tenho um mandato e minhas ações independem da política.”

Do outro lado na mesa (ou do Twitter), Trump fez dois movimentos. Primeiro disse um: “ora, ora. Mais uma vez me decepcionado, ok”, e se recolheu. Os demais participantes da mesa pensaram “natural, o Trump ia reclamar mesmo” e voltaram a alimentar o “bull market”, achando uma versão da história que justificasse sua postura.

Mas Trump só esperou todos se distraírem para gritar um “all in” (poker) ou mandar um “seis, meio pau” (truco) na orelha de Powell, ao empurrar mais 10% de tarifas sobre os chineses, que até então vinham observando a picardia dos ocidentais (chineses têm um jogo próprio, bastante interessante, de memória e raciocínio, chama mahjong).

O grito de Trump fez os demais jogadores correm para tirar as fichas da mesa (bolsas caindo mais de 1% em Nova York, petróleo tombando 7%. Sobe dólar e ouro na busca por proteção). “Poxa Trump! Pra que isso, cara?” e ele responde: “I don’t care” (Trump disse que não se preocupa com a queda do Dow Jones).

Agora, todos estão de olhos bem abertos esperando o próximo jogador. Os chineses já “levantaram os olhos” do outro lado mesa: “vamos adotar contramedidas, não aceitamos pressão”.

Na manhã de hoje, Trump aliviou um pouco a mão, mas não podemos comprar o movimento por valor de face. O presidente disse que algo como: “Ok, ok parem de chorar. Posso repensar as novas tarifas se os chineses se mexerem”. Alívio imediato no cassino global.

Trump tenta colocar o Fed em corner ao chamar os chineses para a mesa. É como se ele falasse para o Powell: “ou você faz o que eu quero ou vou te obrigar a fazer isso, mesmo que tenha de afundar a economia em mais incerteza”.

Resta saber se o Fed vai cair nesse blefe de Trump. Sabemos que é um blefe, pois ele enfrenta uma eleição agora em 2020 e seu movimentos de tensionamento e distencionamento são feitos visando esse objetivo. Há método no que parece ser loucura.

A questão é que o Fed tem outra visão temporal das coisas. A instituição tem reafirmado sua independência e compromisso com o pleno emprego e inflação na meta.

O corte dessa semana, como bem disse meu amigo gringo, pode ser resumido da seguinte forma: “Não me encham o saco! Estou cortando o juro apenas para suavizar as besteiras feitas pelo presidente de vocês.”

Mas e os chineses? Bem, os chineses têm visão temporal das coisas ainda mais distinta. Trump pensa em 2020, o chinês planeja coisas para dez ou 15 anos (lembre-se, não tem eleição no Império do Meio). Para definir os chineses, uma boa frase é: as consequências vêm sempre depois...

A dúvida que fica é se teremos vencedores. Meu amigo gringo acha que não.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

ECONOMIA X COVID

Economia monitora variante ômicron da covid-19, mas programas de auxílio dependem da PEC dos Precatórios; pasta evita falar em gastos fora do teto

Ministério da Economia evita falar em crédito extraordinário, como acontece nos casos de guerras ou calamidades públicas

Black Friday em números

Varejo cresce 6,3% na Black Friday e vê crescimento de lojas virtuais com e-commerce aquecido; confira dados

Apesar do aumento em relação à Black Friday de 2020, o patamar de faturamento do varejo foi 9,1% inferior ao registrado em 2019

Desdobramentos da crise

Presidente da Latam, Roberto Alvo diz que recusou oferta ‘incompleta’ e ‘insuficiente’ da Azul

O conteúdo dela é confidencial”, afirmou, em entrevista coletiva. Procurada, a Azul não quis comentar

Solana no MB

Exclusivo: Solana (SOL), 5ª maior criptomoeda do mundo, chega Mercado Bitcoin com alta de mais de 12.000% no ano

A quinta maior criptomoeda do mundo vem conquistando o mercado porque se coloca como uma blockchain alternativa ao ethereum (ETH)

Pandemia em curso

Variante ômicron da covid-19 já está em dez países, mas chefe da associação médica da África do Sul vê “sintomas médios” da doença em estudo preliminar

Até o fechamento desta matéria, não haviam informações sobre infecções por essa variante da covid-19 nas Américas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies