2019-06-07T18:48:39-03:00
Estadão Conteúdo
Pente-fino

TCU rastreia “possíveis pagamentos irregulares” em estatais federais

Secretaria de Coordenação e Governança das Estatais vai tentar identificar se empresas “não dependentes” deveriam ser classificadas como “dependentes”

29 de abril de 2019
19:08 - atualizado às 18:48
TCU, tribunal de contas da união
Imagem: Reprodução

O Tribunal de Contas da União está investigando "possíveis pagamentos irregulares" a colaboradores de estatais federais.

Sob a relatoria do ministro Vital do Rêgo, o TCU determinou à Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (Sest) que identifique as empresas "não dependentes" que, na verdade, deveriam ser classificadas como "dependentes". As informações foram divulgadas no site do TCU.

Essa classificação é crucial para se verificar a regularidade dos pagamentos de Participação nos Lucros ou Resultados (PLR) aos empregados, bem como de Remuneração Variável Anual (RVA) aos dirigentes.

É que as estatais classificadas como dependentes não podem pagar esses valores nem ultrapassar o teto constitucional.

A Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais deverá realizar a identificação, em 60 dias, das empresas estatais consideradas formalmente "não dependentes", mas que receberam aportes de capital da União nos últimos cinco anos e que, "por força no disposto no artigo 2.º, inciso III, da Lei de Responsabilidade Fiscal, deveriam ser classificadas como dependentes", explicou o ministro-relator Vital do Rêgo.

A Corte de Contas também determinou que a Secretaria das Estatais forneça a relação de todos os empregados e dirigentes que receberam valores mensais acima do teto constitucional.

Além de informar ao TCU, a Secretaria terá de passar a relação de todos os colaboradores que receberam PLR ou RVA entre 2013 e 2017.

Para evitar que eventuais pagamentos irregulares voltem a ocorrer, o Tribunal estabeleceu que a Secretaria desenvolva ferramenta no Sistema de Informação das Estatais (Siest).

Essa ferramenta deverá fazer a verificação automática das remunerações de todas as empresas estatais não dependentes, após o fim de cada exercício.

O objetivo é verificar se as "não dependentes" continuaram a fazer jus a essa classificação. Caso se mostrem, na realidade, como dependentes, deverão obedecer ao teto constitucional e não pagar PLR ou RVA.

Sobre a situação específica da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), o ministro Vital do Rêgo explicou que, na sessão do TCU de 10 de abril, "foi concedida cautelar para que a Infraero, ante a sinalização de dependência em relação ao Tesouro Nacional, passe a respeitar o teto constitucional remuneratório".

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Político pesa no Ibovespa, projeções melhores para VIIA3 e outros destaques do dia

A inflação global elevada e as apostas cada vez maiores de que o mundo deve enfrentar um cenário de recessão econômica continuam alimentando os ursos do mercado financeiro nos quatro cantos do mundo, monopolizando a atenção dos investidores.  Mesmo com um cenário marcado por uma forte aversão ao risco, os principais índices de Wall Street […]

AUMENTA O SOM

Ex-ministro Milton Ribeiro diz ter recebido ligação de Bolsonaro sobre busca e apreensão — ouça o áudio

O telefonema ocorreu em 9 de junho, antes do ex-chefe da pasta da Educação ter sido alvo da operação da Polícia Federal (PF), deflagrada na quarta-feira (22)

FECHAMENTO DO DIA

Brasília domina e Ibovespa cai mais de 1% na semana; dólar vai a R$ 5,25

Os ruídos fiscais em Brasília, assim como a tensão em torno da Petrobras (PETR4) dividiram o palco com o temor de uma recessão ao longo da semana do Ibovespa

FIM DO ABORTO LEGAL

Como a suspensão do direito ao aborto pela Suprema Corte dos EUA impacta as grandes empresas do país?

As big techs e os bancos americanos garantem o custeio ou reembolso de viagens para outros estados que permitem o aborto; Disney também se pronunciou

VAI E VOLTA

Uma Via de mão dupla: entenda por que o Citi melhorou a avaliação da varejista, mas cortou o preço-alvo de VIIA3 para R$ 2,80

Potencial de valorização dos papéis é de 23%, segundo o banco, que manteve a recomendação neutra para a empresa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies