Menu
2019-08-01T12:44:59-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Nosso dinheiro

Estatais federais lucraram R$ 24,6 bilhões no 1º trimestre

Resultado foi 57,5% maior que o registrado em igual período do ano passado. BNDES teve maior crescimento de lucro, de 437%

1 de agosto de 2019
12:36 - atualizado às 12:44
Principais estatais federais
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O conjunto das 133 empresas estatais controladas pelo governo federal encerrou o primeiro trimestre de 2019 com lucro de R$ 24,6 bilhões. Cifra 57,5% maior que a registrada um ano antes, de R$ 15,6 bilhões.

Segundo o Ministério da Economia, o maior crescimento percentual observado foi do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que saiu de lucro de R$ 2,1 bilhões para R$ 11,1 bilhões (alta de 437%).

Embora apresentem melhora de resultados e programas para redução de gastos com pessoal e aumento de governança, as estatais ainda são vistas como um sinal de atraso e sinônimo de corrupção.

Não por acaso, uma das bandeiras do governo Jair Bolsonaro e de seu ministro Paulo Guedes é vender o maior número possível de empresas, tentado acabar com o modelo de Estado empresário.

Essa disposição do governo em privatizar o maior número possível de empresas ou mesmo de reduzir sua participação tem tido forte impacto no valor de mercado das estatais listadas em bolsa.

O valor de mercado da Eletrobras dobrou entre maio de 2018 e maio de 2019, para R$ 44,8 bilhões. Banco do Brasil teve alta de 54%, para R$ 140 bilhões.

Despesas e Pessoal

Em relatório, o governo destaca a “adequação da força de trabalho”, com uma redução de 2.408 pessoas no quadro das estatais, em comparação com o primeiro trimestre de 2018. As principais reduções viram dos Correios (1.721 empregados) e Banco do Brasil (402 empregados).

Desde dezembro de 2015, a redução de pessoal passa de 59 mil pessoas, ou 10,8% do total. Grande parte da redução, algo como 47 mil vagas, foram fechadas por meio de programas de demissão voluntária. A economia estimada com a folha é de R$ 7,49 bilhões.

Além de folha de salários, o governo também aponta redução nos demais gastos com pessoal, da ordem de R$ 1,1 bilhão, ou 4,78% em termos nominais, considerando apenas as empresas não dependentes.

A íntegra do 10º Boletim das Empresas Estatais Federais pode ser acessada neste link.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL

Recuperação extrajudicial da Triunfo é suspensa pela 1ª Câmara do Tribunal de Justiça de São Paulo

Hoje, os papéis da companhia terminaram o dia cotados em R$ 2,07, o que representa uma alta de 11,29%. Apenas em janeiro, os papéis da Triunfo já subiram 22,49%

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Petrobras à beira da privatização

Caro leitor, São grandes as expectativas do mercado em torno das vendas de ativos estatais para o setor privado durante o governo Jair Bolsonaro. Recentemente, o secretário especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados, Salim Mattar, disse que a meta do governo federal é levantar R$ 150 bilhões em privatizações apenas em 2020. Mas Bolsonaro já […]

De volta aos 118 mil pontos

Noticiário corporativo dá as cartas e Ibovespa sobe mais de 1%; dólar cai a R$ 4,17

Num dia de calmaria no exterior, o Ibovespa fechou em alta firme, impulsionado pelo bom desempenho das ações das siderúrgicas, da Eletrobras e do setor de papel e celulose.

PETRÓLEO

Campo de Lula permanece em 2019 como o maior produtor de petróleo do Brasil

Primeiro campo supergigante brasileiro, Lula foi descoberto em 2006, representando hoje 34,2% da produção do País

PETRÓLEO

Produção de petróleo no Brasil cresce 7,78% em 2019, diz ANP

A maior alta foi registrada pela produção de petróleo na região do pré-sal, de 21,56%, para 633,9 milhões de barris, segundo agência

MAIS ESCLARECIMENTOS

Contrato para abrir ‘caixa-preta’ é da gestão Temer, diz presidente do BNDES

“Não foi esta diretoria que contratou a auditoria. Chegamos em julho no banco e 90% do relatório estava pronto”, afirmou Montezano

OLHO NO VAREJO

XP diz que ações de varejistas não estão caras e coloca Lojas Renner, Via Varejo e Vivara entre as apostas para setor

Para o analista, a alta nos múltiplos é reflexo do aumento das expectativas dos investidores com a melhora do consumo e expansão das varejistas. Mas ponderou que, ao mesmo tempo, tal fato diminui a margem de erro por parte das empresas

Altas e baixas

Eletrobras, siderúrgicas, Marfrig, JBS e Klabin: os destaques do Ibovespa nesta quarta-feira

As ações da Eletrobras reagiram positivamente à recomendação de compra pelo Itaú BBA. Siderúrgicas e Klabin também subiram, enquanto Marfrig e JBS caíram

em compasso de espera

Gol nega revés após Boeing adiar novamente retorno do 737 MAX

Modelo foi suspenso por autoridades em todo o mundo após dois acidentes deixarem centenas de mortos no fim de 2018 e início de 2019

de olho na avaliação

Aprovação de Bolsonaro cai para 47,8% em um ano, diz CNT/MDA

O chefe do Planalto, no entanto, se recuperou quando a comparação ocorre entre a última pesquisa, em agosto, e agora

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements