Menu
Julia Wiltgen
O melhor do Seu Dinheiro
Julia Wiltgen
2019-09-23T10:42:53-03:00
Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

O público e o privado

23 de setembro de 2019
10:42
O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

Toda segunda-feira temos trazido para você uma entrevista aprofundada com conselheiros de grandes companhias brasileiras de capital aberto. O personagem de hoje é um executivo que atua em nada menos que três conselhos de administração e está prestes a integrar um quarto, além de representar uma empresa de private equity no Brasil e ser sócio de uma gestora de investimentos.

Ele também integrou posições de destaque em quatro governos federais, como secretário e ministro de diversas pastas e até presidente de estatal. Estou falando de Pedro Parente, atual presidente do conselho de administração da BRF, ex-presidente da Petrobras no governo Michel Temer e ex-chefe da Casa Civil no governo Fernando Henrique Cardoso.

Com rara experiência em gestão tanto no setor privado como público, Parente recebeu a repórter Daniele Madureira na sede da BRF, em São Paulo. Durante a entrevista, ele falou sobre as diferenças de gestão entre os dois setores, o desafio de reestruturar a BRF, a fusão frustrada com a Marfrig, a peste suína na China e até da moda de “carne vegetal”.

Também opinou sobre o governo Jair Bolsonaro e comentou suas expectativas para o futuro do país. Recomendo muito a leitura!

Pedro Parente, presidente do conselho da BRF, em entrevista ao Seu Dinheiro
Pedro Parente, presidente do conselho da BRF, em entrevista ao Seu Dinheiro - Imagem: Eduardo Nicolau/Seu Dinheiro

Agenda cheia

A última semana cheia de setembro começa em ritmo lento nos mercados, mas não se engane. A agenda está cheia com a divulgação de indicadores e relatórios oficiais sobre a economia brasileira, o que deve trazer alguma volatilidade aos mercados. A tendência deve seguir pelo menos até o início da tão esperada votação da reforma da Previdência no Senado, na terça-feira, que também deve mexer no humor dos investidores.

edição semanal da Bula do Mercado traz um panorama do que deve mexer com a bolsa nos próximos dias. Esse é um conteúdo gratuito, exclusivo para os leitores Premium. Para acessá-lo é preciso apenas fazer um cadastro aqui e indicar esta newsletter para cinco amigos. Os conteúdos serão liberados assim que eles aceitarem o convite.

Na sexta-feira, o Ibovespa encerrou a semana no azul pela quarta vez seguida, fechando em alta de 0,46%, aos 104.817,40 pontos. O dólar fechou em queda de 0,22%, a R$ 4,1537, acumulando uma alta de 1,64% na semana. Consulte a Bula do Mercado para saber o que esperar de bolsa e dólar hoje.

Sobe e desce

Desde a crise financeira de 2008, a bolsa americana passa por um dos maiores ciclos de alta da história. Mas tudo que sobe pode cair. Para o nosso colunista Fausto Botelho, um dos maiores analistas gráficos do país, uma forte queda do S&P500, principal índice da Bolsa de Nova York, está prestes a começar, e o momento é de ficar fora dos ativos de risco. Com exceção do mercado de criptomoedas. Entenda o palpite do Fausto com base nos gráficos.

A cara da mudança

Com uma valorização de 68,56% na bolsa só neste ano, a Via Varejo passa por profundas alterações após a volta do controle acionário pela família Klein. Uma dessas mudanças tem rosto e nome: Roberto Fulcherberguer. Depois de trocar quase toda a diretoria da dona das Casas Bahia, o CEO tem trabalhado para tirar a empresa do “limbo digital”. Em entrevista ao “Estadão” , ele prometeu expandir o banco da companhia, o BanQi, até a próxima Black Friday (ou seja, em 60 dias) e indicou que pode aposentar a marca Ponto Frio e devolver o Extra.com ao GPA.

This is the end

As primeiras horas desta segunda-feira foram de despedida para a operadora de turismo britânica Thomas Cook. Depois de fracassar na busca por 200 milhões de libras esterlinas (ou R$ 1 bilhão) junto a acionistas e credores, a empresa fundada há 178 anos entrou em colapso e teve de cancelar 600 mil viagens. Quatro companhias aéreas foram paralisadas e 21 mil funcionários foram dispensados em 16 países. Saiba mais. 

De malas prontas

Recém-saído de sua licença médica, o presidente Jair Bolsonaro já tem o seu próximo grande compromisso marcado na agenda e embarca hoje para os Estados Unidos para sua primeira participação na Assembleia Geral da ONU. Tradicionalmente, cabe ao presidente brasileiro realizar o discurso de abertura do evento. Bolsonaro deve aproveitar o momento para prestar esclarecimentos sobre a política ambiental do governo e continuar o seu movimento de aproximação com os Estados Unidos. O presidente deve, inclusive, contornar recomendações médicas para jantar com Donald Trump.

Agenda

Indicadores
- CNI divulga Sondagem Industrial
- Zona do Euro e EUA divulgam PMI Industrial, Serviços e Composite

Bancos Centrais 
- BC divulga Boletim Focus
- BC: Nota do Setor Externo: IDP (USD mi)
- Nos EUA, Fed divulga Índice de Atividade Nacional (CFNAI)

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Entrevista

‘Desemprego alto e déficit público nos deixam cautelosos’, diz presidente da Whirlpool

CEO da fabricante das marcas Consul e Brastemp diz estar cauteloso para investir em produção e em relação à sustentabilidade da demanda, por conta de desemprego e da situação fiscal

Mercadores da noite

Bolsa, dólar e juros subindo: qual dos três está mentindo?

Quando a Bolsa, o dólar e as taxas de juros estão subindo ao mesmo tempo, um dos três está mentindo – qual deles será e o que fazer?

Infraestrutura

Novo marco legal para ferrovias vai a votação no Senado na próxima semana

Legislação promete organizar regras do setor e permitir novos formatos para a atração de investimentos privados

Telecomunicações

Operadoras cobram transparência do governo na definição da tecnologia 5G

Teles se dizem preocupadas com as “incertezas” relativas ao processo, depois de governo sinalizar banimento da chinesa Huawei

Recorde

Estrangeiros põem R$ 30 bilhões na bolsa brasileira em novembro

Trata-se de recorde de entrada de recursos estrangeiros em um mês, impulsionado pela migração de recursos para bolsas emergentes; movimento por aqui, porém, pode ser passageiro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies