🔴 IBOVESPA AOS 120 MIL PONTOS? ESTE ANALISTA ACHA QUE É QUESTÃO DE TEMPO. DESCUBRA ONDE INVESTIR!

Cotações por TradingView
2019-04-02T13:30:52-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Devo, não nego

Brasil é destaque negativo entre emergentes quando se considera dívida do governo

Levantamento do IIF mostra que endividamento público do país só perde para Egito e Líbano. Instituto apresentou seu levantamento sobre a dívida mundial, que somou US$ 243 trilhões ou 317% do PIB global em 2018

Paulo Guedes
O ex-ministro da Economia, Paulo Guedes - Imagem: Jefferson Rudy/Agência Senado

O aumento no endividamento mundial apresentou forte desaceleração em 2018. A constatação é do Instituto Internacional de Finanças (IIF) que computou um aumento de apenas US$ 3,3 trilhões na dívida global no ano passado, depois um salto de US$ 21 trilhões em 2017.

Ainda assim, a montanha de dívida mundial é de US$ 243 trilhões, o equivalente a 317% do Produto Interno Bruto (PIB) global, considerando população, empresas, governos e bancos.

O acompanhamento dessas cifras astronômicas é relevante pois ajudam a mostrar o quadro geral de alavancagem da economia e quão desastrosas pode ser a próxima crise financeira.

Não por acaso vimos o mundo tremer quanto o Federal Reserve (Fed), banco central americano, chegou a falar em três ou quatro elevações de juros neste ano de 2019, no fim do ano passado, e o consequente alívio com o aceno de que novas elevações no custo do dinheiro saíram no radar ao menos no curto prazo.

Segundo o IIF, todo o aumento de dívida aconteceu no primeiro trimestre do ano passado, quando a soma atingiu US$ 248 trilhões. Depois houve um recuou e relativa estabilidade para o restante do ano.

dívida mundial

E o Brasil com isso?

Olhando apenas as economias emergentes, onde o Brasil está incluso, o crescimento da dívida foi de US$ 1 trilhão, menor ritmo desde 2001, e ficou concentrado no setor doméstico não financeiro. Como as economias também cresceram, a relação dívida sobre o PIB emergentes ficou praticamente estável em 212%.

O Brasil é destaque negativo quanto se olha a dívida governamental, que na métrica do IIF, bateu 86,8% do PIB no ano passado, contra 83,2% em 2017.

A média dos pares emergentes é de 49,7% do produto. Segundo o IIF, esse percentual é recorde e foi puxado pelos países da América Latina e Ásia.

De toda a amostra considerada, a dívida pública brasileira só não é maior que a do Egito (92,5%) e a do Líbano (150%).

O IIF alerta que esse elevado estoque de dívida tem resultado em crescente pagamento de juro da dívida, notadamente no Brasil, Egito e Líbano, cenário que pode resultar em maiores impostos junto com um esvaziamento do investimento público.

Esse alerta do IIF nos é bastante familiar, pois é o crescimento das despesas públicas, financiadas via emissão de dívida, que o governo quer atacar com a reforma da Previdência. Ao mesmo tempo, Paulo Guedes fala em fazer grandes privatizações para reduzir essa conta de juros.

Ainda sobre o Brasil, o IIF mostra que a dívida das famílias equivale a 28,1% do PIB, contra a média emergente de 37,6%. Já a dívida das empresas é pequena se comparada aos pares, totalizando 42,2% do PIB, contra 91,7% do PIB dos emergentes. Já a dívida do setor financeiro se mostra em linha com os demais, ficando em 35,5% do PIB, ante 33,6% da média.

Desenvolvidos

Entre os mercados desenvolvidos a relação dívida/PIB ficou em 390% do PIB. A estabilidade do dado agregado, no entanto, mascara discrepâncias entre os países. Japão, França e Austrália se endividaram mais, enquanto Irlanda, Holanda e Portugal reduziram seus patamares de endividamento.

Dívida nos EUA

A dívida total nos EUA subiu em US$ 2,9 trilhões, somando US$ 68 trilhões em 2018, maior crescimento anual desde 2007. Quem puxou o aumento do endividamento por lá foi o governo, respondendo por 40% do aumento, tendência que deve se repetir em função do elevado déficit público.

No entanto, como a economia cresceu de forma vigorosa no ano passado, a relação dívida total sobre o PIB ficou em 326%, menor patamar desde 2005.

Enquanto a dívida doméstica e do setor financeiro cresceram de forma moderada, permanecendo em patamares inferiores ao da crise de 2008, a dívida das empresas não financeiras foi a 73% do PIB do país, se aproximando dos patamares pré-crise.

A dívida das empresas é vista como um vetor de risco, ainda mais se o Fed retomar alta de juros e a economia entrar em recessão. Juros mais altos aumentam o gasto com o serviço da dívida em um momento de perda de receita.

A dívida do governo se mantém ao redor dos 100% do PIB desde 2015 e segue cerca de 30 pontos percentuais acima do período pré-crise.

China

Os esforços governamentais para reduzir a alavancagem financeira mostram resultado, com a dívida total da China rondando os 290% do PIB desde 2016. A dívida do setor não financeiro está entre 150% a 155% do PIB, abaixo do pico de 2016, mas ainda entre os maiores patamares do mundo.

Já a dívida doméstica, carregada pelos chineses, subiu mais de 40% desde 2016, marcando 52% do PIB, com o aumento do endividamento da população acontecendo em velocidade muito superior ao crescimento de sua renda. O IIF alerta que tal crescimento deixa a população muito mais vulnerável às oscilações do ciclo econômico.

Compartilhe

O SONHO CHEGOU AO FIM

El Salvador nunca acreditou no bitcoin (BTC)? País comprará de volta títulos da dívida soberana para ‘provar’ que não dará calote

28 de julho de 2022 - 11:56

O presidente Nayib Bukele quer recomprar US$ 1,6 bilhão em dívida soberana e enviou dois projetos de lei ao congresso local para garantir os fundos necessários para a operação

Recuperação à vista?

Números mostram continuidade no ciclo de melhora das contas públicas em julho – Veja os detalhes

31 de agosto de 2021 - 12:38

Os números foram publicados pelo Banco Central e incluem despesas do governo federal, governo central, estados, municípios e estatais, com exceção de Petrobras e Eletrobras

Tendência da bolsa

AGORA: Ibovespa futuro abre em queda, com contas públicas no radar; dólar avança hoje

25 de agosto de 2021 - 9:10

Arrecadação federal e contas do governo devem movimentar os negócios e pressionar ainda mais o presidente Jair Bolsonaro e a equipe econômica

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: IPCA-15, arrecadação federal e Paulo Guedes devem movimentar a bolsa hoje; exterior espera Simpósio do Fed

25 de agosto de 2021 - 7:51

A expectativa com a reunião de Jackson Hole na próxima sexta-feira (27) começa a pressionar os índices pelo mundo e o Ibovespa deve digerir muitos indicadores hoje

Capital agitada

Ruídos de Brasília: o que acontece no Planalto Central e respinga na Bolsa (e no seu bolso)

12 de agosto de 2021 - 16:04

Saiba quais os principais temas discutidos nos corredores da capital federal que mexem e ainda vão mexer com o humor dos investidores

Estica mais?

Teto de gastos pode sofrer golpe com parcelamento de dívidas públicas

6 de agosto de 2021 - 10:29

Em comunicado, o IFI afirma que o benefício de adiar o pagamento de parte das dívidas judiciais previstas para 2022 pode abalar a credibilidade do país

Segurando os gastos

Bolsonaro, sobre auxílio: nossa capacidade de endividamento está no limite

28 de maio de 2021 - 7:29

Além de justificar as decisões sobre os valores do programa social, presidente criticou Lula e descartou intervenção sobre os preços da carne

trajetória preocupante

Selic maior pode elevar dívida do Brasil em R$ 100 bilhões

3 de abril de 2021 - 10:52

Tesouro pode optar por mudanças na estratégia de emissões de papéis para suavizar o impacto nos próximos meses, diz economista

Aperto nas contas

Déficit do setor público chega a R$ 11,7 bi e dívida chega a 90% do PIB, diz BC

31 de março de 2021 - 12:10

Dados como dívida pública, dívida líquida, déficit e juros também foram divulgados pelo Banco Central

Fala, Guedes!

“Se o presidente não confiar em meu trabalho, sou demissível em 30 segundos”, diz Guedes

2 de março de 2021 - 9:36

O ministro iniciou a gravação dizendo que, “aparentemente”, é um “desastre em comunicação”: “Vim para a política sem querer, nunca pensei em política”

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies