Menu
2019-06-23T12:03:20-03:00
Nicolas Gunkel
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP) com Nanodegree em Marketing Digital pela Udacity. Foi editor de Redes Sociais e repórter do site Exame, além de repórter no jornal Metro São Paulo.
RALI

Bitcoin ultrapassa US$ 10 mil e vai ainda mais longe. O que explica?

Alguns fatores têm catalisado a alta do preço das criptomoedas nos últimos dias. Desde o início do ano, o bitcoin bateu com folga os principais índices do mercado

23 de junho de 2019
12:03
Criptomoedas bitcoin
Bitcoin: alta de 150% desde o início do anoImagem: Shutterstock

A criptomoeda Bitcoin (BTC) bateu a cotação de US$ 10 mil pela primeira vez desde março de 2018. Na última sexta-feira (21), o ativo acelerou e subiu cerca de 10%, batendo a marca dos US$ 10,7 mil.

No sábado, porém, o Bitcoin foi ainda mais longe e chegou ao patamar dos US$ 11,2 mil em sua máxima. Outras criptomoedas, como Ethereum, Litecoin e XRP, também experimentaram altas de dois dígitos no período.

Segundo Billy Bambrough, colunista de blockchain do site da americana Forbes, o movimento fez com que muitos lembrassem do rali da moeda no fim de 2017, quando o bitcoin subiu de US$ 10 mil para US$ 20 mil em menos de 20 dias.

Não custa lembrar, claro, que valor do ativo caiu para apenas US$ 3,2 mil menos de um ano depois.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Razões da alta do Bitcoin

Alguns fatores têm catalisado a alta do preço das criptomoedas. Entre eles, estão os recentes anúncios de criação da Libra, nova divisa digital do Facebook, e da JPM coin, moeda do JPMorgan.

A entrada de grandes players no mundo cripto tem ajudado a validar o mercado de criptoativos e blindá-los de ataques de autoridades pelo mundo.

Um caso emblemático é a Índia, onde o governo tem empreendido uma verdadeira cruzada contra redes e tecnologias descentralizadas.

Depois de fechar o cerco contra aplicativos como Telegram e Reddit, o novo alvo foram as criptomoedas. Os ativos digitais chegaram a ser ameaçados de banimento no país, sob o pretexto de representarem esquemas de pirâmides.

Contudo, o efeito dos ataques teve o efeito oposto do esperado, e acabou jogando luz à existência desses ativos. Antes desconhecido de grande parte da população, o Bitcoin viu sua demanda subir fortemente na Índia desde o início do ano, colocando pressão sobre o preço do ativo.

Analistas acreditam que, com a entrada de um gigante como o Facebook no xadrez cripto, deve ficar mais difícil para autoridades tentarem um xeque-mate nas criptomoedas.

Halving

Outro fator diretamente ligado à alta do Bitcoin é a proximidade do halving (ou halvening), evento que acontece de quatro em quatro anos. Quando ele ocorre, a taxa de emissão do criptoativo cai pela metade, e a moeda tende a ganhar valor.

O próximo halving do bitcoin acontece em 2020 e será o terceiro da história. Historicamente, os períodos que antecedem o evento foram responsáveis por grandes altas.

O mesmo fenômeno se aplica ao Litecoin, que enfrentou um rali ainda mais acentuado que o bitcoin desde o início do ano, com valorização de 330%.

O Bitcoin já subiu 150% em 2019, muito acima dos principais índices do mercado.

FOMO

Outro fator ao qual analistas atribuem a inclinação do viés positivo do bitcoin nos últimos dias é o chamado FOMO (do inglês, Fear of Missing Out).

Em poucas palavras, trata-se de um efeito manada despertado pela barreira psicológica dos US$ 10 mil. Com o bitcoin retomando as manchetes de jornais e outros veículos, muitos investidores de varejo devem voltar a se posicionar na criptomoeda, pressionando ainda mais seus preços.

Vale a pena entrar?

Se você quer aproveitar o bull market dos criptoativos, mas não sabe se ainda vale a pena entrar, vale a pena assistir ao último vídeo de Fausto Botelho sobre o assunto. Nele, o analista gráfico argumenta que quatro criptomoedas devem ter forte alta.

Se você quer se arriscar menos, mas ainda sim aproveitar a alta das criptos, sugiro fortemente que leia a reportagem de Bruna Furlani sobre o primeiro fundo brasileiro de cripto. Em seus primeiros sete meses, ele rendeu nada menos que 720% do CDI. E por que ele é menos arriscado? Porque 80% de seus recursos são investidos em títulos públicos.

No momento de publicação dessa reportagem, o Bitcoin a cotação do bitcoin era cotado a US$ 10.729

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Alívio

Ibovespa abre em alta e dólar cai a R$ 4,17, acompanhando o otimismo no exterior

A força demonstrada pelo varejo e pela indústria da China em dezembro neutraliza as preocupações com o PIB mais fraco do país. Como resultado, o Ibovespa e as bolsas globais sobem

fase 1 do acordo

Trégua comercial da China com EUA deve garantir superávit em conta corrente

Nos primeiros três trimestres de 2019, a China acumulou superávit em conta corrente de US$ 137,4 bilhões, equivalente a 1,3% de seu Produto Interno Bruto (PIB)

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta sexta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

lupa sobre os números

Superávit da balança comercial brasileira recua em 2019

Superávit diminuiu de US$ 58 bilhões em 2018 para US$ 46,7 bilhões, segundo dados da FGV

tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

14 notícias para você começar o dia bem informado

Hoje eu destaco a reportagem da Julia Wiltgen, que conversou com os gestores do fundo multimercado de maior rentabilidade em 2019.  Lá fora, as bolsas americanas tiveram novo recorde. Entre as empresas, destaque para a dona do Google, que virou um negócio trilionário, e a Bombardier, que teve o pior pregão da sua história na […]

para ficar atento

MP vê ‘brecha’ de dados do Cadastro Positivo

MP do Distrito Federal instaurou inquérito sobre uma possível vulnerabilidade de dados causada pelo birô de crédito do Boa Vista

defesa da categoria

‘Frete é paliativo; pauta é redução do preço do diesel’, diz presidente de associação

Para Associação Brasileira dos Condutores de Veículos Automotores, caminhoneiros precisam estar sob o mesmo guarda-chuva, com alíquotas iguais

No radar dos criminosos

Em alta, carne e até boi vivo são alvo do crime organizado

Com o aumento das exportações para a China, a oferta de carne no Brasil diminuiu e os preços subiram. A alta acumulada em 2019 foi de 32,4%

histórico

Dona do Google chega a US$ 1 trilhão em valor de mercado

Empresa se tornou a quarta companhia do mundo a atingir a marca, ao lado de Apple, Amazon e Microsoft

O que mexe com os mercados?

Crescimento da China desacelera, mas preocupação é o dólar

PIB chinês apresenta menor ritmo de crescimento em 29 anos, mas npumeros do varejo e indústria surpreendem. No Brasil, o mercado procura pistas do que deve acontecer com a Selic

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements