Menu
2019-06-23T12:03:20-03:00
Nicolas Gunkel
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP) com Nanodegree em Marketing Digital pela Udacity. Foi editor de Redes Sociais e repórter do site Exame, além de repórter no jornal Metro São Paulo.
RALI

Bitcoin ultrapassa US$ 10 mil e vai ainda mais longe. O que explica?

Alguns fatores têm catalisado a alta do preço das criptomoedas nos últimos dias. Desde o início do ano, o bitcoin bateu com folga os principais índices do mercado

23 de junho de 2019
12:03
Criptomoedas bitcoin
Bitcoin: alta de 150% desde o início do anoImagem: Shutterstock

A criptomoeda Bitcoin (BTC) bateu a cotação de US$ 10 mil pela primeira vez desde março de 2018. Na última sexta-feira (21), o ativo acelerou e subiu cerca de 10%, batendo a marca dos US$ 10,7 mil.

No sábado, porém, o Bitcoin foi ainda mais longe e chegou ao patamar dos US$ 11,2 mil em sua máxima. Outras criptomoedas, como Ethereum, Litecoin e XRP, também experimentaram altas de dois dígitos no período.

Segundo Billy Bambrough, colunista de blockchain do site da americana Forbes, o movimento fez com que muitos lembrassem do rali da moeda no fim de 2017, quando o bitcoin subiu de US$ 10 mil para US$ 20 mil em menos de 20 dias.

Não custa lembrar, claro, que valor do ativo caiu para apenas US$ 3,2 mil menos de um ano depois.

Razões da alta do Bitcoin

Alguns fatores têm catalisado a alta do preço das criptomoedas. Entre eles, estão os recentes anúncios de criação da Libra, nova divisa digital do Facebook, e da JPM coin, moeda do JPMorgan.

A entrada de grandes players no mundo cripto tem ajudado a validar o mercado de criptoativos e blindá-los de ataques de autoridades pelo mundo.

Um caso emblemático é a Índia, onde o governo tem empreendido uma verdadeira cruzada contra redes e tecnologias descentralizadas.

Depois de fechar o cerco contra aplicativos como Telegram e Reddit, o novo alvo foram as criptomoedas. Os ativos digitais chegaram a ser ameaçados de banimento no país, sob o pretexto de representarem esquemas de pirâmides.

Contudo, o efeito dos ataques teve o efeito oposto do esperado, e acabou jogando luz à existência desses ativos. Antes desconhecido de grande parte da população, o Bitcoin viu sua demanda subir fortemente na Índia desde o início do ano, colocando pressão sobre o preço do ativo.

Analistas acreditam que, com a entrada de um gigante como o Facebook no xadrez cripto, deve ficar mais difícil para autoridades tentarem um xeque-mate nas criptomoedas.

Halving

Outro fator diretamente ligado à alta do Bitcoin é a proximidade do halving (ou halvening), evento que acontece de quatro em quatro anos. Quando ele ocorre, a taxa de emissão do criptoativo cai pela metade, e a moeda tende a ganhar valor.

O próximo halving do bitcoin acontece em 2020 e será o terceiro da história. Historicamente, os períodos que antecedem o evento foram responsáveis por grandes altas.

O mesmo fenômeno se aplica ao Litecoin, que enfrentou um rali ainda mais acentuado que o bitcoin desde o início do ano, com valorização de 330%.

O Bitcoin já subiu 150% em 2019, muito acima dos principais índices do mercado.

FOMO

Outro fator ao qual analistas atribuem a inclinação do viés positivo do bitcoin nos últimos dias é o chamado FOMO (do inglês, Fear of Missing Out).

Em poucas palavras, trata-se de um efeito manada despertado pela barreira psicológica dos US$ 10 mil. Com o bitcoin retomando as manchetes de jornais e outros veículos, muitos investidores de varejo devem voltar a se posicionar na criptomoeda, pressionando ainda mais seus preços.

Vale a pena entrar?

Se você quer aproveitar o bull market dos criptoativos, mas não sabe se ainda vale a pena entrar, vale a pena assistir ao último vídeo de Fausto Botelho sobre o assunto. Nele, o analista gráfico argumenta que quatro criptomoedas devem ter forte alta.

Se você quer se arriscar menos, mas ainda sim aproveitar a alta das criptos, sugiro fortemente que leia a reportagem de Bruna Furlani sobre o primeiro fundo brasileiro de cripto. Em seus primeiros sete meses, ele rendeu nada menos que 720% do CDI. E por que ele é menos arriscado? Porque 80% de seus recursos são investidos em títulos públicos.

No momento de publicação dessa reportagem, o Bitcoin a cotação do bitcoin era cotado a US$ 10.729

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

em busca de fidelização

Azul, Itaú e Visa lançam cartão em meio às incertezas com retomada

Empresas anunciaram cartão que dá desconto de 10% em passagens áreas e uma série de produtos

Retomada

Faturamento do setor de máquinas cresce 9,8% em setembro, diz Abimaq

O faturamento líquido total engloba as receitas obtidas com as vendas no mercado interno e no exterior já descontadas as despesas correntes do setor.

Negócio polêmico

Linx contesta convocação de assembleia da Totvs sobre protocolo de incorporação

Linx informa que não assinou documento com a Totvs e menciona artigo da Lei das S/A que determina que o protocolo do processo de incorporação precisa ter o aval de ambas as companhias

Deu pane no sistema

Ações da Microsoft despencam mesmo após bons resultados trimestrais

As ações negociadas em Nasdaq (MSFT) caíam 3,85% por volta das 14h46, cotadas a US$ 204,84.

Início de cobertura

BofA recomenda compra para as ações da Cury e vê potencial de valorização de 60%

Banco iniciou a cobertura dos papéis da incorporadora subsidiária da Cyrela, que fez IPO há cerca de um mês

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies