Menu
2019-06-23T12:30:56-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Vai que vai

Winter is coming, mas não para as criptos. Bitcoin está cada vez mais próximo dos US$ 10 mil

A última vez que o criptoativo havia ultrapassado tal marca foi em março de 2018, quando ele chegou a US$ 10.779,90. E não é só ela. Entre as moedas mais líquidas, o Ethereum (ETH) estava sendo negociado a US$ 288,89, uma alta expressiva de 8%

21 de junho de 2019
14:43 - atualizado às 12:30
Montagem com notas de dólares e simbolo do bitcoin
Bitcoin: cripto encosta nos US$ 10 mil Imagem: Shutterstock

O inverno começou hoje (21) no Brasil, mas não para as criptomoedas, que estão a todo vapor. O bitcoin (BTC), por exemplo, está próximo de alcançar o valor de US$ 10 mil. A última vez que ele ultrapassou essa marca foi em março de 2018. Apenas nesta semana, a moeda teve uma alta de 18%. No acumulado do ano, a valorização vai além dos 160%.

Hoje, por volta das 14h00, o criptoativo estava sendo negociado a US$ $9.863,86, o que representa uma valorização de 5,49%.

E não é só ela. Entre as moedas mais líquidas, o Ethereum (ETH) estava sendo negociado a US$ 288,89, uma alta expressiva de 8%. 

Já a cotação do XRP estava com valorização de 3,28%. E o Litecoin, cripto que passou por uma grande valorização desde o início do ano, apresentou uma alta de 2,44%, cotado em 137,67. Além dele, o EOS acumula crescimento de 4,09%, negociado em US$ 4,03.

Vai que vai!

Um dos fatores que podem estar atrelados à alta da moeda é um fenômeno conhecido como halving. Isso porque ao criar o bitcoin, Satoshi Nakamoto estipulou que a recompensa pela mineração da moeda diminuiria lentamente ao longo dos anos para controlar o suprimento do ativo.

E a cada quatro anos, o processo de recompensa dado aos mineradores de bitcoin reduz pela metade. Como a última vez que isso ocorreu foi em 2016, a próxima será no ano que vem.

Na visão do professor de mestrado em criptoeconomia da FGV, Luiz Calado, o que se costuma ver é que existe uma possível relação entre os anos anteriores a processos de halving e a alta no preço do bitcoin.

O impacto da guerra

E há outra questão. Na opinião de Lars Seier Christensen, ex-CEO de uma das maiores corretoras do mundo a Saxo Bank e especialista renomado no segmento de criptomoedas, a subida nas cotações da moeda pode estar relacionada ao fato de que os investidores chineses estão se posicionando em bitcoins com medo do agravamento das relações entre os dois países. A ideia de aumentar a posição é uma forma de proteção.

A razão é semelhante ao que ocorreu quando o dólar estava em queda e os investimentos em ouro voltaram a ser porto seguro dos investidores que estavam temores com o cenário global. O bitcoin é visto como uma alternativa ao ouro por ser resistente ao confisco, infinitamente divisível, de fácil transporte e verificável.

E o ouro, como você deve saber, é uma ótima proteção para momentos de crise e os bancos centrais estão montando suas reservas para uma possível crise mundial iminente.

Olha, a Libra!

Outro fator que pode ter ajudado a aumentar o bom humor dos investidores e que pode trazer maior visibilidade para esse mercado é o lançamento da Libra, a criptomoeda do Facebook. A companhia fez o anúncio do seu novo produto na última terça-feira (18) e disse que a criptomoeda deverá entrar em funcionamento em 2020.

O objetivo é utilizar a plataforma de 2,4 bilhões de usuários da rede social para popularizar as transações com criptomoedas. A missão da Libra é "criar uma infraestrutura financeira global que empoderará bilhões de pessoas ao redor do mundo", já que tem como princípios a facilidade de acesso aos serviços e seu baixo custo, bastante acesso a um smartphone e conexão com a internet.

E o Facebook não está sozinho nessa. Outras gigantes da tecnologia como VisaMastercardUber e PayPal também se uniram para criar a Libra Association, organização sem fins lucrativos que será responsável pela administração e implementação da moeda.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Ainda falta chão...

Reforma administrativa dá mais um passo na Câmara dos Deputados

O relator leu hoje seu parecer pela constitucionalidade da proposta na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ); votação deve ocorrer a partir do dia 20

Novo momento

Fertilizantes Heringer registra prejuízo líquido de R$ 7,46 milhões no 1º tri

Empresa teve melhor Ebitda da história para um primeiro trimestre, mas resultado foi impactado por despesas financeiras

na b3

GetNinjas estreia em queda na bolsa, após IPO com ação abaixo do previsto

Empresa levantou R$ 550 milhões na oferta inicial de ações, com desconto de quase 20% do valor do papel em relação ao preço mínimo da faixa

Diversificando

BTG Pactual lança fundo de investimento 100% em bitcoin

O lançamento vem em linha com a diversificação de ativos oferecidos pelo banco

Exile on Wall Street

Um investidor conservador sabe que uma boa ação tem seus defeitos

“Sou reacionário. Minha reação é contra tudo que não presta.” Se o sábado é uma ilusão, a segunda-feira deve ser a mais dura e fria realidade. Começamos a semana com Nelson Rodrigues. O conservador é um cético na capacidade de grandes revoluções oferecerem um futuro não testado que seja superior ao que sobreviveu ao teste […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies