Menu
2019-06-23T12:30:56-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Vai que vai

Winter is coming, mas não para as criptos. Bitcoin está cada vez mais próximo dos US$ 10 mil

A última vez que o criptoativo havia ultrapassado tal marca foi em março de 2018, quando ele chegou a US$ 10.779,90. E não é só ela. Entre as moedas mais líquidas, o Ethereum (ETH) estava sendo negociado a US$ 288,89, uma alta expressiva de 8%

21 de junho de 2019
14:43 - atualizado às 12:30
Montagem com notas de dólares e simbolo do bitcoin
Bitcoin: cripto encosta nos US$ 10 mil Imagem: Shutterstock

O inverno começou hoje (21) no Brasil, mas não para as criptomoedas, que estão a todo vapor. O bitcoin (BTC), por exemplo, está próximo de alcançar o valor de US$ 10 mil. A última vez que ele ultrapassou essa marca foi em março de 2018. Apenas nesta semana, a moeda teve uma alta de 18%. No acumulado do ano, a valorização vai além dos 160%.

Hoje, por volta das 14h00, o criptoativo estava sendo negociado a US$ $9.863,86, o que representa uma valorização de 5,49%.

E não é só ela. Entre as moedas mais líquidas, o Ethereum (ETH) estava sendo negociado a US$ 288,89, uma alta expressiva de 8%. 

Já a cotação do XRP estava com valorização de 3,28%. E o Litecoin, cripto que passou por uma grande valorização desde o início do ano, apresentou uma alta de 2,44%, cotado em 137,67. Além dele, o EOS acumula crescimento de 4,09%, negociado em US$ 4,03.

Vai que vai!

Um dos fatores que podem estar atrelados à alta da moeda é um fenômeno conhecido como halving. Isso porque ao criar o bitcoin, Satoshi Nakamoto estipulou que a recompensa pela mineração da moeda diminuiria lentamente ao longo dos anos para controlar o suprimento do ativo.

E a cada quatro anos, o processo de recompensa dado aos mineradores de bitcoin reduz pela metade. Como a última vez que isso ocorreu foi em 2016, a próxima será no ano que vem.

Na visão do professor de mestrado em criptoeconomia da FGV, Luiz Calado, o que se costuma ver é que existe uma possível relação entre os anos anteriores a processos de halving e a alta no preço do bitcoin.

O impacto da guerra

E há outra questão. Na opinião de Lars Seier Christensen, ex-CEO de uma das maiores corretoras do mundo a Saxo Bank e especialista renomado no segmento de criptomoedas, a subida nas cotações da moeda pode estar relacionada ao fato de que os investidores chineses estão se posicionando em bitcoins com medo do agravamento das relações entre os dois países. A ideia de aumentar a posição é uma forma de proteção.

A razão é semelhante ao que ocorreu quando o dólar estava em queda e os investimentos em ouro voltaram a ser porto seguro dos investidores que estavam temores com o cenário global. O bitcoin é visto como uma alternativa ao ouro por ser resistente ao confisco, infinitamente divisível, de fácil transporte e verificável.

E o ouro, como você deve saber, é uma ótima proteção para momentos de crise e os bancos centrais estão montando suas reservas para uma possível crise mundial iminente.

Olha, a Libra!

Outro fator que pode ter ajudado a aumentar o bom humor dos investidores e que pode trazer maior visibilidade para esse mercado é o lançamento da Libra, a criptomoeda do Facebook. A companhia fez o anúncio do seu novo produto na última terça-feira (18) e disse que a criptomoeda deverá entrar em funcionamento em 2020.

O objetivo é utilizar a plataforma de 2,4 bilhões de usuários da rede social para popularizar as transações com criptomoedas. A missão da Libra é "criar uma infraestrutura financeira global que empoderará bilhões de pessoas ao redor do mundo", já que tem como princípios a facilidade de acesso aos serviços e seu baixo custo, bastante acesso a um smartphone e conexão com a internet.

E o Facebook não está sozinho nessa. Outras gigantes da tecnologia como VisaMastercardUber e PayPal também se uniram para criar a Libra Association, organização sem fins lucrativos que será responsável pela administração e implementação da moeda.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Oferta inicial de ações

Kalunga protocola pedido de IPO na CVM; veja alguns números da varejista

Com foco na expansão e reforço de caixa, varejista é a terceira empresa a solicitar abertura de capital na B3 nesta semana

Corrida espacial

Elon Musk quer levar humanos para Marte até 2026

A empresa aeroespacial do bilionário, SpaceX, pretende criar uma cidade no planeta nos próximos 10 anos; ações da Tesla podem se beneficiar

Recuou!

Captação da poupança cai pela 1ª vez desde janeiro

Apesar do recuo, a poupança acumula entrada líquida de R$ 145,71 bilhões de janeiro a novembro – melhor desempenho para o período

Retrospectiva da semana

Coquetel anticrise: vacina e dinheiro na veia

Na onda das boas notícias, Ibovespa fechou a sexta-feira, 4, perto das máximas

Pandemia

Covid-19: Bolsonaro diz que governo não terá como socorrer os necessitados se ‘fechar tudo de novo’

Presidente avalia que o país não tem mais condições de se endividar

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies