Menu
2019-04-25T14:02:07-03:00
Estadão Conteúdo
ressaca pós-carnaval

Índice de produção industrial cai para 47,4 pontos em março, diz CNI

A demanda fraca volta a preocupar os empresários industriais; CNI destaca que o índice é especialmente baixo para o mês, já que março costuma ter índices acima de 50 pontos

25 de abril de 2019
12:55 - atualizado às 14:02
indústria-brasileira
CNI destaca que o índice é especialmente baixo para o mês, já que março costuma ter índices acima de 50 pontos. - Imagem: José Cruz/Agência Brasil

A demanda fraca volta a preocupar os empresários industriais. É o que aponta a Sondagem Industrial divulgada nesta quinta-feira, 25, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Segundo a pesquisa, o índice de evolução da produção ficou em 47,4 pontos em março, abaixo da linha divisória dos 50 pontos, o que significa queda da produção na comparação com o mês anterior. Em fevereiro, o índice de produção tinha registrado 48,5 pontos. Mas, em março de 2018, o indicador era de 55,2 pontos.

A CNI destaca que o índice é especialmente baixo para o mês, já que março costuma ter índices acima de 50 pontos. A entidade ressalta, no entanto, que ao menos parcialmente, o resultado é influenciado pelo Carnaval, que neste ano foi celebrado no início de março.

O índice de evolução no número de empregados ficou em 48,5 pontos em março, o que também representa queda ante o mês de fevereiro. Essa fraca demanda da economia brasileira, que contribuiu para queda na produção e no emprego, também representou excesso de estoques nas fábricas.

A Sondagem Industrial revela que, em março, o índice de evolução de estoques dos industriais ficou em 50,5 pontos, um pouco acima da linha divisória dos 50 pontos. Esse resultado, segundo a CNI, reflete um pequeno aumento nos estoques das empresas. O índice que mede o nível de estoque efetivo em relação ao usual manteve-se praticamente constante, passando de 51,1 pontos em fevereiro para 51,2 pontos em março. "Ao permanecer acima dos 50 pontos, o índice revela que os estoques seguem acima do planejado pelas empresas", destaca a Sondagem.

Com relação à utilização média da capacidade instalada (UCI), a pesquisa mostra que ela se manteve inalterada pelo terceiro mês seguido em 2019, em 66%, um porcentual ainda baixo na avaliação da CNI. O índice de UCI efetiva em relação ao usual recuou 2,4 pontos e foi a 41 pontos, o menor índice desde maio de 2018, quando registrou 37,3 pontos. A Sondagem destaca que, como o índice permanece abaixo dos 50 pontos, indica que a atividade industrial segue abaixo do usual para o mês.

Expectativas

A elevada carga tributária continua como o principal problema enfrentado pela indústria, na avaliação dos empresários. A Sondagem apontou que esse é o principal problema apontado por 43,6% dos empresários. Em segundo lugar, aparece a demanda interna insuficiente, assinalada por 37,5% das empresas. Esse item aumentou 6,4 pontos porcentuais entre o 4º trimestre de 2018 e o 1º trimestre de 2019.

"A Sondagem de março, portanto, mostra que a falta de demanda, o grande problema que atingiu a indústria durante a crise recente, voltou a afetar mais o empresário. Mostra também suas consequências: estoques indesejados, produção e emprego caindo, máquinas paradas, condições financeiras fragilizadas, expectativas cada vez menos otimistas e intenção de investir em queda. É, portanto, um quadro preocupante", afirma o economista da CNI Marcelo Azevedo.

Os empresários industriais também apontaram piora nas condições financeiras pelo segundo trimestre consecutivo. O índice de satisfação com o lucro operacional recuou de 42 pontos no quarto trimestre de 2018 para 40,3 pontos no primeiro trimestre de 2019. Já o índice de satisfação com a situação financeira caiu de 46,1 pontos para 45,3 pontos na mesma base de comparação. Segundo a CNI, como eles estão abaixo da linha divisória dos 50 pontos, significa insatisfação nos dois casos.

"A permanência de estoques indesejados, aliada à baixa demanda, prejudica as condições financeiras da indústria", ressalta Azevedo.

Com relação ao acesso ao crédito, a Sondagem revela uma leve melhora. O índice que mede a facilidade de acesso ao crédito aumentou 0,4 ponto entre o quarto trimestre de 2018 e o primeiro de 2019, alcançando 38,7 pontos. Apesar de ser o índice mais elevado desde o primeiro trimestre de 2014, ainda permanece muito abaixo dos 50 pontos, o que reflete dificuldade das empresas para conseguir recursos no mercado financeiro.

A Sondagem foi realizada com 1.888 empresas, entre os dias 1º e 12 de abril.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

pacote comercial

Brasil e EUA assinam acordo para facilitar comércio e desburocratizar regulação

O Acordo de Comércio e Cooperação Econômica vinha sendo negociado pelos dois países desde 2011, mas estava em hibernação até a eleição do presidente Jair Bolsonaro

Relatório de produção

Vale: Produção de minério vai a 88,676 milhões/toneladas, alta anual de 2,3%

No relatório que divulgou nesta segunda-feira, 19, a companhia informa que está evoluindo com seu plano de estabilização e entregou uma forte produção de minério de ferro no terceiro trimestre.

Buscando eficiência

Infraestrutura anuncia início do plano de incorporação da Valec e EPL

Segundo a pasta, um dos principais objetivos da incorporação é “otimizar os gastos por meio de uma empresa mais enxuta, eficiente e sustentável”.

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Segurando o teto

Hoje foi dia de descolamento entre o Ibovespa e as bolsas americanas novamente. E tudo por causa dos impasses que vêm pesando sobre as perspectivas dos investidores nos últimos tempos. Mas desta vez o jogo virou. Foi a bolsa brasileira que se saiu bem, enquanto as bolsas americanas amargaram perdas. Lá fora, o vaivém das […]

Agora vai?

Agora é oficial: CSN entra com pedido de IPO da unidade de mineração

A abertura de capital da unidade da CSN que inclui a mina Casa de Pedra é aguardada há pelo menos uma década, a ponto de ganhar status de lenda urbana no mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies