Menu
2019-04-26T15:36:26-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
De onde virá o dinheiro

A boa e a má notícia do BNDES no investimento em infraestrutura

Governo não tem nem terá dinheiro para investir, mas há capital privado de sobra, incluindo o seu, que pode ser aplicado em projetos no país, segundo o presidente do banco de desenvolvimento, Joaquim Levy

26 de abril de 2019
15:32 - atualizado às 15:36
Joaquim Levy, presidente do BNDES
Joaquim Levy, presidente do BNDES - Imagem: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

Joaquim Levy tem uma boa e uma má notícia para você sobre as perspectivas para o investimento em infraestrutura no país. Para o presidente do BNDES, mesmo com a economia prevista para os cofres públicos com a reforma da Previdência, o governo não terá dinheiro para investir em infraestrutura nos próximos anos. Essa é a má notícia, que fique claro.

A boa é que dinheiro não é problema entre os investidores no setor privado, tanto lá fora como aqui no Brasil. "O capital está procurando destino, e nada melhor para absorver capital do que infraestrutura", disse Levy, que participou nesta sexta-feira de um seminário na Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP).

Ou seja, Levy acredita que uma parte dos seus investimentos, diretamente ou via fundos, pode ser destinada a financiar os projetos de energia, logística e outras áreas no país. "Se a gente se organizar, a infraestrutura é um destino muito bom", afirmou o presidente do BNDES a uma plateia formada principalmente por alunos do curso de MBA da fundação.

Embora não tenha dinheiro, o governo tem o papel fundamental de coordenar os projetos, segundo Levy, que elogiou a criação do Programa de Parcerias de Investimento (PPI). O órgão vinculado à Presidência da República que centraliza as ações do governo em Infraestrutura foi criado na gestão Temer e foi mantido por Jair Bolsonaro.

História de sucesso

Com uma longa história no serviço público, o presidente do BNDES disse que, apesar dos percalços, o Brasil tem uma história de sucesso em concessões ao setor privado e que pode se aproveitar disso para atrair o dinheiro de investidores.

"Dinheiro tem às pilhas. O que falta são bons projetos", afirmou

A maior parte do capital disponível hoje está em busca de investimentos de baixo risco. O que pode ser um oportunidade de atrair dinheiro barato para financiar a infraestrutura, desde que o país consiga criar regras simples e padronizadas para os investidores.

Levy disse que o BNDES também poderá atuar para diminuir o risco das operações, oferecendo por exemplo algum tipo de proteção cambial para o investidor estrangeiro. "É claro que vamos cobrar por isso", afirmou.

O banco de desenvolvimento também pretende continuar atuando como "investidor-âncora" nas captações de recursos pelos projetos no mercado de capitais. Em outras palavras, o banco garante a compra de um determinado percentual em uma emissão de debêntures, por exemplo.

O investimento em debêntures cujos recursos são destinados a financiar obras de infraestrutura possuem isenção de imposto de renda para pessoas físicas. Mas Levy considera que o pequeno investidor não deve entrar em emissões de projetos que ainda não foram concluídos e defendeu uma maior participação dos bancos comerciais, que têm melhores condições de avaliar os riscos.

O que não vai mais acontecer é o uso das taxas de juros subsidiadas, como ocorreu no passado recente. "Não tem mais BNDES com dinheiro barato para garantir projetos que não se sustentam", afirmou Levy, que deixou o evento sem falar com a imprensa.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Em baixa

Índice alemão IFO de sentimento das empresas sobe levemente em fevereiro

Resultado surpreendeu negativamente analistas consultados pelo The Wall Street Journal

Tensão no exterior

Surto de coronavírus na Itália gera pânico e faz as bolsas globais despencarem

A aversão ao risco toma conta dos mercados globais nesta segunda-feira, em resposta à chegada do coronavírus à Europa. As bolsas do velho continente despencam e os futuros de NY caem forte

Hora de mudar

Doria diz que Brasil deve se reposicionar sobre política ambiental

Governador paulista vê risco de o país ficar cada vez mais fora da mira dos investidores internacionais

Dinheiro no bolso

Bancos distribuem R$ 52 bilhões em dividendos a seus acionistas em 2019

Para este ano, porém, o valor dos dividendos pode ser menor por conta do menor volume de crédito fornecido pelos grandes bancos

Surto mundial

Aústria interrompe tráfego de trens para a Itália por receio do coronavírus

Casos italianos da doença aumentaram para pelo menos 152, o maior número fora da Ásia

Agenda de resultados

Em clima de Carnaval, Ambev divulga balanço anual nesta semana; veja o que esperar dos números

Cervejaria tem tudo para entregar resultados mais positivos em 2019, após sofrer com números fracos e a maior concorrência nos últimos anos

Acesso liberado

Os segredos da bolsa: ações para não ficar de ressaca na quarta-feira de cinzas

Enquanto a bolsa está fechada para o Carnaval, fique atento ao desempenho dos ADRs de companhias brasileiras nos EUA — eles darão uma pista importante sobre como será a reabertura das negociações por aqui, na quarta-feira

Clima tenso na política

Bolsonaro ainda não respondeu carta dos governadores, diz Doria

Mandatários estaduais acusam o presidente de dar declarações que ferem a democracia brasileira

Planejando o futuro

3 erros que você deve evitar ao planejar seus investimentos para aposentadoria

Fique de olho pois nesse longo caminho existem algumas ciladas que muita gente acaba caindo

Os movimentos do magnata

Warren Buffett vendeu mais de US$ 800 milhões em ações da Apple no último trimestre. Mas o que isso significa?

Conheça algumas razões para que esse volume de ações da Apple tenha saído das mãos de um dos maiores investidores do mundo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements