Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-11-23T11:04:56-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Ultrapassou Jeff Bezos

O maior bilionário: Bill Gates volta a ser o homem mais rico do mundo

Com uma fortuna avaliada em US$ 110 bilhões, o fundador da Microsoft, Bill Gates, ultrapassou Jeff Bezos na disputa pelo posto de maior bilionário do mundo

16 de novembro de 2019
11:00 - atualizado às 11:04
Bill Gates, bilionário e fundador da Microsoft
Imagem: Shutterstock

Há um novo xerife na cidade dos ultra ricos: Bill Gates. Com uma fortuna estimada em US$ 110 bilhões, o fundador da Microsoft ultrapassou Jeff Bezos, da Amazon, e voltou ao posto de maior bilionário do mundo pela primeira vez em mais de dois anos.

O levantamento, feito pela Bloomberg, mostra que Gates aumentou seu patrimônio em US$ 19,5 bilhões somente em 2019. Já Bezos viu seu saldo no banco diminuir em US$ 16,2 bilhões desde janeiro — nada que o preocupe, já que o presidente da Amazon ainda tem US$ 109 bilhões na conta.

A reconquista da liderança por Bill Gates se deve, em grande parte, à recente onda de ganhos vista nas ações da Microsoft. Nas últimas três semanas, os papéis da empresa acumularam uma alta de 6,1%, fazendo com que o valor de mercado da companhia chegasse a US$ 1,14 trilhão.

Por outro lado, as ações da Amazon fizeram uma trajetória inversa: no mesmo período, os ativos da companhia de Jeff Bezos tiveram uma perda acumulada de 1,23%. Essas movimentações foram cruciais para a mudança no topo da lista dos bilionários.

O rali das ações da Microsoft — e o desempenho mais fraco dos papéis da Amazon — tem relação com o Pentágono. As duas empresas estavam disputando um contrato de US$ 10 bilhões para desenvolver um sistema de comunicação militar, com base na tecnologia de armazenamento de dados em nuvem. E a companhia de Bill Gates foi a vencedora.

De acordo com o levantamento da Bloomberg, o francês Bernard Arnault é o terceiro homem mais rico do mundo, com uma fortuna avaliada em US$ 103 bilhões. Warren Buffett, Mark Zuckerberg, Amancio Ortega, Larry Page, Sergey Brin, Charles Koch e Julia Koch completam o top 10.

O Seu Dinheiro fez uma série especial com os perfis dos maiores bilionários do mundo, de acordo com a lista da Forbes em 2019. Você pode ler tudo sobre esses ricaços — incluindo Bill Gates e Jeff Bezos — na página especial da Rota do Bilhão.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

MERCADOS HOJE

Evergrande injeta temor no mercado global e bolsas têm dia de fortes perdas; Ibovespa fecha no menor nível desde novembro

Temor de que os problemas da incorporadora chinesa gerem uma reação em cadeia no mercado global afundou as bolsas nesta segunda-feira (20)

Ruído político

Congresso não participou de debate sobre aumento no IOF, revela presidente da Câmara

Arthur Lira também declarou que quer avançar com a reforma administrativa e uma solução para a questão dos precatórios ainda nesta semana

Na onda do minério

Mercado Livre (MELI34) ultrapassa Vale (VALE3) e se torna a empresa mais valiosa da América Latina

A gigante de comércio eletrônico argentina conquistou o posto após a mineradora brasileira perder R$ 43,6 bilhões em valor de mercado na última semana

Vídeos

Investir em IPOs vale a pena? Saiba as causas dessa febre do mercado

O ano de 2021 está mostrando a força do setor dos IPOs. São diversas empresas que abriram seu capital e fizeram sua oferta primária. Matheus Spiess, analista da Empiricus, explica neste vídeo sobre este cenário. Confira

desaceleração a caminho

Renda fixa: Por que a Evergrande derruba o Ibovespa, mas alivia o mercado de juros

Desempenho é oposto ao que se poderia esperar quando há pânico no mercado, diz especialista; contratos DIs para janeiro de 2022 caem de 7,09% para 7,08%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies